Pesquisa mostra que 80% dos trabalhadores domésticos do DF são mulheres negras

Trabalhadora doméstica com carteira assinada (Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília)Uma pesquisa sobre emprego doméstico divulgada pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) mostrou que, em 2016, 80% dos trabalhadores domésticos do DF eram mulheres negras. Os dados publicados nesta quarta-feira (19), mostram que no ano passado, 75 mil mulheres trabalhavam como empregadas domésticas ou diaristas, representando 5,8% do total de pessoas empregadas do DF no período.

Para a pesquisadora de políticas públicas em história e educação das relações raciais e gênero da UnB, Marta Santos Lobo, os dados são “alarmantes, considerando que estamos em 2017”. Segundo ela, a principal preocupação é com o controle para que este trabalho saia da informalidade.

“Já existem sindicatos e órgãos que possam fiscalizar a situação de trabalho dessas mulheres. Isso tem sido feito e tem que continuar, há agências internacionais e brasileiras que falam desse conceito como trabalho doméstico decente, que seria o respeito dos direitos trabalhistas também nesta categoria. ”

De acordo com a pesquisa, ainda não foi possível mensurar como a Emenda Constitucional de 2 de abril de 2013 que instituiu direitos dos empregados domésticos como limite de jornada de trabalho e pagamento de horas extras, interferiu no setor.

Os números mostraram que houve um pequeno aumento de trabalhadoras com carteira assinada entre 2012 e 2016. Há cinco anos, a categoria representava 48,4% das empregadas, no ano passado, esse número subiu para 51,7%.

A Codeplan informou ainda que, o número de diaristas também aumentou, passando de 25,4% em 2012, para 33,1% do setor em 2016. Marta afirma que não é possível acabar com essa modalidade de trabalho no país e que não podemos comparar o Brasil com outras nações onde o trabalho doméstico é menos frequente.

“No Brasil esse aspecto é cultural. Temos características de um país colonial que ainda tem essa dependência de outras pessoas trabalharem para a família, no sentido servil. O grande problema é que na servidão não há direitos”.

A professora contou que teve tias e a avó que foram empregadas e nunca receberam contribuição ou pagamento para a aposentadoria. Segundo a pesquisa, o rendimento médio por hora das empregadas domésticas mensalistas aumentou 12% entre 2012 e 2016.

Há cinco anos, elas ganhavam R$ 5,97 por hora. No ano passado, a média era de R$ 6,54. As diaristas recebem 41,3% a mais do que as funcionárias contratadas por mês. Em 2012, a média salarial delas era de R$ 7,91, em 2016 esse valor subiu para R$ 9,24.

Para Marta, a questão da predominância de mulheres negras no trabalho doméstico assalariado também é uma questão estrutural relacionada com a carência de escolaridade que ainda predomina nessa faixa da população. Os números, porém, apontam uma pequena melhora nesse quesito, uma vez que em 2012, das empregadas domésticas, 26,5% tinham nível médio completo ou estavam cursando o ensino superior. Em 2016, esse número cresceu para 30,2%.

Blog do Deputado Federal Gonzaga Patriota (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clipping
Protesto de caminhoneiros afeta fornecimento e gasolina chega a ser vendida a R$ 8,99 no Recife

Motoristas formaram filas para abastecer e postos fecharam por falta de combustível nesta quarta (23). Porto de Suape tem operação comprometida. preço do litro da gasolina chegou a ser vendido a R$ 8,99 nesta quarta-feira (23) no Recife após o abastecimento dos postos de combustíveis ser afetado devido ao terceiro …

Clipping
Apenas três estados da Amazônia Legal não têm interdições mapeadas pela Polícia Rodoviária Federal

Os caminhoneiros bloqueiam rodovias federais de seis estados da Amazônia Legal. Eles participam da greve nacional que revindica, entre outras pautas, a redução no preço dos combustíveis. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, no Mato Grosso, já são 16 pontos de interdição. Em Cuiabá, Sapezal e Sinop, o bloqueio …

Clipping
Eletrobras espera alternativas para privatização até o fim do ano

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, não descarta a privatização da Eletrobras para este ano ainda. Apesar da retirada de pauta da MP 814, que abre caminho para a venda da companhia, na noite de ontem (22), ele disse que está otimista com alternativas para apresentação de um novo texto para …