EUA se posicionam contra resolução da ONU que incentiva amamentação

Clipping

A delegação dos EUA surpreendeu a comunidade internacional em uma reunião da Assembleia Mundial de Saúde, afiliada à ONU, ao condenar uma resolução de incentivo à amamentação. O posicionamento americano foi contrário ao recomendado por estudos científicos e atendia aos interesses dos fabricantes de fórmulas infantis. Os diplomatas do país ainda ameaçaram sanções comerciais às nações que apoiassem a medida.

O texto apresentado na assembleia baseou-se em décadas de pesquisa e concluiu que o leite materno é mais saudável para as crianças menores. Por isso, recomendava-se que os governos limitassem o marketing impreciso ou enganoso de métodos substitutos à amamentação.

As autoridades americanas tentaram tirar a recomendação do texto final da resolução, assim como um trecho que pedia para aos governos para “proteger, promover e apoiar a amamentação”. O esforço, porém, foi mal sucedido.

A estratégia seguinte, então, foi recorrer a ameaças. Washington dissuadiu o Equador, autor da medida, a apresentá-la, afirmando que, se o fizesse, seria alvo de sanções comerciais e perderia ajuda militar. O mesmo recurso foi aplicado a outras nações da África e da América Latina. As discussões sobre a resolução acabaram sendo conduzidas por iniciativa da Rússia, que fez os americanos desistirem das intimidações.

— Ficamos espantados, chocados e também tristes — disse Patti Rundall, diretora de política do grupo britânico Baby Milk Action, favorável à amamentação. — O que aconteceu foi o mesmo que chantagem, com os EUA mantendo o mundo como refém e tentando derrubar quase 40 anos de consenso sobre a melhor maneira de proteger a saúde de bebês e crianças pequenas.

O Departamento de Estado dos EUA não quis se pronunciar, dizendo que não poderia discutir conversas diplomáticas privadas. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos, a agência que liderou o esforço para modificar a resolução, explicou por que decidiu contestar o documento, mas negou ter envolvimento em ameaças ao Equador.

“A resolução originalmente elaborada colocou obstáculos desnecessários para as mães que buscam fornecer nutrição para seus filhos”, disse um porta-voz da agência por e-mail, sob condição de anonimato, ao “New York Times”. “Nós reconhecemos que nem todas as mulheres são capazes de amamentar por uma série de razões. Elas devem ter a escolha e acesso a alternativas para a saúde de seus bebês, e não devem ser estigmatizadas por isso”.

A indústria de alimentos para bebês movimenta cerca de US$ 70 bilhões e é dominada por empresas americanas e europeias. Seu crescimento estimado para este ano é de 4% e será impulsionado principalmente pelo aumento das vendas nos países em desenvolvimento.

A intensidade da oposição da delegação americana à resolução pró-amamentação surpreendeu autoridades de saúde pública e diplomatas estrangeiros, que a descreveram como um contraste marcante ao posicionamento do governo de Barack Obama, que apoiava amplamente a política de longa data da Organização Mundial de Saúde (OMS) de incentivar o aleitamento.

Durante as negociações, alguns delegados americanos teriam sugerido que o país cortaria sua contribuição para a OMS. Washington é o maior contribuinte individual da organização, fornecendo US$ 845 milhões, ou aproximadamente 15% de seu orçamento, no ano passado.

O confronto foi o mais recente exemplo do governo de Donald Trump tomando partido dos interesses corporativos em numerosas questões de saúde pública e ambientais. O país já se posicionou na OMS a favor da indústria farmacêutica, recusou uma proposta para pôr rótulos de advertência em produtos de junk food e incentivou empresas do ramo de combustíveis fósseis ao anunciar a saída dos EUA do acordo climático de Paris.

https://www.milkpoint.com.br/noticias-e-mercado/giro-noticias/eua-se-posicionam-contra-resolucao-da-onu-que-incentiva-amamentacao-209085/

Clipping
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante

A partir deste sábado (22), candidatos a cargos eletivos nas eleições de outubro não poderão ser presos, a menos que seja em flagrante. A Lei Eleitoral veda prisões nos 15 dias anteriores à eleição. Após o primeiro turno, no dia 7 de outubro, a restrição valerá apenas para os candidatos …

Clipping
Temer deixará legado de obras e projetos, diz ministro das Cidades

O presidente Michel Temer deixará um legado de obras que estão sendo inauguradas este ano e projetos que foram retomados e estarão prontos para execução pelo governo que assumir a partir de 1º de janeiro. A informação é do ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que detalhou uma série de iniciativas, …

Clipping
É Pernambuco Mais Forte – 4000

Gonzaga Patriota luta pela interligação do Rio São Tocantins com o Rio São Francisco. Esse projeto é de extrema importância para a sobrevivência do Velho Chico e de muitos nordestinos, resolvendo boa parte do problema de abastecimento das regiões Norte e Nordeste. É Pernambuco Mais Forte – 4000

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.