Novo sistema detecta 4,5 mil focos de desmatamento em 6 meses e gera laudo completo para órgãos

Clipping

Mais de 4,5 mil alertas de desmatamento no território brasileiro foram gerados em seis meses por um sistema de monitoramento inédito. Batizado de “Mapbiomas Alerta”, ele será lançado nesta sexta-feira (7), em Brasília, por um grupo de ONGs que pretende oferecer dados mais precisos para a fiscalização realizada por órgãos federais.

Esses 4.577 alertas compilados pelo Mapbiomas utilizam monitoramentos de satélite já feitos por sistemas públicos e por outras organizações (leia mais abaixo). O sistema cruza diferentes bases de dados e consegue emitir laudos detalhados sobre o território afetado pelo desmatamento.

Nestes seis meses, os alertas identificaram que:

  • 95% estão em áreas não autorizadas para desmatamento
  • 31% (1.419) dos focos estão em áreas de Reserva Legal
  • 55% estão em áreas privadas com Cadastro Ambiental Rural
  • 9,6% (442) estão em Áreas de Proteção Permanente e 1,1% (51) em nascentes

O projeto conseguiu fazer uma análise completa de 80% dos casos – 20% ainda estão sob investigação da equipe. O bioma mais afetado em área é o Cerrado, que teve 47.704 hectares com desmatamento. A Amazônia está em segundo lugar em território, reflexo de uma possível influência da época chuvosa, o que dificultou o monitoramento via satélite.Área total afetada dos biomas brasileirosValores estão em hectares47.70447.70427.28527.2856.5526.5524.3324.3323.5313.531337337CerradoAmazôniaMata AtlânticaCaatingaPantanalPampa010k20k30k40k50k60kFonte: Mapbiomas Alerta

Número de alertas recebidos por bioma brasileiroCerrado: 1.277Amazônia: 1.712Mata Atlântica: 982Caatinga: 474Pantanal: 85Pampa: 47Mata Atlântica
982

Cerca de 22% dos municípios apresentaram alertas de desmatamento no primeiro trimestre de 2019, em todos os estados do Brasil. Pará e Mato Grosso lideram com mais notificações. As cidades mais afetadas: Corumbá, no Mato Grosso do Sul, Marcelândia, no Mato Grosso e Balsas, no Maranhão.

Áreas protegidas

Dentre os 4,5 mil focos registrados pelo Mapbiomas Alerta, 312 foram em áreas protegidas – Unidades de Conservação (94) e Áreas de Proteção Ambiental. Foram 4.173 hectares dentro desses territórios, o que representa 5% de todas as notificações.

Áreas protegidas mais afetadas:

  • Área de Proteção Ambiental Rio Preto: 634 hectares
  • Área de Proteção Ambiental do Xingu: 488 hectares
  • Floresta Nacional de Cristópolis: 97 hectares

As terras indígenas tiveram 101 pontos de desmatamento – 700 hectares no total, menos de 1% dos 4,5 mil focos. Os povos mais afetados foram: Munduruku, com 17 alertas; Kayapós, com 16; e Yanomami, com 8.

Vista da BR-163, estrada que liga Santarém, no Pará, a Cuiabá, no Mato Grosso — Foto: Marcelo Brandt/G1

Vista da BR-163, estrada que liga Santarém, no Pará, a Cuiabá, no Mato Grosso — Foto: Marcelo Brandt/G1

Laudos na mão

O projeto não usa novos dados. Ele cria laudos digitalizados com base nos seguintes sistemas:

  • DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe);
  • Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon);
  • Sistema Integrado de Alertas de Desmatamento (SIPAMSar), do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), vinculado ao Ministério da Defesa;
  • Glad, da Global Forest Watch (GFW)

Mapbiomas é um projeto que existe desde 2015, que monitora o uso da terra no Brasil com a ajuda de imagens de satélite com pixels que representam uma área de 900 m². A base de dados que leva em consideração mais ou menos 20 classes de uso do território – desde a demarcação dos municípios, até os territórios indígenas. A ideia é vai aperfeiçoar os resultados dos laudos para os órgãos de fiscalização.

