TJRJ realizará nesta terça audiência por videoconferência com milicianos presos

Clipping

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) realiza amanhã (10) uma audiência de custódia com os milicianos presos na Operação Medusa, deflagrada no último fim de semana. Por questões de segurança, será usado o sistema de videoconferência. Na audiência de custódia, será avaliada a legalidade das prisões em flagrante e também se há necessidade de mantê-las.

De acordo com o TJRJ, são 159 presos. O número diverge dos 149 – incluindo sete menores apreendidos – que havia sido anunciado anteriormente pela Polícia Civil. A Operação Medusa foi considerada a maior ação voltada para o combate às milícias no Rio de Janeiro. Além das prisões, houve apreensão de 13 fuzis, 15 pistolas, quatro revólveres, um simulacro de fuzil, carregadores, uma granada, munição, dez veículos roubados, algemas e simulacros de fardas.

A abordagem aos criminosos ocorreu em um sítio onde os milicianos participavam de um pagode na madrugada de sábado (7). Cerca de 40 policiais civis que atuaram na operação foram recebidos a tiros por seguranças de Wellington da Silva Braga, o Ecko, apontado como chefe da milícia. Ele estava no local, mas conseguiu fugir. No confronto, quatro seguranças da organização criminosa morreram. Nenhum policial foi ferido.

Presos em flagrante, os milicianos foram levados para a Cidade da Polícia, na zona norte do Rio de Janeiro. Ontem (8), eles foram transferidos para sistema penitenciário de Bangu, na zona oeste. Também ontem, uma decisão tomada durante o plantão judiciário do TJRJ converteu em prisões preventivas todas as prisões em flagrante.

“Importante frisar que, embora muitos envolvidos relatem que apenas se encontram participando de uma festa paga, os relatos dos policiais se apresentam de forma homogênea quando declaram que não havia qualquer tipo de bilheteria ou profissionais ligados a realização de eventos, pelo contrário, o que se viu foram homens armados de fuzis, aparentemente, realizando a segurança e controle de acesso ao local”, diz a decisão.

Liga da Justiça

De acordo com a Polícia Civil, os presos são ligados ao grupo conhecido como Liga da Justiça, a maior milícia do estado. Entre eles, há sete agentes de segurança, dos quais dois soldados do Exército, um da aeronáutica e um bombeiro. Baseado no bairro de Campo Grande, na zona oeste da capital, o grupo tem suas atividades expandidas para outros municípios.

Além de cometer assassinatos e cobrar de moradores taxas ilegais de segurança e de sinal de TV, os milicianos já haviam fechado acordos com traficantes para a venda de drogas e o roubo de cargas nos territórios sob seu controle. Eles também obtêm recursos com a venda de botijão gás e com a exploração ilícita de serviços de transporte.

http://m.agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-04/tjrj-realizara-nesta-terca-audiencia-por-videoconferencia-com-milicianos

Clipping
Posto avançado do Detran é implantado em Dormentes

A prefeita de Dormentes, Josimara Cavalcanti, solicitou uma reunião com o diretor presidente do Detran, Charles Ribeiro, para informar que o posto avançado do Detran foi implantado no município.   Na oportunidade, Josimara disse ao dirigente da Autarquia que o processo de integração daquele município ao Sistema Nacional de Trânsito …

Clipping
O risco de a longevidade feminina ficar em segundo plano

A longevidade feminina permanece em segundo plano, mesmo quando se sabe que a expectativa de vida da mulher é maior. É por esse motivo que o tema se tornou uma prioridade para a médica, geriatra e gerontóloga Andrea Prates, com mais de 30 anos de experiência e que trabalha como …

Clipping
Estudantes indígenas são os que menos contam com apoio público para pagar a universidade

Os estudantes indígenas formam o grupo com menor percentual de atendimento nas três principais políticas públicas de acesso ao ensino superior. Segundo os dados mais recentes do Censo da Educação Superior, 63% dos indígenas que estavam matriculados em 2016 não conseguiram vaga na rede pública, não foram selecionados para contratos …