Americanos apostam no Brasil para criar ‘maior loja virtual’ para bebês

Os sócios - e primos - Davis Smith (à esquerda na foto) e Kimball Thomas chegaram ao Brasil há pouco mais de dois meses para fundar a empresa (Foto: Divulgação)Dois jovens pais norte-americanos, empreendedores desde os tempos da faculdade, resolveram apostar no Brasil para dar início ao segundo negócio próprio da dupla. Há pouco mais de dois meses, Davis Smith, de 33 anos, e Kimball Thomas, de 32, desembarcaram no país com uma meta ambiciosa: criar a maior loja virtual do Brasil de produtos para bebês e crianças.

A escolha do Brasil teve fundamentos objetivos, mas também uma vertente emocional. “Eu morei 13 anos na América Latina. Quando tinha quatro anos, meus pais mudaram para a República Dominicana, depois fomos para Porto Rico, Equador, Peru e Bolívia. Eu sempre tive um gosto muito grande pela América Latina, sempre quis regressar”, conta Davis Smith, que tem mestrado em Estudos Internacionais, com ênfase na América Latina, pela Universidade da Pensilvânia.
“Tenho duas filhas e queria que elas experimentassem essa experiência de morar em outro país, aprender outro idioma”, diz. “Temos muitas esperança e fé no Brasil. O Brasil é o país do futuro. Trouxe minha família para cá e estamos muito contentes de estar aqui.”

Mas os sócios também estudaram o mercado antes de tomar qualquer decisão. “Muitas países, como China e Índia, ainda não usam muito internet para fazer compras e as pessoas ainda não têm internet em casa. Aqui, muitos têm internet e fazem compras online”, fala Smith.

O projeto começou a nascer quando Smith e Thomas faziam MBA na Wharton School e em Harvard, respectivamente. “Um amigo brasileiro que estudava comigo na Wharton e cuja esposa estava grávida falou que os preços de produtos para bebês eram muito caros no Brasil. (…) As pessoas vão para Miami para fazer compras e trazer para o Brasil”, fala o empresário.

A Baby.com.br entrou no ar na tarde desta sexta-feira (30) com um sortimento inicial de 2 mil produtos, mas o objetivo é dobrar as ofertas em um mês e atingir entre 10 e 15 mil itens em pouco tempo.

Mesas de bilhar
Os sócios, que são primos, já tinham experiência com comércio virtual. Os dois criaram, em 2004, a PoolTables.com, empresa de mesas de bilhar que, segundo Smith, tornou-se a maior varejista do setor. No fim do ano passado, a dupla vendeu a empresa em uma aquisição estratégica, mas Smith não revela valores.

“Quando estávamos fazendo MBA, pensamos muito sobre que negócio começar de novo. Entre várias idéias, nossa favorita foi mudar para o Brasil e começar essa empresa”, revela.

Os sócios também não revelam valores para criar a Baby.com.br, dizem apenas que “foi um investimento muito grande”. Os recursos vieram, em parte, de investidores que apostaram na ideia da dupla, entre eles, Ron Conway, um dos primeiros investidores do Google.

Produtos exclusivos
Um dos objetivos da Baby.com.br é trabalhar com produtos exclusivos. “Ainda não posso citar marcas, mas estamos falando com companhias americanas, conhecemos muitos produtos que as pessoas vão para Miami para comprar e trazer para o Brasil e vamos começar a vender aqui”, fala Smith.

“Temos outra vantagem sobre as outras empresas porque temos relações diretas com P&G, Kimberly-Clark, Johnson & Johnson, Draco.” Segundo o sócio, essa relação direta ajuda a oferecer preços mais competitivos e também garante que haja produtos em estoque para pronta-entrega.

Estrutura
A Baby.com.br montou um centro de distribuição em Barueri. Para dar início à operação no Brasil, a empresa contratou cerca de 30 profissionais, muitos com grande experiência em varejo e vendas pela internet. “Temos profissionais que vieram do Walmart, do Google, Carrefour, Submarino, Etna”, revela Smith.

Para garantir que as entregas cheguem a qualquer lugar do país, a empresa fechou parceria com quase 10 companhias terceirizadas. “Não importa se os pais estão no Amazonas, em Foz do Iguaçu ou em São Paulo, podemos enviar para eles sem problemas.”

Animado com o projeto, Smith diz que o grande objetivo da Baby.com.br é “melhorar a vida das mães e pais do Brasil”. “Tenho duas filhas e sei que os bebês mudam muito nossa vida. Queremos que os pais passem mais tempo com eles, fazendo coisas gostosas, não dentro do carro, no trânsito.”

Davis Smith tem duas filhas, com 5 e 8 anos de idade. Kimball Thomas é pai de um menino de 3 anos.

