Brasil agiu secretamente para tirar mísseis de Cuba, revela dossiê dos EUA

As autoridades americanas divulgaram 2,7 mil páginas de documentos relacionados com a “Crise dos Mísseis” em Cuba em 1962, incluindo a participação do Brasil em um esforço diplomático secreto com o regime castrista para retirar os projéteis soviéticos da ilha.

O centro de pesquisa independente National Security Archive (NSA, na sigla em inglês) divulgou nesta sexta-feira em seu site os documentos liberados ontem, incluindo apontamentos feitos por Robert F. Kennedy, então procurador-geral e irmão do presidente John F. Kennedy, durante reuniões sobre segurança nacional.

O procurador-geral exerceu um papel-chave nas negociações para uma resolução pacífica à crise de 13 dias, que foi uma das mais graves da Guerra Fria entre Estados Unidos e a União Soviética e esteve a ponto de provocar uma guerra nuclear.

A crise começou depois que, no dia 14 de outubro de 1962, um avião espião americano U-2 revelou a presença de mísseis balísticos soviéticos na ilha.

Entre os documentos, divulgados pela Biblioteca Kennedy, aparece a minuta de uma carta dirigida a Fidel Castro, identificado como o “senhor F.C.”, e avaliada em 17 de outubro desse ano, um dia depois que o presidente Kennedy se inteirou da existência dos mísseis.

Essa carta, à disposição dos historiadores pela primeira vez, “suscitou uma cadeia de eventos que conduziu a uma complexa diplomacia entre Washington e Havana” no que se chegou a considerar “o momento mais perigoso da história da Humanidade”, afirmou a NSA em comunicado.

A carta incluía uma advertência a Fidel que ao desdobrar os mísseis balísticos na ilha, os soviéticos “tinham gerado assuntos graves para Cuba” e que a permanência desses mísseis faria com que os EUA tomassem “medidas de vital importância para o futuro de Cuba”.

De forma indireta, a mensagem oferecia a Cuba uma abertura de negociações para melhorar as relações “desde que saíssem os soviéticos e suas armas de destruição em massa”, disse a NSA.

Nos períodos iniciais das negociações, no entanto, os principais assessores do presidente Kennedy o pressionavam para que rejeitasse essa mensagem a Cuba, porque debilitaria a opção de um ataque aéreo surpresa contra a ilha.

Kennedy no final optou por uma “quarentena naval de Cuba” para dar tempo aos esforços de convencer os soviéticos que retirassem seus mísseis, e ordenou que o Departamento de Estado apresentasse alternativas diplomáticas para evitar um ataque contra Cuba.

No dia 25 de outubro de 1962, o Departamento de Estado recomendou uma “aproximação com Castro”, mediante a intercessão do Brasil, com uma mensagem que delineava suas únicas opções: “a derrocada de seu regime, se não sua destruição física”, ou “garantias, sem importar se temos intenção de cumpri-las, que não realizaríamos pessoalmente a derrocada do regime”, se Castro tirasse os soviéticos e seus mísseis da ilha.

O presidente Kennedy aprovou o envio dessa mensagem a Castro no dia seguinte, mas “disfarçada como uma iniciativa de paz brasileira enviada pelo governo do presidente João Goulart”, relatou a NSA.

Um emissário brasileiro chegou a Havana em 29 de outubro, já tarde, pois no dia anterior o líder soviético Nikita Kruschev “aceitou retirar os mísseis, em troca de uma promessa pública do presidente Kennedy de não invadir Cuba, e outra promessa secreta de retirar mísseis americanos da Turquia em algum momento no futuro”, acrescentou.

Entre os documentos também estão apontamentos do procurador-geral sobre o chamado “Sábado Negro”, no dia 27 de outubro, quando se temia uma guerra nuclear entre as duas superpotências.

Os detalhes da “aproximação” da Administração Kennedy com Castro foram segredo de Estado durante mais de 40 anos, até 2004 quando se divulgou pela primeira vez parte do esforço diplomático.

Segundo Peter Kornbluh, analista de assuntos cubanos da NSA, os documentos de Robert F. Kennedy “reforçam a lição histórica da crise dos mísseis: a necessidade e o papel de uma diplomacia criativa para evitar a ameaça de um Armageddon nuclear”.

Fonte: Uol

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL