Uso de maconha por pessoas acima de 60 anos cresce 100% em dez anos

Clipping
Eles participaram de uma revolução de costumes e experimentações. Viveram os “loucos” anos 60, lutaram contra convenções, inventaram a contracultura e viram nas drogas uma oportunidade de libertação das amarras sociais. O tempo passou e os baby boomers, geração nascida no pós-guerra, envelheceram. Muitos, porém, conservam os hábitos da juventude, incluindo o uso de maconha. O consumo da substância está mais prevalente entre pessoas acima de 65 anos, segundo estudo da Faculdade de Medicina de Nova York. Também aumentou na faixa dos 50 aos 64, diz a pesquisa, publicada na revista Drug and Alcohol Dependence.
Os dados, coletados entre 2015 e 2016, indicam que 3% dos idosos relataram o uso da maconha no ano anterior. Isso representa um salto de mais de sete vezes, comparado a uma pesquisa semelhante feita com adultos dessa faixa etária em 2006 e 2007. Já na população de 50 a 64 anos, o aumento em relação ao levantamento de uma década atrás foi de mais de 100%. De acordo com Benjamin Han, professor da Divisão de Medicina Geriátrica do NYU Langone Health e um dos autores do estudo, a continuidade no consumo da maconha é um reflexo das mudanças culturais que marcaram as pessoas que foram adolescentes ou jovens nas décadas de 1960 e 1970.
“Nós vivemos agora uma época de mudanças de atitude em relação à maconha. À medida que o estigma declina e o acesso aumenta, com o uso recreacional sendo liberado em alguns estados norte-americanos, parece que os baby boomers — muitos dos quais tiveram experiências anteriores com a maconha — a estão consumindo mais”, afirma Han. “Essa geração cresceu em um período de revoluções culturais significativas, o que inclui a popularidade da maconha nos anos 1960 e 1970”, lembra.

No Brasil, não existem pesquisas epidemiológicas sobre uso de drogas ilícitas na terceira idade, mas estudos menores revelam que essa também é uma realidade por aqui. Um desses trabalhos, conduzido com 191 idosos atendidos nos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas de Ribeirão Preto, por exemplo, mostrou que, entre eles, as substâncias mais consumidas, além do álcool, eram maconha, cocaína e crack.
Regularidade
No trabalho de Nova York, foram analisadas as respostas de 17.608 pessoas com mais de 50 anos, que participaram da Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde de 2015-2016. Elas foram questionadas sobre o uso de maconha, incluindo quando consumiram pela primeira vez e se haviam feito isso no ano anterior. Enquanto 54,5% daquelas com idade entre 50 a 64 anos admitiram ter fumado em algum momento da vida, esse percentual foi de 22,4% na faixa dos mais de 65. No primeiro caso, 9% disseram ter consumido maconha no ano anterior à pesquisa. O índice foi de 2,9% entre os idosos. A idade em que começaram a utilizar a droga variou: 92,9% dos participantes entre 50 e 64 anos tiveram o primeiro contato antes dos 21. Entre os com mais de 65 anos, o percentual foi de 54,7%. Os pesquisadores esclarecem, porém, que isso não significa que os entrevistados desde então vêm consumindo maconha regularmente.
A psiquiatra Helena Moura, especialista em dependência química e psicogeriatra, alerta que os resultados apontam para a necessidade de mais pesquisas sobre uso de drogas entre os baby boomers. “Não há quase nada sobre isso, e se trata de uma geração com um perfil cultural diferente da anterior”, observa. “O que é preocupante é que não sabemos os efeitos da maconha no organismo dos idosos. Por exemplo, pode ter uma consequência negativa na mobilidade, aumentando o risco de queda? Ou uma consequência sobre a concentração e a memória?”, questiona. Além disso, a médica destaca que a maioria da população acima dos 50 toma uma série de remédios que podem sofrer interferência da maconha. “É importante perder o preconceito e não deixar de perguntar ao idoso se ele faz uso de drogas”, diz.
“O que é preocupante é que não sabemos os efeitos da maconha no organismo dos idosos. Por exemplo, pode ter uma consequência negativa na mobilidade, aumentando o risco de queda?”
Helena Moura, especialista em dependência química e psicogeriatra
Opioides em excesso
Os baby boomers encontram-se em risco aumentado de morrer por overdose de medicamentos opioides prescritos e por abuso de heroína nos Estados Unidos, segundo estudo da Faculdade de Saúde Pública Mailman, da Universidade de Columbia. De acordo com os autores do trabalho, publicado no American Journal of Public Health, desde 1999, a taxa de óbitos pelo excesso de derivados do ópio praticamente quadruplicou no país, levantada principalmente devido aos remédios para dor e, mais recentemente, a heroína e a fentanila.
Usando dados do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, que traz arquivos sobre mortalidade por todas as causas, os pesquisadores identificaram os padrões de mortalidade por faixa etária. Segundo o estudo, desde 2010, óbitos por overdose de remédios entre pessoas perto dos 50 e dos 70 anos aumentaram mais rápido do que nos outros grupos. Ao mesmo tempo, a mortalidade associada ao uso de heroína naqueles entre os 20 e os 30 anos teve crescimento maior do que o registrado nas demais faixas etárias.

