Venda de antidepressivos quase dobrou no Brasil em cinco anos

Clipping

A venda de medicamentos antidepressivos e estabilizadores de humor quase dobrou no Brasil nos últimos cinco anos.

De acordo com levantamento realizado pela IQVIA, empresa norte-americana de auditoria e pesquisa de mercado farmacêutico, entre julho de 2013 e junho de 2014, o número de vendas de tais medicamentos era de quase 47 milhões de comprimidos, enquanto entre julho de 2017 e junho de 2018 a venda foi de quase 71 milhões. Estes dados não incluem vendas para hospitais, clínicas ou compras realizadas pelo governo.

Segundo dados de 2017 da OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão afeta quase 6% dos brasileiros, o equivalente a mais de 11 milhões de pessoas no país. Mas, segundo o psiquiatra Antônio Geraldo da Silva, diretor tesoureiro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), esse aumento de vendas não se dá apenas pelo aumento de casos mas pelo mau diagnóstico realizado pelos médicos.

“Houve um aumento de casos, inclusive pelo aumento de população, mas a incidência é a mesma. Muita gente se conscientizou da gravidade dos problemas para a saúde mental, e as diretrizes evoluíram bastante e, o que antes era considerado sintomas de estresse, por exemplo, hoje tem um diagnóstico mais certeiro. Mas nem todos os diagnósticos estão corretos. Muitos profissionais receitam esses medicamentos para tratar sintomas, mas não uma doença. Vários desses sintomas poderiam ser tratados com mudança de hábitos ou com terapia, por exemplo”, afirma o psiquiatra Rodrigo Leite, coordenador dos ambulatórios do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq-HCFMUSP).

Leia também: ‘Borderline quase me levou ao suicídio, mas me recuperei e dei a volta por cima’

Segundo Silva, médicos de outras especialidades podem fazer a prescrição, mas não é o procedimento mais adequado. Leite completa que o problema de especialistas de outras áreas e até mesmo psiquiatras receitarem esse tipo de medicamento é não ponderar a necessidade da droga e usar como ferramenta acertiva, para não acontecer uma superprescrição. Outra questão é a falta de conexão entre médico e paciente, de maneira que o profissional conheça todo o contexto da vida e saúde mental da pessoa, atendendo apenas a demanda da queixa. e não a de uma patologia. “Preocupado em atender à queixa do paciente, o médico, muitas vezes, não sabe o que ofertar, como a terapia, mudança de hábitos ou até buscar ajuda de psiquiatra e faz um diagnóstico que não se encaixa para aquela pessoa”, afirma.

Ourtra questão que Leite observa é que, tanto profissionais psiquiátricos, quanto os de outras especialidades podem fazer, inconscientemente, é a sugestão de sintomas por meio das perguntas, como “você é muito ansioso(a)?” ou “você se sente triste com frequência?”, o que inclina a pessoa a responder exatamente esses indícios, que podem ser psicossomáticos.

Leite afirma que um dos maiores problemas para o diagnóstico de doenças psiquiátricas é a falta de exames para diagnosticar um transtorno, que é determinada apenas por avaliação clínica. Assim, há uma banalização na prescrição de medicamentos psicotrópicos, que podem ser receitados para pessoas que não têm a necessidade de usá-los.

De acordo com Leite, também já foi observado que, no mundo inteiro, diante de crises econômicas ou crises sociais, as pessoas passam a tomar mais medicamentos psiquiátricos. “Quando houve o atentado de 11 de setembro [de 2001], as pessoas ficaram muito abaladas e houve um aumento de consumo desses medicamentos para aliviar sintomas como o estresse e a ansiedade, pois as pessoas passaram a procurar mais os médicos para aliviar esses sentimentos”, declara.

A amplitude do uso desses medicamentos para outros problemas também ajudou a aumentar as taxas de vendas. Leite afirma que essas medicações não são específicas, não sendo exclusivas para tratar apenas a depressão ou transtornos de humor. “Alguns antidepressivos, por causar sono, são indicados para problemas de insônia ou para tratar ansiedade, por exemplo”, relata.

Outro problema avaliado pelos médicos é o “mercado negro de medicamentos”, que incluem medicamentos contrabandeados, falsificados, e até mesmo a venda sem receitas, o que aumenta o número de vendas de maneira indiscriminada.

O uso dessas medicações varia em cada caso, desde período de uso, que pode ser por tempo determinado ou durante toda a vida, e a quantidade a ser ingerida, deve ser receitado e acompanhado por um especialista. Assim como qualquer medicamento, os remédios psiquiátricos podem ter efeitos colaterais, como aumento de peso, aumento de colesterol e glicemia. O uso inadequado de tais medicações pode trazer riscos à saúde e à vida da pessoa.

Clipping
Transposição do Rio São Francisco entra na pauta do Governo Bolsonaro

A transposição do rio São Francisco está entre os projetos prioritários das reuniões da área de infraestrutura da equipe de transição, reunida no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB). O general da reserva Oswaldo Ferreira, que coordena o grupo, recebe nesta quarta-feira (14) o ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua de …

Clipping
Teto do INSS pode ir para R$ 5.883 em 2019

O Ministério do Planejamento atualizou em apresentação à Comissão Mista do Orçamento, a previsão para a inflação deste ano e, com isso, elevou a expectativa de salário mínimo para R$ 1.006, em 2019. Em julho, o governo estimava passar o piso dos salários e dos benefícios pagos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) de R$ …

Clipping
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil

O Conselho Federal de Medicina (CFM) se manifestou hoje sobre o anúncio do governo de Cuba de retirada de seus profissionais do Programa Mais Médicos. Em nota divulgada à imprensa, o CFM afirma que o Brasil conta com médicos formados em número suficiente para atender às demandas da população. “Para estimular a …

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.