Entenda a copa feminina que será disputada na França

Clipping

A 8ª Copa do Mundo de Futebol Feminino da FIFA será realizada na França entre os dias 7 de junho a 7 de julho. Neste ano, 24 equipes disputam o título. Desde 1991, a copa feminina ocorre de quatro em quatro anos. Os Estados Unidos são tricampeões (1991, 1999 e 2015) ; a Alemanha (2003, 2007), bicampeã; Noruega (1995) e Japão (2011) têm um título cada.

Cidades-sede

Paris – Parc de Princes. Estádio com capacidade para 47.600 torcedores.

Montpellier – Stade de la Mosson. Estádio com capacidade para 19.300 torcedores.

Nice – Stade de Nice. Estádio com capacidade para 35.100 torcedores.

Valenciennes – Stade du Hainaut. Estádio com capacidade para 22.600 torcedores.

Lyon –  Stade de Lyon. Estádio com capacidade para 57.900 torcedores.

Reims – Stade Auguste-Delaune. Estádio com capacidade para 21.608 torcedores.

Le Havre – Stade Océane. Estádio com capacidade para 24.000 torcedores.

Grenoble – Stade des Alpes. Estádio com capacidade para 18.000 torcedores.

Rennes – Roazhon Park. Estádio com capacidade para 28.600 torcedores.

As seleções

9 representantes da Europa (UEFA – União das Associações Europeias de Futebol): 
Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Holanda, Noruega, Escócia, Espanha e Suécia.

3 representantes da América do Norte, Central e Caribe (CONCACAF – Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe):
Canadá, Jamaica e Estados Unidos.

3 representantes da América do Sul (CONMEBOL- Confederação Sul-Americana de Futebol):
Argentina, Brasil e Chile.

3 representantes da África (CAF – Confederação Africana de Futebol):
Camarões, Nigéria e África do Sul.

5 representantes da Ásia (AFC – Confederação Asiática de Futebol) :
China, Japão, Coréia do Sul, Tailândia e Austrália*.

1 representante da Oceania (OFC – Confederação de Futebol da Oceania):
Nova Zelândia

* Desde de 2006, a Austrália é filiada à AFC. Por isso disputa com países da Ásia e não do seu continente, a Oceania. 

São estreantes na Copa da França 2019: África do Sul, Jamaica, Chile, e Escócia.

Disputaram todas as edições: Nigéria, Estados Unidos, Brasil, Japão, Noruega e Suécia.

Grupos

A – França, Coréia do Sul, Noruega e Nigéria

B – Alemanha, China, Espanha e África do Sul

C – Austrália, Itália, Brasil e Jamaica

D – Inglaterra, Escócia, Argentina e Japão

E – Canadá, Camarões, Nova Zelândia e Holanda

F – Estados Unidos, Tailândia, Chile e Suécia

Como é a disputa

As quatro equipes de cada grupo jogam entre si dentro do próprio grupo, classificam-se as duas primeiras de cada grupo, e as quatro melhores terceiro-colocadas.

Na fase seguinte, as 16 seleções iniciam então o mata-mata com oitavas de final, quartas de final, semifinais, disputa do terceiro lugar e final.

Critério de desempate

Para classificação em cada grupo:

  1. Maior número de pontos em todos os jogos do grupo;
  2. Maior saldo de gols em todos os jogos do grupo;
  3. Ataque mais positivo em todos os jogos do grupo;
  4. Maior número de pontos dentre os ainda empatados;
  5. Maior saldo de gols dentre os ainda empatados;
  6. Ataque mais positivo dentre os ainda empatados;
  7. Menor número de pontos em cartões:

1 amarelo = – 1 ponto

2 amarelos = – 3 pontos

1 vermelho direto = – 4 pontos

1 amarelo + 1 vermelho = – 5 pontos

Para definir as posições dos terceiros colocados:

  1. Maior número de pontos ganhos;
  2. Maior saldo de gols;
  3. Ataque mais positivo;
  4. Critério dos cartões;
  5. Sorteio

Das oitavas até a final

Em caso de empate no tempo regulamentar:

  1. Prorrogação de 30 minutos
  2. Disputa de pênaltis

Você lembra?

Países que sediaram a Copa do Mundo de Futebol Feminino

1991 – China

1995 – Suécia

1999 – Estados Unidos

2003 – Estados Unidos

2007 – China

2011 – Alemanha

2015 – Canadá

Países que disputaram a final

1991 – Estados Unidos 2 x 1 Noruega

1995 – Noruega 2 x 0 Alemanha

1999 – Estados Unidos 0 x 0 China  (5 x 4 pênaltis)

2003 – Alemanha 2 x 1 Suécia

2007 – Alemanha 2 x 0 Brasil

2011 – Japão 2 x 2 Estados Unidos (3 x 1 pênaltis)

2015 – Estados Unidos 5 x 2 Japão

Desempenho da seleção brasileira

O Brasil esteve em todas as edições da Copa do Mundo de Futebol Feminino. Disputou 30 jogos sendo 18 vitórias, 4 empates e 8 derrotas. Marcou 59 gols e sofreu 35.

1991 – Foi eliminado na fase de grupos

1995 – Foi eliminado fase de grupos

1999 – Terceiro lugar

2003 – Quartas de final

2007 – Vice-campeão

2011 – Quartas de final

2015 – Oitavas de final

Destaques individuais

Marta (Brasil) é a artilheira com 15 gols. A jogadora tem 33 anos, ainda está em atividade e vai disputar a Copa da França 2019.

