Construção de usinas solares ameaça Caatinga

Clipping

Especialistas defendem que as estruturas sejam construídas em áreas já degradadas, e não em regiões com o bioma intactoSem o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima), uma empresa espanhola pretende construir usinas solares sobre mais de dois mil hectares na zona rural de São José de Belmonte, Sertão pernambucano, onde predomina a vegetação de Caatinga. A área equivale a cerca de dois mil campos de futebol. A proposta, da empresa Solatio Energia Gestão de Projetos Ltda., será discutida nesta quinta-feira (6), às 15h, em reunião técnica com a Agência Estadual de Meio Ambiente(CPRH), órgão à frente do licenciamento ambiental para a implantação dos dois complexos fotovoltaicos. O encontro, aberto à participação pública, ocorre na Casa da Juventude (antigo Clube Social Belmontense), no centro do município.

Um dos projetos que será apresentado compõe o Complexo Fotovoltaico Belmonte, que prevê a implantação das usinas solares Belmonte I, Belmonte II, Brígida I e Brígida Solar. Só essa estrutura ocupará 1.281,8732 hectares. Já o segundo complexo, a ser implantado numa área de 1.002,04 hectares, será composto pelas usinas Bom Nome I, Novo Brígida e Novo Brígida II. Essa área, segundo o Relatório Ambiental Simplificado (RAS) enviado à CPRH, é caracterizada por pastagens com criação de gado e plantio de tomate, banana e melancia, com cerca de 20% a 30% de toda a área predominada por Caatinga.

Na avaliação do diretor-presidente do Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan), Severino Ribeiro, o RAS, por ser um estudo simplificado, não é suficiente para dimensionar os impactos que os complexos fotovoltaicos causarão à vegetação nativa.Para ele, chega a ser preocupante e, ao mesmo tempo, abusivo, a gestão estadual autorizar um empreendimento dessa dimensão sem que a empresa tenha apresentado um EIA/Rima. “Estamos falando da perda de um grande capital natural de Caatinga, num momento que, recentemente, divulgamos que o Estado perdeu mais da metade da sua cobertura nativa do biomaDesmatar é avançar os efeitos das mudanças climáticas em Pernambuco, que já está entre os estados vulneráveis a essas mudanças. Uma prova disso é que já vivemos uma grave crise hídrica“, avalia.

Ainda de acordo com Ribeiro, a solução mais viável para esse caso seria a realocação do projeto para áreas já degradadas, a fim de resguardar os hectares de Caatinga ainda conservados. “Ninguém está dizendo que não é para instalar essa usina, mas é preciso ter um estudo, pelo menos de realocação, dessa obra”, reforça Ribeiro. Sobre essa questão, o presidente da CPRH, Eduardo Elvino, adiantou que esse é um dos pontos a serem discutidos durante a reunião. “Inclusive, vamos chegar ao local pela manhã para reconhecer em campo áreas já em processos erosivos. A ideia é que se faça o tratamento do solo em áreas degradadas para a implantação das usinas, ao invés de mexer em vegetação intacta“, assegura.

Ainda segundo o gestor da CPRH, os projetos não foram enviados à agência ambiental da forma solicitada. “Exigiremos estudos complementares diante do porte desses complexos e da falta de detalhes técnicos, os quais caberão o EIA/Rima“, conclui. A Folhatentou contato com a Solatio Energia Gestão de Projetos Ltda., mas não obteve êxito até a publicação da reportagem.

Clipping
Avião da FAB com ajuda humanitária à Venezuela já está em Boa Vista

O avião da Força Aérea Brasileira transportando ajuda humanitária à Venezuela, que decolou na manhã de hoje (22) da Base Aérea de Brasília, pousou há pouco em Boa Vista, capital do estado de Roraima. A aeronave transporta 23 toneladas de leite em pó e 500 kits de primeiros socorros. O …

Clipping
Desemprego cai em 18 estados e no Distrito Federal, diz IBGE

O desemprego, medido pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), caiu em 18 das 27 unidades da federação de 2017 para 2018, segundo dados divulgados hoje (22), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maior queda foi observada no Amazonas: recuo de 15,7% …

Clipping
Colecionador brasiliense doa 2 mil insetos ao Museu Nacional do Rio

A sala de jantar do médico Luiz Cláudio Stawiarski está tomada por insetos. Sobre a mesa, quadros entomológicos exibem as mais variadas formas de aranhas, besouros e libélulas. Um móvel de madeira posicionado ao lado da mesa reúne gavetas de borboletas e mariposas. Ao todo, são 2 mil insetos que, …