Jornalistas estrangeiros avisam que Copa de 2014 também vai mostrar imagens negativas do Brasil

Profissionais de jornal e internet que participaram, no Recife, do III Encontro de Jornalismo Estrangeiro no Nordeste, promovido pela empresa Duxi Comunicação, deixaram bastante claro que a exposição na mídia internacional não se dará apenas de forma positiva, como imaginam as autoridades governamentais e da área de turismo.

O fotógrafo Douglas Engle, por exemplo, alertou para a necessidade de ter um olhar diferente sobre os efeitos da copa, longe do oba oba comercial. “Com a cobertura da Copa, virão coisas negativas também sobre o Brasil. Ninguém pode (ou deve) se ofender”, apontou. O fotógrafo trabalha para sites como Worldpicturenews.com e Australfoto.com (EUA).

Na sua palestra, Engle reclamou ainda da dificuldade de acesso que são criadas pelas organizações dos grandes eventos. O tema é recorrente entre os profissionais do setor. No mês passado, no Rio de Janeiro, durante o primeiro encontro de jornalismo esportivo, Andrew Moger, diretor executivo da News Media Coalition, reclamou dos mesmos interesses comerciais. “Temos de manter nossos direitos de imprensa, que muitas vezes não são respeitados. Os espaços de trabalho não deveriam ser vendidos, mas assegurados a todos”, afirmou.

Mais curioso ainda foi perceber como os gringos não conseguem acostumar-se com o jeitinho brasileiro, mesmo morando há décadas no Brasil. O jornalista Tim Vickery, da BBC, de Londres, radicado no Brasil há vários anos e pela primeira vez no Nordeste, contou que pegou o metrô na estação Joana Bezerra, nesta quinta-feira, além de ter andado de ônibus, para ir até a Arena da Copa, de modo a conhecer a realidade que os torcedores irão enfrentar. Ele disse não ter entendido a razão de o metrô funcionar até às 22 horas, quando pode haver jogos que ultrapassem esses horários, deixando na rua os torcedores que apostaram no transporte público.

Na mesma mesa, o jornalista Andrew Downie, da Revista Time, rabiscava que um país rico não é aquele que o pobre ainda de carro, mas aquele onde o rico anda de transporte público. Questão cultural. Agora vá explicar esse dilema a um cara que anda de ônibus mais apertado do que uma sardinha em lata.

Na parte da manhã, o jornalista escocês já havia mostrado como a cidadania deve ser o combustível permanente do jornalismo. Na plateia, participando da audiência, Andrew Downie, contratado pela Reuters para acompanhar mais de perto o extra-campo, como os gastos para o mundial, questionou o executivo Marcos Lessa, diretor presidente da Arena Pernambuco, sobre os custos adicionais para apressar a entrega do estádio, em abril, três meses antes da Copa das Confederações.

O tema oficial era justamente o legado da Copa. Lessa tergiversou e não respondeu. O gringo deu de ombros, sem demonstrar surpresa. Na parte da tarde, sem voltar a citar o caso do empreendimento erguido em São Lourenço da Mata, ele contou que pega no pé dos construtores do Itaquerão, em São Paulo, com os mesmos resultados. Ninguém fala em aumento de custos, de forma progressiva, desde o anúncio da Copa no Brasil, embora os recursos sejam públicos, pagos pelo cidadão.

Pernambuco será palco de jogos tanto na Copa das Confederações como na Copa do Mundo. O evento, promovido pela Duxi Comunicação, terá sua terceira edição com foco nos jogos que acontecem no Brasil em 2013 e 2014 e integra a programação dos 600 dias para Copa da Secretaria Extraordinária da Copa de 2014 (Secopa) do Governo de Pernambuco. O III Encontro de Jornalismo Estrangeiro no Nordeste aconteceu, no Mar Hotel, com patrocínio da Secopa, da Arena Pernambuco e tem o apoio da Associação dos Correspondentes de Imprensa Estrangeira no Brasil e da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco.

A contagem regressiva para a inauguração oficial da Arena Pernambuco já começou. No dia 14 de abril de 2013, um domingo, às 17h, o estádio receberá o público em seu primeiro evento. O anúncio foi feito em uma coletiva, na tarde de ontem, por Ricardo Leitão, secretário extraordinário da Copa 2014 em Pernambuco. Apesar de ter data marcada para a estreia do estádio, ainda não se sabe se evento de abertura será uma partida de futebol ou mesmo uma apresentação musical. “Pode, até mesmo, ser um show, para mostrarmos que a Arena não é só futebol”, disse Leitão.

No período da tarde, o inglês acabou roubando a cena, de acordo com a maioria dos estudantes ouvidos pelo blog. Ele fez uma palestra motivadora, inspirando os jovens talentos. Há 18 anos radicado no Brasil, o inglês Tim Vickery faz cobertura do futebol sul-americano para a BBC e para a revista World Soccer desde 1997. Seus outros clientes incluem SBS (Austrália) e ESPN (Estados Unidos). Entre 1998 e 2001 foi colunista do Jornal dos Sports, do Rio de Janeiro. É presença freqüente no programa Redação SporTV, e faz participações eventuais na TV Brasil e TV Esporte Interativo.

Fonte: Blog do Jamildo

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL