Pelo menos 348 morrem em terremoto na fronteira entre Irã e Iraque

Pelo menos 348 pessoas morreram em decorrência de um terremoto de magnitude 7,3 que atingiu a região de fronteira entre Irã e Iraque na noite deste domingo, relataram as mídias estatais dos dois países. Seis vítimas estavam no Iraque, e todas as outras 342 no Irã. Equipes de resgate continuam as buscas por dezenas de pessoas presas sob escombros na região montanhosa, e o número de feridos chega a 3.950, no total. O diretor do Crescente Vermelho Iraniano afirmou que mais de 70 mil pessoas precisavam de abrigos de emergência.

A televisão estatal iraniana disse que ao menos 2.500 ficaram feridas. Autoridades locais afirmaram que o número de mortes deve aumentar à medida que equipes de busca e resgate chegarem a áreas remotas do país. O terremoto foi sentido em diversas províncias no oeste do Irã, principalmente na província de Kermanshah, que anunciou três dias de luto.

Mais de 236 vítimas estavam no distrito de Sarpol-e Zahab, na província de Kermanshah, que fica a cerca de 15 quilômetros da fronteira com o Iraque. A televisão estatal iraniana disse que o terremoto causou grandes danos em algumas aldeias onde as casas eram feitas de tijolos de barro. Os socorristas trabalhavam para encontrar sobreviventes presos em edifícios desabados. O terremoto também desencadeou deslizamentos de terra que impediram os esforços de resgate, disseram autoridades à mídia local. Pelo menos 14 províncias no Irã foram afetadas.

O líder supremo iraniano, Ayatollah Ali Khamenei, ofereceu suas condolências na segunda-feira (13), pedindo a todas as agências governamentais que façam tudo o que pudessem para ajudar os afetados.

Em Bagdá, muitos moradores fugiram de suas casas e edifícios altos quando tremores sacudiram a capital iraquiana.

Cenas semelhantes se desenrolaram em Erbil, a capital da região do Curdistão, e em outras cidades do norte do Iraque, perto do epicentro do terremoto. Funcionários de saúde curdos disseram que pelo menos seis pessoas morreram no Iraque e pelo menos 68 ficaram feridas. O Ministério de Saúde do Iraque disse que a área mais afetada era o distrito de Darbandikham, perto da fronteira com o Irã, onde pelo menos 10 casas desabaram e o único hospital do distrito estava gravemente danificado.

A eletricidade foi cortada em diversas cidades iraquianas e iranianas e medo de tremores secundários fizeram milhares de pessoas nos dois países deixarem suas casas e ficarem nas ruas. O centro sismológico iraniano registrou cerca de 118 réplicas do terremoto e disse que outros eram esperados.

O tremor foi sentido na capital, Bagdá, e em países próximos a Iraque e Irã, como Paquistão, Turquia, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Israel, Arábia Saudita, Jordânia, Síria, Líbano, Armênia e Azerbaijão. De acordo com o o Serviço Geológico dos Estados Unidos, 70 milhões de pessoas tenham sentido o terremoto.

O Irã fica sobre linhas de falha e é propenso a tremores frequentes. Um terremoto de magnitude 6,6 em 26 de dezembro de 2003, devastou a histórica cidade de Bam, a mil qulômetros a sudeste de Teerã, matando cerca de 31 mil pessoas.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clipping
Protesto de caminhoneiros afeta fornecimento e gasolina chega a ser vendida a R$ 8,99 no Recife

Motoristas formaram filas para abastecer e postos fecharam por falta de combustível nesta quarta (23). Porto de Suape tem operação comprometida. preço do litro da gasolina chegou a ser vendido a R$ 8,99 nesta quarta-feira (23) no Recife após o abastecimento dos postos de combustíveis ser afetado devido ao terceiro …

Clipping
Apenas três estados da Amazônia Legal não têm interdições mapeadas pela Polícia Rodoviária Federal

Os caminhoneiros bloqueiam rodovias federais de seis estados da Amazônia Legal. Eles participam da greve nacional que revindica, entre outras pautas, a redução no preço dos combustíveis. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, no Mato Grosso, já são 16 pontos de interdição. Em Cuiabá, Sapezal e Sinop, o bloqueio …

Clipping
Eletrobras espera alternativas para privatização até o fim do ano

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, não descarta a privatização da Eletrobras para este ano ainda. Apesar da retirada de pauta da MP 814, que abre caminho para a venda da companhia, na noite de ontem (22), ele disse que está otimista com alternativas para apresentação de um novo texto para …