Em comício com Haddad, Lula diz que foi vítima de ‘tentativa de golpe’

Lula e Marta participaram de comícios com Haddad neste sábado (Foto: Germano Assad/G1)O ex-presidente Lula e a ministra da Cultura, Marta Suplicy, participaram, na noite deste sábado (29), de dois comícios na Zona Leste de São Paulo em apoio ao candidato do PT à Prefeitura, Fernando Haddad. Também estiveram presentes os ministro da educação, Aloisio Mercadante, e da Secretaria de Políticas para Mulheres, Eleonora Menicucci, além do senador Eduardo Suplicy (PT-SP).

Na Praça do Forró, em São Miguel Paulista, Lula fez um discurso de 20 minutos. Ao falar sobre suas motivações para entrar na política, ele disse ter sofrido uma tentativa de golpe em 2005, numa referência ao escândalo do mensalão.

“Em 2005, eles tentaram dar um golpe no meu governo, tentaram como tentaram dar e como deram no João Goulart, como tentaram dar no Juscelino [Kubitschek], como levaram o Getúlio Vargas à morte. Eles [a elite política brasileira] não brincam em serviço, só que eles estavam lidando com uma pessoa diferente. Não que eu fosse mais inteligente do que os outros. É que eles não sabiam que não existia apenas um Lula no Brasil, que tinha um Lula em Brasília e mais milhares de Lulas em São Miguel Paulista, tinha milhares de Lulas nas fábricas, dentro das escolas, vestido de mulher, de homem, de índio”, completou o ex-presidente.

Sem citar o nome de Serra, Lula disse que o tucano não tem mais idade para ser presidente. “Queremos um prefeito que olhe pra São Paulo não como aquele vendedor de ideias, fulano de tal tem ideia. Ideia de quem ganhou São Paulo e no quarto mês se mandou, depois ganhou o governo do estado com três anos, se mandou e foi tentar ser presidente, tomou uma ‘chumbada’. Certamente ele deve estar desesperado porque não tem mais idade pra ser presidente, não vai chegar lá, e agora voltou pra São Paulo ,como se São Paulo fosse cabide de emprego. Ora, meu Deus do céu, pega a aposentadoria que é melhor, ou auxílio pensão, qualquer coisa”, disse Lula.

Em seu discurso, Haddad repetiu a intenção de construir 31 centros de saúde, chamada por ele de Rede Hora Certa. “Nós vamos colocar um médico especialista com a consulta, um exame de imagem e o centro cirúrgico no mesmo lugar, e vão ser 31 centros de saúde na cidade de São Paulo nesse formato”.

Ele também criticou a gestão de Gilberto Kassab, e prometeu acabar com a taxa de inspeção veicular ambiental, que chamou de “papa-níquel”. “Não tem cabimento uma pessoa que tirou o carro da concessionária ter que pagar uma taxa pra regular o motor que vem de fábrica dentro do prazo de garantia”, falou.

Cidade Tiradentes
O segundo comício de Haddad nesta noite foi em Cidade Tiradentes. Ao apresentar ao público a esposa de Haddad, Ana Estela, Lula lembrou da novela “Avenida Brasil”. “Olha, tem que ficar esperto porque a tal da Carminha, a tal da Nina, estão em cima da gente. Na verdade, eu morro de pena do Tufão. Eu nunca vi um cara tão sacaneado como ele”, brincou o ex-presidente.

Ele interrompeu o discurso várias vezes para tomar água. “Eu tenho que tomar água porque a garganta ainda ta muito inflamada, se eu não explicar daqui a pouco algum malandro vai dizer que esse lula bebeu tanto na hora do almoço que ta tomando água”.

“Se fosse rico tinha comido bacalhau, pobre tomou cachaça, então não é nenhuma das duas coisas, é que o câncer afetou muito a garganta, ela tá inchada e eu tenho que tomar água pra aguentar falar. Nem comi bacalhau nem tomei cachaça”, explicou, brincando com a plateia.

O ex-presidente ainda criticou Kassab por não ter desapropriado um terreno para a construção de uma universidade na zona leste. “Nós queríamos fazer universidade aqui na zona leste, o prefeito ficou de desapropriar o terreno e não desapropriou, esse rapaz [Haddad] vai ganhar, vai desapropriar e nós vamos fazer a universidade aqui”. Ele citou universidades em Osasco, Diadema, Santo André e falou da necessidade de cada região abrigar uma universidade pública.

Por fim, Lula ressaltou a realização da copa do mundo e das olimpíadas no Brasil e brincou com seu candidato. “Eles agora, por exemplo, vão poder assistir a copa do mundo na zona leste sem sair daqui. Eles não tem mais que ir pra Alemanha ou pro México, eu só lamento que não seja na vila Belmiro, porque meu candidato é santista”.

