Brasil desafia potências para chegar ao Conselho de Segurança da ONU

Com um destaque maior no cenário internacional, o Brasil não abandona seu sonho de se tornar membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, mas precisa superar a oposição de algumas potências para obter um assento neste seleto grupo, segundo analistas.

Na semana passada, ao abrir a Assembleia Geral das Nações Unidas, a presidente Dilma Rousseff defendeu o ingresso do Brasil no Conselho e ressaltou o crescente protagonismo internacional do país, citando a liderança da Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah).

“A cada ano que passa, mais urgente se faz uma solução para a falta de representatividade do Conselho de Segurança, o que corrói sua eficácia. (…) O mundo precisa de um Conselho de Segurança que venha a refletir a realidade contemporânea; um Conselho que incorpore novos membros permanentes e não-permanentes, em especial representantes dos países em desenvolvimento”, afirmou Dilma.

No mesmo discurso, o Brasil confirmou o seu reconhecimento de um Estado palestino com as fronteiras de 1967.

Como ocorre na questão palestina, o Brasil precisa enfrentar as grandes potências ocidentais, em especial os Estados Unidos, que criticam abertamente algumas posições adotadas pelo governo brasileiro.

Em março deste ano, o Brasil – que ocupa até dezembro o posto de membro não permanente do Conselho de Segurança – se absteve na votação sobre a resolução 1973 que aprovou uma intervenção armada na Líbia.

Em agosto, enviou uma missão diplomática controversa à Síria para dialogar com o presidente Bashar al-Assad, e em 2010 realizou uma tentativa de mediação para resolver a questão nuclear do Irã, que se mostrou infrutífera.

Matias Spektor, coordenador do Centro de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas, considera que “o mais importante é que o país tenha uma visão própria”.

“O Brasil cada vez mais é chamado a apontar alternativas. Se o país não gosta das regras do jogo como elas existem atualmente, precisa dizer quais são as alternativas. Então, sempre que o Brasil trouxer ideias novas à mesa, isso contribui para o argumento de que merece uma cadeira no Conselho”, ressalta Spektor.

O embaixador Marcos Azambuja, membro do conselho curador do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), reconhece que o Brasil é lento na hora de tomar decisões importantes, mas acredita que pode ter isso ao seu favor, ao se apresentar como um agregador de opiniões.

“O Brasil é um criador de consensos, de pontes entre ricos e pobres, desenvolvidos e em desenvolvimento, norte e sul, leste e oeste. Este é um processo interessante mas é, por definição, lento”, explica Azambuja, acrescentando que “o Brasil erra pouco, mas demora muito em acertar”.

“O Brasil se equivoca pouco, mas demora muito para acertar”, considerou Azambuja, embora tenha destacado o Brasil como “criador de consensos, de pontes entre ricos e pobres, desenvolvidos e em desenvolvimento, norte e sul, leste e oeste”. “Este é um processo interessante, mas é, por definição, lento”, explicou.

Ao contrário da Índia, potência emergente que já recebeu o apoio dos Estados Unidos para integrar o Conselho de Segurança, o Brasil ainda precisa superar a barreira da hegemonia americana para chegar ao Conselho, segundo os especialistas.

“O Brasil, como todo país que pretende uma redistribuição do poder mundial, incomoda os países estabelecidos. E se, por um lado, a situação geopolítica da Índia propiciou o reconhecimento dos EUA, no caso do Brasil é diferente, já que os Estados Unidos gostariam de ver sua hegemonia reconhecida na América do Sul”, explica Azambuja.

Apesar disso, para Peter Hakim, do centro de análises Diálogo Interamericano em Washington, “é inevitável que o Brasil se torne um membro permanente”.

“A reforma não vai ocorrer neste ano ou no próximo, mas é realmente esperada”, afirma, considerando como ponto a favor do Brasil o fato de “ser um país democrático, que realmente participa das missões de paz e que está em melhor posição na questão da proliferação nuclear do que muitos outros países”, completa.