Tasso Azevedo, coordenador-geral do Mapbiomas, diz que a criação dos alertas com base nos sistemas atuais de forma digital contou com a participação e feedback do Ibama, do ICMBio, Ministério Público Federal, Associação Nacional dos Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anama), entre outros. Eles testaram a ferramenta nos últimos três meses de 2018. Em 2019, o projeto passou a registrar todos os pontos de desmatamento no Brasil.

Como funciona?

O sistema detecta um foco de desmatamento. É feita uma análise com a ajuda das imagens de satélite para descobrir quando de fato o território perdeu a cobertura vegetal. O laudo gera duas imagens: uma do dia anterior à retirada das árvores e outro no dia da detecção. Tasso descreve o mecanismo como “a foto da placa do carro passando no sinal vermelho no dia da multa”.

A partir disso, com a base de dados do Mapbiomas, é possível saber se é uma área de Unidade de Conservação, Terra Indígena, Quilombola, se há um Cadastro Ambiental Rural no local, se é uma Área de Proteção Ambiental (APA), uma Reserva Legal, entre outros graus de refinamento.

Esse documento gerado pelo alerta de forma digital facilita o trabalho dos órgãos porque já traz todas essas informações. Antes, tudo era analisado “na mão” e o fiscal precisaria ir até o local para entender a situação.

No ano passado, os sistemas Deter, SAD e Glad geraram 150 mil alertas – menos de 1% deles geraram laudos completos e ações efetivas. A ideia é resolver esse problema.

Clipping
Uso de simulador para obtenção de CNH será facultativo

Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (17) torna facultativo o uso de simulador de direção veicular no processo de formação de condutores, para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). As novas regras preveem, ainda, redução de 25 para 20, no número de horas-aula (h/aula) práticas nas auto-escolas, para a categoria B da CNH. No caso da categoria A, serão necessárias pelo menos 15 h/aula. Em ambos casos, pelo menos 1h/aula terá de ser feita no período noturno. Para condutores de ciclomotores, a carga horária mínima será de 5h/aula. As medidas começam a valer no prazo de 90 dias a serem contados a partir de hoje – data em que a matéria foi publicada no DOU. Em abril, durante reunião do Contran que definiu as novas regras, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que as mudanças ajudarão a desburocratizar etapas do processo de formação do condutor. “As decisões foram fruto de muita reflexão e estão sendo tomadas com toda responsabilidade”. Na oportunidade, ele argumentou que o simulador não teria eficácia comprovada. “Ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há essa obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”, disse. De acordo com o ministro, a medida visa reduzir a burocracia na retirada da habilitação. Ele disse que a decisão vai estimar uma redução de até 15% no valor cobrado nos centros de formação de condutores.

Clipping
Indicador antecedente da economia brasileira cai 0,9%, diz FGV

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,9% de abril para maio deste ano. Com isso, o indicador, que busca antecipar tendências econômicas, atingiu 116,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. O IACE é calculado com base em oito componentes que medem a atividade econômica no Brasil, entre eles o Ibovespa (índice da bolsa de valores de São Paulo) e os índices de expectativas da FGV. Cinco componentes tiveram queda em maio. Outro índice, o Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mede as condições econômicas atuais, por outro lado, teve alta de 0,7%, passando para 103,8 pontos em maio.

Clipping
Exportações brasileiras crescem 10% em maio com vendas para os EUA

As exportações brasileiras cresceram 10% em maio deste ano, na comparação com maio do ano passado. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o destaque ficou com as vendas para os Estados Unidos, que cresceram 72% no mês, na comparação com o mesmo período de 2018. Ao mesmo  tempo, as exportações para a Argentina e a China tiveram queda. O comércio com o vizinho sul-americano vem caindo desde o início do ano por conta da crise econômica argentina. Já as vendas para a China vêm desacelerando desde março. Produtos são exportados, em sua maioria, por navios    (Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil) O aumento das exportações para os Estados Unidos pode ser explicado pela alta nas vendas de óleo bruto de petróleo (492%) e semimanufaturados de ferro e aço (322%) para aquele país. Os dois produtos responderam por 24% do total exportado pelo Brasil para o mercado norte-americano. As importações brasileiras (provenientes de todos os países) cresceram 12,9% em maio. O saldo da balança comercial do país foi de 6,3 bilhões de dólares no mês. No acumulado do ano, as exportações recuaram 0,9%, enquanto as importações cresceram 1,8%. O saldo acumulado é de 22,1 bilhões de dólares.