Classe C brasileira descobre a moda

Investir na aparência e estar bem vestido nunca foi tão importante para a classe C. Empregada, com renda maior e mais acesso ao crédito, a nova classe média está mais consumista e até o fim deste ano vai gastar em roupas R$ 10,2 bilhões a mais do que as classes A e B. De acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto Data Popular, em nove anos os consumidores da classe C ampliaram os gastos com moda, descontada a inflação do período, em aproximadamente 153,2%. Hoje, eles representam 46% dos consumidores de roupas e devem atingir a cifra de R$ 55,7 bilhões ainda em 2012. Enquanto isso, as classes A e B respondem por 37,6% dos gastos, somando R$ 45,5 bilhões e as classes D e E por 16,4%, cerca de R$ 19,8 bilhões. A resposta ao consumo crescente vem no surgimento e fortalecimento de redes e lojas voltadas para esse público.

Há dois anos no mercado de Belo Horizonte, a loja de departamento 7 Bello, no Centro, vem crescendo 40% ao ano embalada pela classe C. “Atender o mercado emergente é cada vez mais lucrativo porque ele ganha mais e gasta mais”, afirma o gerente Cláudio Hernani Murta. O bom desempenho, segundo ele, pode ser justificado ainda pela oferta de mercadorias mais baratas, mas que primam pela qualidade. “Esses são clientes extremamente exigentes e desejam produtos de qualidade”, afirma.

Segundo Murta, lojas populares com roupas amontoadas em bancas já não são mais o foco desse cliente, que acabou transformando o varejo. “Os consumidores, principalmente as mulheres, estão muito mais interessados em moda, têm informações, gastam mais e sabem o que tem e o que não tem qualidade”, explica. “Por isso é importante investir em uma loja diferenciada, com manequins e araras, peças exclusivas, em tendências e sempre buscar novos fornecedores”, acrescenta.

Há 20 anos no setor de confecção e varejo de roupas, a empresária Andrea Maria Savino Nogueira e o marido Carlos Henrique Nogueira já têm 10 lojas espalhadas em ruas e nos shoppings populares e pensam em fortalecer os negócios com a criação de uma franquia da loja Plus Basic. Os gastos crescentes da mulher da classe C, e também da classe B, despontam como principais motivos para a nova aposta.

Com expertise em confecção de roupas básicas femininas, eles pretendem em três anos criar um modelo de franquia. “O acesso ao crédito tem facilitado o bom desempenho desse tipo de negócio e entendemos que a nossa loja pode ser atrativa para quem quer entrar nesse mercado”, afirma a empresária. As blusas e vestidos de malha lisa ou estampada, que têm fabricação própria e preços de R$ 10 a R$ 50, levam movimento para a loja durante o dia todo. “Hoje, o preço ainda ganha na preferência desses consumidores, mas esse público se atualizou e quer qualidade acima de tudo”, completa.

Para homens

Na contramão dos empresários que investem no público feminino está o proprietário da loja Canal do Surf, Leandro Lustosa, que optou por atender os homens da classe C. Há quatro anos, ele era estoquista de uma loja de roupas, foi promovido a vendedor, depois a gerente e viu nesse mercado a chance de fazer a própria renda. “Via como as pessoas consomem roupas e achei atrativo investir nesse setor”, comenta. Com a ajuda do ex-patrão, adquiriu uma franquia da loja em março, e pretende recuperar cerca de 80% do valor investido na compra da franquia até dezembro. “Estou confiante que vou atingir essa meta porque esse público entra na loja e efetiva suas compras, ao contrário das mulheres, que ainda pesquisam muito”, comenta.

Para o sócio-diretor do Data Popular, Renato Meirelles, o que impulsiona o crescimento das lojas é, principalmente, a chegada desse consumidor da classe C ao mercado de trabalho. “Esse público não fica mais em casa e precisa estar bem vestido para enfrentar as jornadas de trabalho”, garante. Meirelles lembra que 77% das compras de vestuário pela classe C são feitas por mulheres.

Universo para elas

Além de serem as principais consumidoras do setor de vestuário, as mulheres se mostram mais interessadas em moda que os homens, segundo os dados do Instituto Data Popular. Enquanto 80,5% das mulheres disseram ter pelo menos algum interesse em moda, 54,8% dos homens informaram ter algum interesse no assunto. Reforçam os números a caixa Natália da Silva e a vendedora Adriana Paula de Castro, que são consumistas assíduas. Sempre que sobra um dinheiro no orçamento, elas compram uma peça de roupa. “Ou é uma blusa ou uma calça para trabalhar”, confessa Natália. Todos os dias, as amigas, que trabalham no Centro, vão às lojas atrás dos melhores preços. Na última semana, Adriana foi buscar uma camisa social para o marido e saiu da loja com uma sacola. “Eu compro para mim, para ele e para o meu filho”, diz.

Segundo a professora de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/IBS) Zirene Roxo Matesco, a qualidade das roupas melhorada pela concorrência e importações também é grande responsável pelo crescimento desse mercado. “Hoje a classe C está vestindo a mesma moda das classes A e B com preços menores, e são as próprias consumidoras que fomentam esse mercado e buscam os lançamentos nas lojas populares”, afirma.

O acesso aos cartões de crédito e de débito e a facilidade ao comprar são apontados pela professora como os principais responsáveis pelo fenômeno notado não só no varejo como também em outros setores. “Há oito anos o crédito correspondia a 25% do PIB, e hoje já é 50%. Este ano a economia vai crescer pouco, cerca 1,6%, mas o consumo das famílias de forma geral vai aumentar quase 4%, ou seja mais que o dobro do crescimento da economia”, destaca.

Fonte: Diario de Pernambuco

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL