Endividado, brasileiro usará 13º para poupar e comprar mais

Clipping

Compras de NatalAs dívidas acumuladas ao longo dos últimos anos não parecem tirar o sono dos brasileiros que estão com nome sujo na praça. Em vez de usar o 13º salário para diminuir o endividamento, a maioria pretende pegar o dinheiro para poupar, investir ou comprar presentes de Natal. A conclusão está em estudo do birô de crédito SPC Brasil, que mostra que 27% pretendem usar o recurso extra para economizar ou investir. Já 23% querem fazer compras de Natal, enquanto só 17% pretendem pagar dívidas atrasadas. É basicamente o contrário do que prega o corolário de finanças pessoais. A recomendação é sempre priorizar o pagamento de dívidas, equilibrar o orçamento, começar a poupar e, se sobrar alguma coisa, consumir.

Dados da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil indicam que, em outubro, havia 62,9 milhões de inadimplentes no País. O valor médio da soma de todas as pendências é de R$ 2.615,98 – mas 14% não sabem quanto devem.

Para Flávio Borges, superintendente de finanças do SPC Brasil, o resultado da pesquisa é preocupante. “A gente esperava que as pessoas priorizassem o pagamento de dívidas. Mas elas vão comprar presente, independentemente da situação financeira”, diz. Ele avalia que alguns fatores podem explicar a decisão equivocada. “Tem muita gente que já deve há muito tempo, e isso vai mudando um pouco a percepção das pessoas sobre o que é estar endividado e o que é estar com nome sujo”.

É como se o consumidor se acomodasse nessa situação ruim, em que não tem acesso a crédito, o que é perigoso. A expectativa de melhora na economia também pode ter colaborado para a decisão de não priorizar o pagamento de contas, afirma Borges. “Há um otimismo no mercado com o novo governo, que se reflete nos hábitos de compra dos consumidores. Eles tendem a contrair mais dívidas por confiar no futuro.”

De maneira geral, a recomendação para quem está no vermelho é pegar usar o 13º salário para quitar as dívidas, priorizando as que têm os juros maiores e que podem comprometer mais o orçamento em caso de não pagamento.

Depois de quitadas as dívidas e se sobrar dinheiro, é importante economizar. O objetivo é formar uma reserva de emergência que dê para pagar ao menos seis meses das principais contas do consumidor. Dessa forma, em caso de desemprego, ele tem recursos que garantem um fôlego financeiro até que possa se reposicionar no mercado de trabalho – e sem a necessidade de aceitar a primeira proposta que aparecer no caminho. Por fim, o que sobrar pode ser investido para formar patrimônio ou para o consumidor realizar sonhos de consumo, indica o especialista.

Otimista
Uma pesquisa da Kantar TNS mostra que 60% da população se diz otimista em relação ao futuro, mas também está cauteloso. O número de pessoas propensas a fazer um financiamento subiu de 26% para 43%. Porém, para 57% dos entrevistados, comprar imóvel ou carro em longas prestações está fora dos planos.

Para Valkiria Garré, presidente da Kantar TNS Brasil, esse otimismo não terá reflexo direto nas compras de fim deste ano – para 42%, a economia só começará a melhorar significativamente a partir do segundo semestre de 2019. “Se em novembro do ano que vem nada tiver acontecido, a lua de mel [com o novo governo] vai ter acabado. O governo precisa mostrar que a equipe econômica está indo na direção correta”, afirma.

Como e onde investir o 13º salário

1 Não tem uma reserva para emergências?
Use o 13º para começar; sua meta é poupar de 6 a 12 meses do custo de vida
Aplique em investimentos que possam ser sacados a qualquer momento

Onde colocar o dinheiro 
em investimentos pós-fixados
Tesouro Selic
CDBs
fundos conservadores (desde que a taxa de administração seja menor que 1% ao ano)

2 Já possui reserva?
Diversifique os investimentos
Para metas de médio e longo prazo, como a aposentadoria, invista em títulos atrelados à inflação
Exemplo Tesouro IPCA+, que rende a inflação mais uma taxa de juros ou CDBs que contam com o mesmo sistema de remuneração

Para conservadores
Tesouro IPCA
Investimentos prefixados, cujo rendimento é conhecido no momento da aplicação

Para quem quer arriscar
Ações
Fundos multimercados

3 Quer aumentar o aporte no plano de previdência privada? 
É uma boa ideia, se:
O seu plano é corporativo e a empresa faz aporte equivalente ao seu investimento
Você quer aumentar o montante aplicado em um PGBL para alcançar o teto de desconto de 12% da renda anual tributável
Plano é indicado para quem faz a declaração de Imposto de Renda pelo modelo completo

4 Já tem tudo isso?
Pense em outros tipos de investimento, como cursos e treinamentos, que possam aumentar a renda futura
Viajar também pode entrar na lista, desde que com um planejamento financeiro bem traçado

