Miguel Coelho entrega carta de desfiliação ao PSB

Clipping

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, formalizou, hoje, sua saída do Partido Socialista Brasileiro (PSB). O gestor entregou, pessoalmente, em Brasília, a carta de desfiliação ao presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira. Miguel passou sete anos associado ao PSB, primeiro e único partido ao qual foi filiado. 

No documento, o prefeito de Petrolina alega divergências na forma de praticar política para tomar a decisão, mas ressalta a importância histórica dos socialistas. Miguel cita ainda como referências da convivência no PSB o senador Fernando Bezerra e o ex-governador Eduardo Campos. “Semeamos juntos desejos da população de levar água para os irmãos do interior, asfalto para porta de casa, desenvolvimento que gera emprego e oportunidade, educação que alimenta sonhos, renda que impulsiona o futuro”, lembrou. 

Miguel agradeceu ao líder partidário pelo apoio recebido no período em que esteve filiado, quando teve a oportunidade de exercer pelo PSB os cargos de deputado estadual e prefeito da maior cidade do Sertão. “Sou grato ao PSB por ter acreditado em um rapaz de 23 anos para poder ser o deputado estadual mais jovem da legislatura em que concorri. Ainda mais grato por ter  acreditado no auge dos meus 25 anos para poder concretizar o sonho de mudança que começava a florescer em nosso Brasil para a minha amada cidade de Petrolina, sendo eleito o prefeito mais jovem da história de nosso município.” 

O futuro partidário do prefeito de Petrolina ainda não foi decidido. Miguel pretende ouvir dirigentes de outras siglas para se associar ao partido com o qual mais se identifica e que tenha um projeto adequado a um futuro de desenvolvimento para o País. “Hoje, meu foco é apenas trabalhar por Petrolina. Não tenho pressa para escolher um novo partido, até porque eleição é só no próximo ano. Mas essa decisão será tomada levando em consideração o melhor para Petrolina, Pernambuco e o Brasil.” 

Confira a carta na íntegra:

Caro presidente Carlos Siqueira, aprendi que a política deve ser sempre usada como meio de transformação para poder ajudar aqueles que mais precisam. Busco seguir esse ensinamento todos os dias ao longo da minha jovem carreira pública. Sempre fui atraído pela política, seja em Petrolina, ou andando pelo nosso estado de Pernambuco.

Desde de muito cedo, pude testemunhar os efeitos da boa política. Primeiro acompanhando meu pai, o senador Fernando Bezerra,  em seguida com o nosso saudoso governador Eduardo Campos. Semeamos juntos desejos da população de levar água para os irmãos do interior, asfalto para porta de casa, desenvolvimento que gera emprego e oportunidade, educação que alimenta sonhos, renda que impulsiona o futuro.

Sou grato ao PSB por ter acreditado em um rapaz de 23 anos para poder ser o deputado estadual mais jovem da legislatura em que concorri. Ainda mais grato por ter  acreditado no auge dos meus 25 anos para poder concretizar o sonho de mudança que começava a florescer em nosso Brasil para a minha amada cidade de Petrolina, sendo eleito o prefeito mais jovem da história de nosso município.

Não posso deixar de registrar o apoio que tive do diretório nacional em sua pessoa, que não só acreditou mas ajudou efetivamente para a nossa vitória em 2016.

Magalhães Pinto já dizia: “política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Você olha de novo e ela já mudou.” Pois bem, chegou a hora de mudar. Mudar não de ideias ou convicções, mas mudar de partido. Nos últimos anos, percebi que o conceito que tenho da política, infelizmente diverge da pregada pelo PSB, embora respeite.

Acredito que a política deve ser sempre a arte de somar e dialogar, por isso que peço a compreensão e respeito dos meus agora ex-companheiros de partido. Podemos sempre divergir, mas jamais nos atacar. Campanhas passam, mas a história registra os justos e bravos de caráter que lutam pelo fortalecimento de nossa democracia. Não seremos lembrados sobre quem era da “velha” ou “nova” política, mas sim pelos que faziam e praticavam a boa Política.

