Pernambuco lidera mortes por álcool no Nordeste

Clipping

“Meu apelido era ‘sete vidas’, porque eu já escapei de muita batida. Perdi umas cinco bicicletas. Sem falar nas ameaças que já sofri. Conheço muita gente que morreu por conta de cachaça. Um amigo faz alguns anos foi parar no hospital por conta de bebida e mandaram providenciar o caixão porque ele não ia durar muito. Foi dito e feito. Hoje o conselho que dou a outras pessoas é que tenham cuidado porque o álcool é uma droga sutil, mas que pode levar as pessoas à miséria”.

Este é relato é de um sobrevivente do álcool, de 54 anos, que preferiu não ter o nome divulgado. Sóbrio há 13 anos, por pouco ele não entrou para uma estatística terrível: a dos óbitos relacionados ao consumo de bebida. Um ranking divulgado pelo Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa) coloca Pernambuco como o 2º estado do País em volume de mortes atribuíveis parcial ou totalmente ao álcool por 100 mil habitantes. Somos ainda o 1ª do Nordeste. Os cálculos do Cisa apontam que 42,4 pessoas morrem devido à bebida a cada 100 mil pessoas aqui.

A publicação Álcool e a Saúde dos Brasileiros – Panorama 2019 compila dados de várias fontes de informação para formar o perfil inédito do impacto do consumo de bebidas em todo o Brasil. Foram levados em conta, por exemplo, a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, elaborada pelo IBGE (PeNSE), o levantamento Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico do Ministério da Saúde (Vigitel) , além de relatórios da Organização Mundial de Saúde.

O estudo verificou que entre as mortes de pernambucanos relacionadas ao alcoolismo 59,3% das vítimas tinham mais de 55 anos de idade. Apenas em 2016 foram 66.928 falecimentos em números absolutos. Os óbitos são mais prevalentes entre os homens: 71,1% eram do sexo masculino.

Já entre as principais causas de falecimento estão a doença hepática alcoólica (19%), a síndrome de dependência do álcool (16%), a hipertensão (13%) e a doença cardíaca isquêmica (11%). Fora o 2ª lugar nacional em mortes atribuíveis, Pernambuco está no 3º lugar na região Nordeste em relação as internações parcial ou totalmente atribuíveis ao álcool. São 102,4 internações para cada 100 mil habitantes. Foram 543.250 desses atendimentos em 2017 e que custaram aos cofres cerca de R$ 4,5 milhões.

“São necessários mais estudos para elucidar os fatores envolvidos nesses desfechos em Pernambuco. A relação entre o uso nocivo e as consequências à saúde deve ser analisada frente a ações de prevenção e tratamento disponíveis no local. Além disso, fatores como economia, violência, disponibilidade e qualidade do álcool também são importantes influenciadores desta relação”, explicou a coordenadora do Cisa, Erica Siu.

O gerente operacional do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) Centro de Prevenção Tratamento e Reabilitação de Alcoolismo (CPTRA), Luiz Carlos Almeida, comentou que a maior demanda do serviço são de abusadores ou dependentes do álcool. “Geralmente, o usuário especificamente do álcool chega depois de alguns anos de adoecimento e ainda tem dificuldade desse reconhecimento do problema. Na nossa cultura é muito comum as pessoas fazerem uso de bebida, muito comum a permissão de menores de idade fazendo uso de álcool e comum o discurso contra as drogas ilícitas, mas permissiva do consumo de álcool”, comentou sobre os desafios na abordagem ao usuário.

“Muitos só buscam ajuda depois que passam por algum adoecimento ou precisou de socorro médico. Outros depois de episódios de caráter moral como uma briga ou porque colocou amigos ou a família em situação constrangedora”, disse. Almeida reforçou que do ponto de vista da saúde pública o álcool é a droga que tem maior morbidade e mortalidade, sendo responsável por muitas mortes de trânsito, acidentes de trabalho e óbitos por causas clínica como doenças do sistema digestivo e hepático. A Capital tem seis Caps AD que fazem tratamento gratuito.

Em relação ao Brasil, o Cisa reforçou que o País teve queda de 11% no consumo de álcool per capita (por pessoa) entre 2010 e 2016 (saiu 8,8 litros para 7,8 litros), mas ainda está acima da média mundial de consumo per capita que é de 6,4 Litro/ano. Já entre os bebedores, o consumo médio é de três doses/dia, maior que a média na região das Américas e no mundo, de 2,3 doses/dia. Outro dado que merece alerta são as internações e óbitos relacionados ao álcool que aumentaram respectivamente 6,9% e 6,7%, na população de idosos, entre 2010 e 2016.