Clipping
Decreto de Bolsonaro cria polêmica em universidades

Decreto assinado nesta semana pelo governo Jair Bolsonaro tem causado polêmica sobre possíveis implicações nas escolhas para funções de direção dentro das universidades federais. O texto se refere a nomeações para cargos em comissão e funções de confiança em órgãos ligados à administração federal. Segundo o governo, o decreto não altera os procedimentos nas instituições de ensino. Embora não mencione explicitamente as instituições de ensino superior, um dos artigos do decreto dá poder ao ministro da Casa Civil para fazer nomeações dos chamados cargos de nível 5 e 6 do grupo DAS (Direção e Assessoramento Superiores). Nas universidades, estes são cargos de alto escalão. Até então, essas nomeações eram de competência do reitor. Especialista em Direito Constitucional, a professora da Universidade de São Paulo (USP) Nina Ranieri diz que o decreto altera a forma de nomeação de lideranças nas universidades. “Reitores e diretores (de faculdades) não estão no decreto, mas qualquer outra nomeação para função ou cargo de confiança é alcançada (pelo texto).” Segundo ela, especialista em autonomia universitária, o decreto pode mudar a forma de escolha de nomes para cargos como os de coordenadores de cursos e pró-reitores, que são os responsáveis por coordenar áreas como a pesquisa e a graduação. O decreto também dá poderes à Secretaria de Governo (Segov), hoje comandada pelo ministro Santos Cruz, para avaliar as indicações aos cargos e “decidir pela conveniência e oportunidade administrativa quanto à liberação ou não das indicações submetidas à sua avaliação”. Segundo Rubens Glezer, professor de Direito Constitucional da Fundação Getulio Vargas (FGV), “o impacto do decreto é tornar mais eficiente e sistematizado o controle político sobre a burocracia das universidades”. Ele entende que, por meio do decreto, a Segov ou o Ministério da Educação (MEC) poderão avalizar nomes indicados para cargos de gestão – até mesmo para reitor – e vetá-los. Caso o decreto seja aplicado às universidades, pode ser considerado inconstitucional, segundo especialistas. A Carta de 1988 garante que as instituições tenham autonomia administrativa e de gestão. “É um nível de controle altíssimo. Toda a administração pública no mundo vai se descentralizando e aqui vemos um movimento contrário, que é a centralização na Presidência de todos os funcionários em cargos de confiança do governo federal, incluindo os da universidade”, diz Nina. Até então, os nomes escolhidos para cargos de chefia dentro das universidades não passavam pelo crivo do governo federal. As instituições de ensino têm órgãos internos para avaliar as nomeações. Já o secretário executivo do MEC, Antonio Vogel, afirmou anteontem que o texto não muda a prática – apenas regulamenta procedimentos que já existem. “Os sistemas para nomeações de pessoal já existiam. A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e CGU (Controladoria-Geral da União) já são consultadas há anos para nomeações, elas fazem análise formal. Já passa na Segov há anos, inclusive nos governos anteriores. É rigorosamente a mesma coisa.”

Clipping
Após crise hídrica, reservatório no DF chega a 100% da capacidade

O reservatório de Santa Maria, no Distrito Federal, chegou a 100% de sua capacidade hoje (19). A informação foi dada pela Agência Reguladora das Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa). O reservatório de Santa Maria é responsável pelo abastecimento da maior parte da área central da capital, chamada de Plano Piloto. Em 2017, no que a Adasa chama de “período de escassez”, ele chegou a ter apenas 21,8% da capacidade. Esse período levou a uma crise hídrica que atingiu Brasília fortemente. Períodos sem água em algumas regiões geraram transtorno aos moradores. O governo do Distrito Federal promoveu campanhas de redução do consumo para lidar com o abastecimento deficiente pelo baixo volume dos reservatórios. Desde 2017, os reservatórios passaram a se recuperar. Segundo a Adasa, o de Santa Maria retomou índices mais elevados da capacidade de forma mais lenta. – o que ocorreu por características próprias do reservatório, como o fato de ser abastecido por pequenos riachos. Em 2018, ele atingiu 50% do volume em abril. Apesar da recuperação, a Adasa segue orientando os moradores a manter práticas de redução de consumo.

Clipping
Ministério confirma participação em evento sobre mudanças climáticas

O Ministério do Meio Ambiente divulgou nota hoje (19) confirmando a participação na Semana do Clima da América Latina e Caribe, a ser realizada de 19 a 23 de agosto na cidade de Salvador.  A semana é uma iniciativa da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e funciona como preparação para a Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-25), que ocorrerá em dezembro deste ano no Chile. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, era contrário à realização do evento – José Cruz/Agência Brasil Na última semana, o ministro da pasta, Ricardo Salles, havia se posicionado de forma contrária à realização do evento no Brasil. Segundo a nota publicada no site do ministério, o governo federal vai apresentar uma proposta para debate nas atividades da semana, que reunirá representações de diversos países para discutir desafios relacionados ao fenômeno das mudanças climáticas na região. O Executivo “decidiu formular proposta com ênfase na Agenda de Qualidade Ambiental Urbana e no Pagamento por Serviços Ambientais, através de instrumentos financeiros que visem dar efetividade econômica às atuais e futuras ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas no Brasil”, diz o comunicado. A intenção é apresentar pautas até a realização da Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-25), em dezembro. O Brasil sediaria o evento, mas desistiu no ano passado.