Agradeço à confiança, pela amizade, pelo respeito, pela convivência dos últimos anos. Desejo sorte a todos que irão continuar, tendo a certeza de que, independente das disputas que iremos travar, o resultado final será um Pernambuco e um Brasil mais justos, iguais e fraternos para todos. Por isso, venho através dessa carta comunicar ao senhor o meu pedido de desfiliação do quadro de filiados ao Partido Socialista Brasileiro.

Miguel Coelho – prefeito de Petrolina

Clipping
Instagram começa testes para esconder número de curtidas no Brasil

O Instagram começa, nesta quarta-feira (17), um teste que deve colocar em prática uma nova função. A partir de agora, as fotos postadas na plataforma devem aparecer sem o número de curtidas. No entanto, o número de “likes” deve continuar visível para os usuários que postarem as imagens.  Leia também:Instagram libera sticker para chat nos storiesCenp reconhece Google e Facebook como veículos de mídia Segundo a empresa, o novo recurso foi criado para que “os seguidores se concentrem mais nas fotos e vídeos que são compartilhados, do que na quantidade de curtidas que recebem”. Apesar de esconder o número de curtidas, o aplicativo deve continuar utilizando-o como parâmetro para o algoritmo que escolhe o que é mais relevante. A mudança foi anunciada em abril e experiências do tipo foram feitas no Canadá, onde o Instagram avaliou os testes como positivos.

Clipping
PIB recua 0,8% no trimestre encerrado em maio, diz FGV

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, recuou 0,8% no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro. O dado é do Monitor do PIB, divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo a FGV, no entanto, o PIB brasileiro cresceu 0,5% quando comparado ao trimestre encerrado em maio de 2018. Considerando-se apenas o mês de maio deste ano, houve altas de 0,5% em relação ao mês anterior e de 4,3% na comparação com maio do ano passado. No acumulado de 12 meses, o PIB cresceu 1,2%. Na comparação do trimestre finalizado em fevereiro com o trimestre encerrado em maio, os três grandes setores produtivos tiveram queda: serviços (-0,4%), indústria (-1,4%) e agropecuária (-1,2%). Dentro dos serviços, a maior queda foi observada nos transportes (-2%). Os serviços de informação foram os únicos a apresentar crescimento (0,2%). Já na indústria, houve queda entre todos os subsetores, com destaque para a indústria extrativa mineral (-4,8%). Sob a ótica da demanda, a queda do trimestre findo em maio na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro foi puxada pelas exportações, que recuaram 5,2% no período. O consumo de governo também caiu (-0,4%). Já as importações subiram 2,4%. Por outro lado, tanto o consumo das famílias quanto a formação bruta de capital fixo (investimentos) cresceram 0,2%. O cálculo oficial do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado a cada trimestre fechado (janeiro a março, abril a junho, julho a setembro e outubro a dezembro).

Clipping
Reportagem da EBC volta a Mariana quase 4 anos após tragédia

A tarde de 5 de novembro de 2015 jamais será esquecida pelos moradores de Bento Rodrigues, subdistrito localizado a 35 km do centro de Mariana (MG). O local foi o mais atingido pelos 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos vindos da barragem de Fundão da mineradora Samarco. A tragédia deixou um saldo de 19 mortos. A destruição ambiental atingiu, além de Bento Rodrigues, as comunidades de Paracatu e Gesteira e uma bacia hidrográfica que chega a 230 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. A destruição causada pela lama resultou, ainda, em centenas de desabrigados. A maioria espera uma solução da Fundação Renova, entidade criada para administrar todas as ações de reparação da tragédia. Seja por reassentamento ou recuperação da propriedade. É o caso do Wilson dos Santos, de 73 anos, que perdeu casa, cabeças de gado e plantações. Como a maioria dos moradores locais. Mais de três anos e oito meses após a tragédia, ele e outros moradores aguardam uma solução. A entrega de 240 casas em Bento Rodrigues, prevista para este ano, vai atrasar. Em Paracatu e Gesteira, as obras ainda nem começaram. A equipe da Agência Brasil visitou a região e mostra como atingidos lutam para recuperar a vida que levavam antes da tragédia.