Birgit Prinz (Alemanha) e Abby Wambach (Estados Unidos), vice-artilheiras com 14 gols. Ambas já se aposentaram.

Carli Lloyd (Estados Unidos) conquistou a bola de ouro em 2015. A atleta tem 36 anos, ainda em atividade e vai disputar a Copa da França 2019.

Hope Solo (Estados Unidos) foi eleita a melhor goleira das copas de 2011 e 2015. A atleta se aposentou em 2016.

Marta (Brasil) , Birgit Prinz (Alemanha) e Homare Sawa (Japão)  ganharam a Bola de Ouro (craque da Copa) e a Chuteira de Ouro (artilheira da Copa).

Clipping
Bolsonaro estuda reduzir imposto para celulares e computadores, afirmou no Twitter

O presidente Jair Bolsonaro disse no domingo (16), que o governo federal estuda a possibilidade de reduzir impostos cobrados sobre a importação de produtos do setor de tecnologia da informação, entre eles, computadores e celulares. Por meio de sua conta no Twitter, Bolsonaro afirmou que a redução poderia ser de 16% para 4%. “Para estimular a competitividade e inovação tecnológica, o governo estuda, via secretaria do Ministério da Economia, a possibilidade de reduzir de 16% para 4% os impostos sobre importação de produtos de tecnologia da informação, como computadores e celulares”, disse. O presidente disse que também está sendo avaliada a redução de impostos para jogos eletrônicos. (Agência Brasil/ foto: André Coelho)

Clipping
Embraer assina contrato de venda de 39 aviões para United Airlines

A Embraer anunciou hoje (17), em Paris, França, a assinatura de contrato com a United Airlines para a venda de 39 jatos E175. O pedido, que tem o valor de US$ 1,9 bilhão, inclui 20 pedidos firmes e 19 opções com as aeronaves sendo configuradas com 70 assentos. As entregas têm previsão de início no segundo trimestre de 2020. As aeronaves substituirão aviões de 70 lugares mais antigos que atualmente operam com os parceiros regionais da companhia aérea. “Com este contrato, temos a oportunidade de continuar a atender a frota da United com nossa plataforma E175 que é líder do segmento. O foco da Embraer em encontrar soluções que atendam às necessidades de nossos clientes é a principal razão pela qual continuamos liderando este segmento de mercado”, afirmou o diretor de vendas e marketing para América do Norte da Embraer Aviação Comercial, Charlie Hillis. Segundo nota da Embraer, incluindo este novo contrato, a empresa vendeu mais de 585 jatos E175 para companhias aéreas na América do Norte desde janeiro de 2013, sendo responsável por mais de 80% de todos os pedidos neste segmento de jatos de 70 a 76 assentos. “O E175, operado por nossos parceiros regionais, provou ser uma parte importante de nossa frota à medida que continuamos expandindo nossa linha aérea principal e proporcionamos uma experiência ao cliente cada vez melhor. Ao nos concentrarmos em fornecer aos nossos clientes o máximo em conforto e conveniência, contamos com aeronaves como o E175 para nos ajudar a atingir nossa meta de oferecer a melhor experiência no céu”, disse o vice-presidente financeiro da United Airlines, Gerry Laderman.

Clipping
Maia diz que comissão pode aprovar Previdência na semana que vem

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse hoje (17) que a reforma da Previdência pode ser aprovada pela comissão especial que analisa o tema até o próximo dia 26. O parecer do relator da proposta de emenda à Constituição (PEC) na comissão especial da Câmara, Samuel Moreira (PSDB-SP), foi lido na última quinta-feira (13). O texto foi criticado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, segundo o qual, as alterações feitas na proposta inicial enviada pelo governo podem “abortar” a reforma. Para o ministro, entre os principais problemas, estão as mudanças nas regras de transição que reduziram substancialmente a economia projetada. Rodrigo Maia disse que o posicionamento de Guedes teve efeito positivo. “A fala uniu o Parlamento, nos deu chance de estar mais próximos dos governadores e prefeitos. Tem crises ou críticas que vêm para bem. Essa é uma delas. Fortaleceu a certeza [de] que a Câmara e o Senado podem ter neste momento o papel [de] protagonista que nunca tiveram nos últimos 20 anos”, afirmou o presidente da Câmara depois de participar de um evento sobre transparências promovido pelo Grupo Bandeirantes. Joaquim Levy Maia comentou a demissão do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy. Ele pediu para deixar o cargo ontem (16) após ser criticado pelo presidente Jair Bolsonaro. Segundo Bolsonaro, o motivo do descontentamento com Levy foi a nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor de Mercado de Capitais do BNDES. O presidente da Câmara defendeu Levy e Barbosa. “Queria que o Marcos Pinto pudesse ser aproveitado em uma área de um debate importante sobre economia com viés social. Ele é um dos melhores do Brasil nessa área. Demitir faz parte da vida, é um direito do governo, mas da forma como foi feito, criou suspeição sobre o Marcos Pinto. Esse advogado que foi demitido do BNDES é um dos quadros que mais entendem de política econômica do ponto de vista social no Brasil”, ressaltou Maia, que elogiou a trajetória de ambos e os serviços que prestaram ao país.