Fonte: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Secretária de Saúde intensifica reta final de Campanha de Vacinação

Indivíduos que compõem grupos prioritários da Campanha de Vacinação Contra a Influenza podem se vacinar com mais facilidade nos postos volantes até a sexta-feira (24), das 8h às 17h. Esse serviço pode ser encontrado no Supermercado Walmart da Avenida Recife, no bairro de Areias, e no Supermercado Todo Dia, em Afogados – locais onde estão os postos montados pela Secretária de Saúde da Prefeitura do Recife.  Os público-alvo tem até o próximo dia 31, data em que a campanha se encerra, para procurar um dos 170 postos de vacinação.  Além dos postos volantes, algumas unidades adotaram um horário de funcionamento alternativo, que vai das 17h às 21h, após o expediente convencional. A Policlínica Lessa de Andrade, na Madalena, por exemplo, continua disponibilizando vacina contra a gripe de segunda a sexta-feira, até às 21h.  Outra estratégia adotada por algumas unidades, como por exemplo a Policlínica Alberta Sabin, na Tamarineira, é o não fechamento da sala de vacinação no horário do almoço. A Secretaria Estadual de Saúde também tem levado a vacinação contra gripe até pessoas acamadas, creches e escolas das redes municipal e privada, asilos, comandos da Guarda Municipal e da Polícia Militar, igrejas e hospitais. Público AlvoO Ministério da Saúde (MS) definiu que podem receber a dose de vacina contra a gripe as crianças de 6 meses até 6 anos, pessoas idosas, gestantes, puérperas (mulheres que tiveram filho há menos de 45 dias), profissionais de saúde, professores de escolas públicas e privadas do Recife, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade em cumprimento de medidas socioeducativas; detentos e funcionários do sistema prisional; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, como diabéticos, além de policiais civis e militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas.  População em situação de ruaAté sexta-feira (24), em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos do Recife, a Sesau ainda vai vacinar contra a gripe cerca de 300 pessoas que vivem em situação de rua e são cadastradas e acompanhadas pelos serviços do Consultório na Rua, Serviço Especializado de Abordagem Social (Seas) e Centros de Referência Especializados para População em Situação de Rua (Centros POP).

Clipping
Aneel reajusta valor das bandeiras tarifárias; maior alta é de 50% na bandeira amarela

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (21) um reajuste nos valores da bandeira tarifária amarela e da bandeira vermelha, nos patamares 1 e 2. O maior reajuste ocorreu na bandeira amarela, que passou de R$ 1 a R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) – uma alta de 50%. O patamar da bandeira vermelha 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh, alta de 33,3%, e o patamar 2 da bandeira vermelha passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos, alta de 20%. Novos valores (por 100 kWh): Bandeira amarela: R$ 1,50 Bandeira vermelha 1: R$ 4,00 Bandeira vermelha 2: R$ 6,00 O reajuste servirá para adequar o valor do custo extra a ser cobrado dos consumidores em períodos em que a produção de energia ficar mais cara. O objetivo é que a arrecadação com as bandeiras fique o mais próximo possível do valor extra gasto com a geração de energia. Segundo o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, o reajuste evitará que a conta da bandeira tarifária fique deficitária em 2019. Em 2017, a conta da bandeira fechou com um déficit de R$ 4,4 bilhões e em 2018 o déficit foi de cerca de R$ 500 milhões. Esses déficits foram incluídos nos reajustes tarifários. “A revisão é necessária para que não haja um déficit ainda maior em 2019, que terá que ser pago nas tarifas de energia em 2020”, afirmou. Segundo ele, os novos valores são mais adequados ao real custo de geração deste ano. Sistema de bandeiras Em vigor desde 2015, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo da energia gerada, possibilitando aos consumidores reduzir o consumo quando a energia está mais cara. De acordo com o funcionamento das bandeiras tarifárias, as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração. A bandeira verde significa que o custo está baixo e é coberto pela tarifa regular das distribuidoras, então não há cobrança extra na conta de luz. O acionamento das bandeiras amarela e vermelha representam um aumento do custo de produção de energia e, por isso, há cobrança na conta de luz. O aumento do custo de geração está ligado principalmente ao volume de chuvas e ao nível dos reservatórios. O acionamento da bandeira implica em uma cobrança extra na conta de luz, valor que é usado para pagar pela geração de energia mais cara. Antes do sistema de bandeiras, o custo da geração de energia mais cara já era cobrado do consumidor, mas com um ano de atraso. O sistema permitiu a cobrança mensal do valor e a possibilidade de avisar os consumidores que o custo da energia está mais caro, permitindo que eles reduzam o consumo.