Próximo governo já tem “encontro marcado” com a Previdência

Homem checa as horas em seu relógioA reforma da Previdência já foi suavizada em vários pontos e mesmo assim ninguém sabe se o governo vai conseguir aprová-la. De qualquer forma, uma coisa é certa: o texto não é uma solução definitiva para o aumento dos gastos do país com aposentadorias e pensões. “Não é uma reforma só e acaba. O Brasil está fazendo o que vários países fizeram: ajustes progressivos. Já tem um encontro marcado dessa questão com o próximo governo”, diz Paulo Tafner, técnico aposentado do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que estuda Previdência há décadas.

Ele calcula que a economia fiscal com o novo texto, comparado com o original, será 23% menor nos primeiros 10 anos e 32% menor em 20 anos. “Se esse foi o custo para aprovar, está bom. Vamos ter pressão fiscal e aumento da carga tributária para estabilizar a relação dívida/PIB, mas sinaliza ao mercado que estamos no caminho certo e dá um tempo para que um novo presidente carregado de legitimidade faça outros ajustes”, diz Tafner.

O presidente Michel Temer disse que a redução de gastos inicial, prevista em 800 bilhões de reais, teria caído para algo entre 580 e 600 bilhões, e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deu uma estimativa na mesma proporção.

A questão não é só economizar, mas cumprir o teto do gastos, que limita as despesas do orçamento de um ano com base na inflação do ano anterior. O aumento de uma despesa tem que ser compensado com corte de outra.

A aprovação da reforma sinalizaria sustentabilidade do país no longo prazo, mas o desafio fiscal não seria resolvido.

“Isso foi mal vendido pelo governo, porque a reforma leva mais de 5 anos para começar a ter um efeito mais expressivo e a necessidade de mudanças continua”, diz o especialista em contas públicas Raul Velloso.

Ele calcula que a porcentagem do gasto do INSS sobre o PIB, hoje em 8%, dobraria para 16,7% em 2060 se não houvesse nenhuma reforma. Com a reforma completa, subiria apenas para 8,9% do PIB no período.

Do jeito que ficou, a reforma leva o gasto para 10,7% do PIB, uma diferença de quase dois pontos percentuais em relação ao melhor cenário – considerável, mas que pode ser absorvida.

Sua maior crítica em relação ao texto revisto é que o governo abriu mão de desvincular os benefícios assistenciais do salário mínimo, como estava previsto antes.

“Dar beneficio é o sonho dourado de todo politico e se não tiver um mecanismo que controle esse aumento, é uma porta aberta para o crescimento do gasto”, diz ele.

O texto também permite o acúmulo de pensão e aposentadoria até o limite de dois salários mínimos. No entanto, continua vedado receber mais de uma pensão ou mais de uma aposentadoria.

Blog do Deputado Federal Gonzaga Patriota (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clipping
Protesto de caminhoneiros afeta fornecimento e gasolina chega a ser vendida a R$ 8,99 no Recife

Motoristas formaram filas para abastecer e postos fecharam por falta de combustível nesta quarta (23). Porto de Suape tem operação comprometida. preço do litro da gasolina chegou a ser vendido a R$ 8,99 nesta quarta-feira (23) no Recife após o abastecimento dos postos de combustíveis ser afetado devido ao terceiro …

Clipping
Apenas três estados da Amazônia Legal não têm interdições mapeadas pela Polícia Rodoviária Federal

Os caminhoneiros bloqueiam rodovias federais de seis estados da Amazônia Legal. Eles participam da greve nacional que revindica, entre outras pautas, a redução no preço dos combustíveis. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, no Mato Grosso, já são 16 pontos de interdição. Em Cuiabá, Sapezal e Sinop, o bloqueio …

Clipping
Eletrobras espera alternativas para privatização até o fim do ano

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, não descarta a privatização da Eletrobras para este ano ainda. Apesar da retirada de pauta da MP 814, que abre caminho para a venda da companhia, na noite de ontem (22), ele disse que está otimista com alternativas para apresentação de um novo texto para …