Fonte: Diário de Pernambuco

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

A Dilma só se esqueceu de um detalhe: os 5 permanentes do conselho têm forças armadas realmente fortes, capazes de atuar em qualquer lugar do globo, no momento que se fizer necessário. E o Brasil? Se fosse chamado para se mobilizar e enviar tropas para algum país a fim de atuar ao lado daqueles 5? O que a Dilma faria? Enviaria homens revoltados, mau pagos, com armamentos e equipamentos sucateados, aviões que não conseguem voar em segurança, navios a ponto de naufragar, etc. E não adianta falar do Haiti, pois o que está ocorrendo lá, jamais ocorreria em um país militarmente forte, como o Irã, por exemplo. Antes de pensar em conselho de segurança, esse governo deveria arrumar primeiro a cozinha interna, para daí sim passar a se preocupar com o mundo. Se hoje não podemos garantir nem mesmo a amazônia, o pré-sal, a soberania nacional, imaginem apoiar os EUA em uma ação militar multinacional. É melhor nos poupar dessa VERGONHA, dona Dilma!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Instagram começa testes para esconder número de curtidas no Brasil

O Instagram começa, nesta quarta-feira (17), um teste que deve colocar em prática uma nova função. A partir de agora, as fotos postadas na plataforma devem aparecer sem o número de curtidas. No entanto, o número de “likes” deve continuar visível para os usuários que postarem as imagens.  Leia também:Instagram libera sticker para chat nos storiesCenp reconhece Google e Facebook como veículos de mídia Segundo a empresa, o novo recurso foi criado para que “os seguidores se concentrem mais nas fotos e vídeos que são compartilhados, do que na quantidade de curtidas que recebem”. Apesar de esconder o número de curtidas, o aplicativo deve continuar utilizando-o como parâmetro para o algoritmo que escolhe o que é mais relevante. A mudança foi anunciada em abril e experiências do tipo foram feitas no Canadá, onde o Instagram avaliou os testes como positivos.

Clipping
PIB recua 0,8% no trimestre encerrado em maio, diz FGV

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, recuou 0,8% no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro. O dado é do Monitor do PIB, divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo a FGV, no entanto, o PIB brasileiro cresceu 0,5% quando comparado ao trimestre encerrado em maio de 2018. Considerando-se apenas o mês de maio deste ano, houve altas de 0,5% em relação ao mês anterior e de 4,3% na comparação com maio do ano passado. No acumulado de 12 meses, o PIB cresceu 1,2%. Na comparação do trimestre finalizado em fevereiro com o trimestre encerrado em maio, os três grandes setores produtivos tiveram queda: serviços (-0,4%), indústria (-1,4%) e agropecuária (-1,2%). Dentro dos serviços, a maior queda foi observada nos transportes (-2%). Os serviços de informação foram os únicos a apresentar crescimento (0,2%). Já na indústria, houve queda entre todos os subsetores, com destaque para a indústria extrativa mineral (-4,8%). Sob a ótica da demanda, a queda do trimestre findo em maio na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro foi puxada pelas exportações, que recuaram 5,2% no período. O consumo de governo também caiu (-0,4%). Já as importações subiram 2,4%. Por outro lado, tanto o consumo das famílias quanto a formação bruta de capital fixo (investimentos) cresceram 0,2%. O cálculo oficial do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado a cada trimestre fechado (janeiro a março, abril a junho, julho a setembro e outubro a dezembro).

Clipping
Reportagem da EBC volta a Mariana quase 4 anos após tragédia

A tarde de 5 de novembro de 2015 jamais será esquecida pelos moradores de Bento Rodrigues, subdistrito localizado a 35 km do centro de Mariana (MG). O local foi o mais atingido pelos 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos vindos da barragem de Fundão da mineradora Samarco. A tragédia deixou um saldo de 19 mortos. A destruição ambiental atingiu, além de Bento Rodrigues, as comunidades de Paracatu e Gesteira e uma bacia hidrográfica que chega a 230 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. A destruição causada pela lama resultou, ainda, em centenas de desabrigados. A maioria espera uma solução da Fundação Renova, entidade criada para administrar todas as ações de reparação da tragédia. Seja por reassentamento ou recuperação da propriedade. É o caso do Wilson dos Santos, de 73 anos, que perdeu casa, cabeças de gado e plantações. Como a maioria dos moradores locais. Mais de três anos e oito meses após a tragédia, ele e outros moradores aguardam uma solução. A entrega de 240 casas em Bento Rodrigues, prevista para este ano, vai atrasar. Em Paracatu e Gesteira, as obras ainda nem começaram. A equipe da Agência Brasil visitou a região e mostra como atingidos lutam para recuperar a vida que levavam antes da tragédia.