Trânsito – Outra fator preocupante é em relação a mistura álcool e direção. De acordo com balanço do Detran Pernambuco, a Operação Lei Seca autuou 215 motoristas por alcoolemia nos primeiros três meses de 2019. No mesmo período do ano passado foram 30 autuações, ou seja, aumento de 616,67%. Já os dados da Secretaria de Saúde do Estado apontam quedas anuais deste tipo de infração. Em 2018, foram 441.115 veículos abordados e 4.308 multas por alcoolemia. Um percentual de 0,97%. Enquanto em 2017, 378.006 abordagens resultaram em 5.291 multas (1,3%).

(FolhaPE)

Clipping
Instagram começa testes para esconder número de curtidas no Brasil

O Instagram começa, nesta quarta-feira (17), um teste que deve colocar em prática uma nova função. A partir de agora, as fotos postadas na plataforma devem aparecer sem o número de curtidas. No entanto, o número de “likes” deve continuar visível para os usuários que postarem as imagens.  Leia também:Instagram libera sticker para chat nos storiesCenp reconhece Google e Facebook como veículos de mídia Segundo a empresa, o novo recurso foi criado para que “os seguidores se concentrem mais nas fotos e vídeos que são compartilhados, do que na quantidade de curtidas que recebem”. Apesar de esconder o número de curtidas, o aplicativo deve continuar utilizando-o como parâmetro para o algoritmo que escolhe o que é mais relevante. A mudança foi anunciada em abril e experiências do tipo foram feitas no Canadá, onde o Instagram avaliou os testes como positivos.

Clipping
PIB recua 0,8% no trimestre encerrado em maio, diz FGV

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, recuou 0,8% no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro. O dado é do Monitor do PIB, divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo a FGV, no entanto, o PIB brasileiro cresceu 0,5% quando comparado ao trimestre encerrado em maio de 2018. Considerando-se apenas o mês de maio deste ano, houve altas de 0,5% em relação ao mês anterior e de 4,3% na comparação com maio do ano passado. No acumulado de 12 meses, o PIB cresceu 1,2%. Na comparação do trimestre finalizado em fevereiro com o trimestre encerrado em maio, os três grandes setores produtivos tiveram queda: serviços (-0,4%), indústria (-1,4%) e agropecuária (-1,2%). Dentro dos serviços, a maior queda foi observada nos transportes (-2%). Os serviços de informação foram os únicos a apresentar crescimento (0,2%). Já na indústria, houve queda entre todos os subsetores, com destaque para a indústria extrativa mineral (-4,8%). Sob a ótica da demanda, a queda do trimestre findo em maio na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro foi puxada pelas exportações, que recuaram 5,2% no período. O consumo de governo também caiu (-0,4%). Já as importações subiram 2,4%. Por outro lado, tanto o consumo das famílias quanto a formação bruta de capital fixo (investimentos) cresceram 0,2%. O cálculo oficial do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado a cada trimestre fechado (janeiro a março, abril a junho, julho a setembro e outubro a dezembro).

Clipping
Reportagem da EBC volta a Mariana quase 4 anos após tragédia

A tarde de 5 de novembro de 2015 jamais será esquecida pelos moradores de Bento Rodrigues, subdistrito localizado a 35 km do centro de Mariana (MG). O local foi o mais atingido pelos 39 milhões de metros cúbicos de rejeitos vindos da barragem de Fundão da mineradora Samarco. A tragédia deixou um saldo de 19 mortos. A destruição ambiental atingiu, além de Bento Rodrigues, as comunidades de Paracatu e Gesteira e uma bacia hidrográfica que chega a 230 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. A destruição causada pela lama resultou, ainda, em centenas de desabrigados. A maioria espera uma solução da Fundação Renova, entidade criada para administrar todas as ações de reparação da tragédia. Seja por reassentamento ou recuperação da propriedade. É o caso do Wilson dos Santos, de 73 anos, que perdeu casa, cabeças de gado e plantações. Como a maioria dos moradores locais. Mais de três anos e oito meses após a tragédia, ele e outros moradores aguardam uma solução. A entrega de 240 casas em Bento Rodrigues, prevista para este ano, vai atrasar. Em Paracatu e Gesteira, as obras ainda nem começaram. A equipe da Agência Brasil visitou a região e mostra como atingidos lutam para recuperar a vida que levavam antes da tragédia.