De forma geral, a quantidade de óbitos por overdose de medicamentos opiáceos foi 25% maior entre baby boomers, e os por excesso de heroína 20% maiores na geração milênio (nascidos a partir dos anos 1980), quando comparada a daqueles nascidos entre 1977 e 1978. “Com o aumento da mortalidade por overdose continuando a subir, intervenções efetivas, como o fortalecimento de programas de monitoramento de prescrições são necessárias urgentemente”, escreveram os autores do artigo. “Especificamente, nossas descobertas apontam para a necessidade de programas preventivos e políticas sob medida que se voltem às causas subjacentes do excesso de risco associado às gerações baby boomer e milênio.”

Clipping
Gonzaga Patriota elogia gestão do governador de Pernambuco

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) usou a tribuna da Câmara, na tarde desta terça-feira (23), para destacar a gestão do governador de Pernambuco, Paulo Câmara. O parlamentar citou o pagamento do 13º para os beneficiários do Programa Bolsa Família. “A gestão do governador Paulo Câmara está fazendo um trabalho extraordinário, mesmo com as dificuldades, tem chegado aos pontos principais, trazendo o 13º para o Bolsa Família, fazendo as obras paralisadas acelerarem e procurando resolver os problemas hídricos”, avaliou. O governador Paulo Câmara anunciou a regulamentação do programa Nota Fiscal Solidária e a garantia de pagamento do 13º salário para beneficiários do Programa Bolsa Família no Estado. Segundo ele, o cumprimento dessa meta, aliado à implementação do novo programa, promoverá geração de renda e justiça tributária. Todas as 1.178.450 famílias atendidas pelo programa em Pernambuco receberão uma parcela extra do benefício, correspondente a um 13º salário, garantido pelo Governo do Estado, no valor equivalente ao da parcela mensal, respeitando o limite máximo de R$ 150. O programa vai atingir 34% da população pernambucana, aproximadamente 3.314.065 pessoas.

Clipping
Aneel aprova reajuste médio de 5,04% nas tarifas de luz da Celpe

Os consumidores da distribuidora de energia pernambucana Celpe terão um reajuste médio nas tarifas da contas de luz de  5,04%. Para os consumidores residenciais, o aumento será de 5,14%. A Celpe atende cerca de 3,7 milhões de unidades consumidoras em 185 municípios de Pernambuco. Os novos valores, aprovados hoje (23) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), começam a valer no dia 29 de abril. De acordo com a Aneel, ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. Entre os itens que contribuíram para o aumento da tarifa estão o custo de aquisição de energia, que teve peso de 4,45%; a inclusão de componentes financeiros, com 6,51% e os custos de distribuição, com 2,34%. Cooperativas A Aneel também aprovou hoje o reajuste tarifário de cinco cooperativas de eletrificação rural localizadas nos estados de Sergipe, São Paulo e Rio de Janeiro. A Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Rural Centro Sul de Sergipe (Cercos) teve reajuste médio de 7,29%; a Cooperativa de Eletrificação Rural de Itaí–Paranapanema–Avaí (Ceripa) teve reajuste médio de 12,84%; a Cooperativa de Eletrificação Rural de Resende (Ceres), teve aumento de 16,67%; a Cooperativa Regional de Eletrificação Rural Cachoeiras – Itaboraí (Cerci) e a Cooperativa de Eletrificação Rural de Araruama (Ceral Araruama), ambas com reajuste de 10% cada. As cooperativas Ceres, Cerci e Ceral ficam no estado do Rio de Janeiro, a Cercos em Sergipe e a Ceripa em São Paulo. Os novos índices também entram em vigor em 29 de abril.

Clipping
Etanol deve alcançar recorde de produção com 33,58 bilhões de litros

A produção de etanol no Brasil na safra 2018/2019 deve alcançar 33,58 bilhões de litros, um aumento de 23,3% ou 6,3 bilhões de litros em relação à safra 2017/2018. Os dados divulgados hoje (23) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) confirmam o novo recorde de produção de etanol, batendo o índice anterior de 30,5 bilhões na safra de 2015/2016. Os dados são do quarto levantamento da safra de cana-de-açúcar 2018/2019 e mostram que, no caso do etanol hidratado, a produção deve ser de 22,99 bilhões de litros, 41,5% ou 6,7 bilhões de litros a mais que o ciclo anterior. Antes, a maior produção de álcool hidratado alcançada havia sido de 19,6 bilhões de litros, na safra 2010/2011. O levantamento mostra que houve redução no caso do anidro, que é utilizado na mistura com a gasolina. A produção ficou em 10,59 bilhões de litros, 3,7% a menos que no período anterior. O aumento na produção de etanol nesta safra ocorreu principalmente em função da queda de preços do açúcar no mercado internacional e a um cenário mais favorável para o etanol no mercado interno, frente à alta do dólar e do petróleo, de acordo com a Conab. A junção desses fatores fez com que as unidades de produção aumentassem a destinação de cana-de-açúcar para a produção de etanol. Cana-de-açúcar A safra da cana foi de 625,2 milhões de toneladas, apresentando redução de 1,3% em relação à anterior de 633,26 milhões de toneladas. A produção de açúcar atingiu 31,35 milhões de toneladas, um decréscimo de 17,2% ou 6,5 milhões de toneladas, se comparado à safra anterior. A área colhida ficou em 8,59 milhões de hectares, o que representa uma redução de 1,6% se comparada a 2017/2018.