Fonte: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Comissão debate medidas de socorro ao setor de transporte coletivo

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados promove audiência pública na quinta-feira (30) para debater medidas de socorro ao setor de transporte coletivo urbano. A discussão foi sugerida pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO). Ele cita dados do Ministério da Economia segundo os quais o setor foi um dos cinco segmentos com maior prejuízo durante a crise sanitária de Covid-19. As operadoras de ônibus nas grandes e médias cidades do País amargaram prejuízo acumulado de R$ 16,7 bilhões entre março de 2020 e junho de 2021, agravando a crise já enfrentada pelo setor antes mesmo da pandemia, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). “Ao final de 2020, o Congresso Nacional aprovou o PL 3364/20, que previa um aporte de R$ 4 bilhões, destinado aos municípios que cumprissem determinadas contrapartidas, e que deveriam ser repassados às empresas de transporte público urbano. Contudo, a proposição foi vetada integralmente pelo presidente da República. Até o presente momento, o problema se arrasta, sem solução”, lembra Elias Vaz. ConvidadosForam convidados para a audiência: – o coordenador de Mobilidade Urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Rafael Calabria; – o diretor conselheiro fiscal do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi), Diógenes Sandim Martins; – o diretor administrativo e institucional da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Marcos Bicalho dos Santos; – um representante da Secretaria Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano; e –  um representante da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Fonte: Agência Câmara de Notícias

Clipping
Covid-19: Brejinho suspende aulas presenciais da Educação Infantil

A Prefeitura de Brejinho divulgou comunicado nas redes sociais no início da tarde desta segunda-feira (27), informando que as aulas presenciais da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino foram suspensas. O comunicado destaca que a decisão foi tomada pela Secretaria Municipal de Educação em comum acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. De acordo com o comunicado, o período de suspensão será de quinze dias, retornando as aulas presenciais no dia 11 de julho. Ainda segundo o comunicado, a decisão considera o aumento progressivo do número de casos de Covid-19 no município.  “A decisão foi tomada pensando na proteção de nossas crianças que ainda não foram vacinadas”, destaca o comunicado. Fonte: Nlll Junior

Clipping
Ministério quer ampliar atendimento psicossocial de crianças e jovens

O Ministério da Saúde instituiu a política temporária de incentivo financeiro federal para estados e municípios que queiram ampliar o atendimento local a crianças e adolescentes diagnosticados com ansiedade ou depressão. A ajuda financeira federal para que prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal ampliem e capacitem os serviços que oferecem à população nos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) está detalhada na portaria ministerial nº 1.836, assinada pelo ministro Marcelo Queiroga, e publicada no Diário Oficial da União de hoje (27). Em um relatório publicado em 2021, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Instituto Gallup apontam que, no mundo, uma em cada sete crianças e jovens de 10 a 19 anos de idade sofre com algum tipo de transtorno mental. No mesmo ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria alertou médicos e a sociedade em geral para o fato de que os transtornos psicossociais entre adolescentes, que já vinha merecendo atenção crescente, tornou-se central após o início da pandemia da covid-19. Segundo a entidade médica, as alterações na rotina causadas pela crise sanitária podem provocar mudanças comportamentais como agressividade, falta de concentração, uso abusivo de tecnologia digital e/ou de drogas lícitas e ilícitas. Aporte financeiro O texto da portaria ministerial publicado hoje destaca que os incentivos financeiros federais visam a custear a ampliação do acesso do público infantojuvenil à rede pública de cuidado dos transtornos de humor “para o enfrentamento dos impactos advindos da pandemia da covid-19”.  Para isso, os recursos financeiros disponibilizados por meio da iniciativa deverão ser investidos na implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental; aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares e na informatização dos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis. O aporte financeiro federal de custeio à implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental deverá viabilizar as atividades relacionadas à assistência ambulatorial. Já o auxílio à compra de equipamentos e à ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares busca fomentar a ampliação de estruturas e a aquisição de equipamentos de informática, móveis para consultório e equipamentos médicos. O incentivo à informatização permitirá a compra de materiais e equipamentos de informática para os Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) como forma de viabilizar a migração do registro e envio de produção assistencial para o sistema Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC e-SUS APS). Cada CAPSi habilitado fará jus a R$ 9 mil. Para solicitar os incentivos financeiros, prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal deverão dispor de espaço físico (ambulatórios, policlínicas ou unidades hospitalares) apto a permitir o trabalho de uma equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental, com, no mínimo, duas salas dedicadas aos cuidados à ansiedade e depressão em crianças e adolescentes. Para a ampliação da assistência comunitária a crianças e adolescentes por meio da habilitação de equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental dos tipos 1, 2 ou 3, serão destinados R$ 25,6 mil. Para a habilitação de equipes tipo 2 e/ou 3, R$ 50 mil. Já para a aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares, o incentivo financeiro corresponde a R$ 23 mil para equipes tipo 1, 2 ou 3; e R$ 35 …