Pesquisa mostra economia para consumidor que busca supermercado mais barato

O consumidor da cidade de São Paulo pode economizar, em um ano, R$ 1.706,20 se optar por comprar no supermercado mais barato. Essa é uma das conclusões de pesquisa feita pela Associação de Consumidores ProTeste em supermercados de 20 cidades de 14 estados. A pesquisa forma o Guia de Preços de Supermercados, elaborado pela ProTeste pelo oitavo ano consecutivo.

São Paulo foi a cidade onde a associação encontrou a maior diferença entre o supermercado mais barato e o mais caro. A cidade onde a diferença ficou menor foi Niterói (R$ 153,56), no Rio de Janeiro (confira a pesquisa abaixo).

Esse levantamento de preços foi feito com base em uma cesta composta por 104 produtos com marcas líderes de venda, encontrados nas categorias mercearia, higiene e limpeza, perecíveis, hortifruti, entre outras. A ProTeste também pesquisou cesta com 90 produtos, com as marcas mais baratas encontradas no estabelecimento. Nesse caso, foram excluídos carne, frutas, verduras e legumes.

No caso da segunda cesta, a maior diferença de preços foi encontrada em Salvador, com economia anual que pode chegar a R$ R$ 1.684,34. A menor diferença foi em Niterói (R$ R$ 222,46).

A pesquisa da ProTeste foi feita com ajuda de empresas juniores. O levantamento atingiu 1.196 pontos de venda, distribuídos entre hipermercados, supermercados, hard discount, lojas de conveniência e mercados virtuais, totalizando cerca de 230 mil preços recolhidos e analisados. Segundo a associação, os pesquisadores agiram como consumidores comuns à procura dos menores preços.

A ProTeste explicou que a escolha dos locais de abrangência da pesquisa respondem por 90% do faturamento de supermercados de todo o país, segundo dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). “E, em virtude de possíveis deslocamentos do consumidor em busca de melhores preços, em alguns estados também pesquisamos, além das capitais, outras cidades em destaque. Foi o caso de Pernambuco, onde visitamos Olinda e Jaboatão dos Guararapes”, informou.

A escolha dos estabelecimentos visitados foi feita com base em dados do ranking de faturamento do setor de autosserviço disponibilizado pela Abras em 2012. Segundo a ProTeste, nesse ranking estão as 500 maiores empresas do segmento que respondem atualmente por 75% do volume de vendas. “E por alguns mercados com forte presença nas regiões localizadas, retratados pela nossa equipe de pesquisadores, independentemente do seu faturamento anual”, acrescentou.

Pesquisa feita com base em cesta de 104 produtos de marcas líderes de venda*

Estado Cidade Supermercado mais barato Supermercado mais caro Economia Anual
BA Salvador Atakarejo – Av. Tiradentes, 88 Hiperideal – R. Marq. de Caravelas, 171 R$ 902,28
CE Fortaleza Atacadão – Av. Sen. Carlos Jereissati, 3.001 Pão de Açúcar – Av. Washington Soares, 4.040 R$ 737,00
MA São Luis Atacadão – Av. Jerônimo de Albuquerque, 160 Silmar – R. 205, 15 R$ 704,24
PB João Pessoa Atacadão – Rod. BR-230 Pão de Açúcar – Av. Gov. Flávio Ribeiro Coutinho, 600 R$ 883,49
PE Jaboatão dos Guararapes Arco-Íris – Av. Barreto de Menezes, 497 Bompreço – Av. Pres. Castelo Branco, 5.555 R$ 422,42
Olinda Atacadão – Av. Pan Nordestina, 778 Arco-íris – Est. do Caenga, 120 R$ 557,20
Recife Makro – Av. Recife, 5.005 Extrabom Supermercados – Av. Caxangá, 1.845 R$ 664,91
RN Natal Atacadão – Av. Dr. João de Medeiros Filho, 778 Rede Mais – Av. Coronel Estevam, 1.258 R$ 1.092,01
GO Goiania Makro – Av. Perimetral Norte, 3.231 Pão de Açúcar – Av. República do Líbano, s/n – QD 56 R$ 833,64
ES Vila Velha Atacadão – Rod. Darly Santos, 4.393 – Parte E Multimarket – Trav. Jerônimo Monteiro, 4.986 R$ 639,97
Vitória Makro – Rod. BR-101 Extrabom – R. Pe. Antônio Ribeiro Pinto, 142 R$ 677,02
MG Belo Horizonte Makro – Rod. BR-262 Paranaíba – R. Min. Oliveira Salazar, 851 R$ 965,89
RJ Niterói Império da Banha – R. Dr. Mário Viana, 663 Multimarket – R. Gavião Peixoto, 34 R$ 153,56
Rio de Janeiro Atacadão – Av. Brasil, 22.956 Rede Economia – Av. Gomes Freire, 764 R$ 1.272,64
São Paulo Campinas Atacadão – Rod. D. Pedro I – 900, km 139 Galassi – R. Antônio Villela Jr., 33 R$ 1.210,27
Guarulhos Atacadão – Av. Otávio Braga de Mesquita, 3.116 Lopes – Av. Brig. Faria Lima, 3.001 R$ 740,00
São Paulo Atacadão – Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 11.980 Vip – R. Monte Serrat, 1.520 R$ 1.706,20
PR Curitiba Condor – R. Nilo Peçanha, 1.000 Telemaco Borba – R. Carlos Dietzsch, 1.006 R$ 705,20
RS Porto Alegre Nacional – Av. Protásio Alves, 940 Centro Util – R. dos Andradas, 1.519 R$ 514,70
SC Florianópolis Makro – Av. Juscelino Kubitschek de Oliveira, 469 Fênix – Av. Luiz Boiteux Piazza, 3.467 R$ 1.075,22

* Produtos das categorias mercearia, higiene e limpeza, perecíveis, hortifruti, entre outros

Fonte: Agência Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Comissão debate medidas de socorro ao setor de transporte coletivo

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados promove audiência pública na quinta-feira (30) para debater medidas de socorro ao setor de transporte coletivo urbano. A discussão foi sugerida pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO). Ele cita dados do Ministério da Economia segundo os quais o setor foi um dos cinco segmentos com maior prejuízo durante a crise sanitária de Covid-19. As operadoras de ônibus nas grandes e médias cidades do País amargaram prejuízo acumulado de R$ 16,7 bilhões entre março de 2020 e junho de 2021, agravando a crise já enfrentada pelo setor antes mesmo da pandemia, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). “Ao final de 2020, o Congresso Nacional aprovou o PL 3364/20, que previa um aporte de R$ 4 bilhões, destinado aos municípios que cumprissem determinadas contrapartidas, e que deveriam ser repassados às empresas de transporte público urbano. Contudo, a proposição foi vetada integralmente pelo presidente da República. Até o presente momento, o problema se arrasta, sem solução”, lembra Elias Vaz. ConvidadosForam convidados para a audiência: – o coordenador de Mobilidade Urbana do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Rafael Calabria; – o diretor conselheiro fiscal do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi), Diógenes Sandim Martins; – o diretor administrativo e institucional da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Marcos Bicalho dos Santos; – um representante da Secretaria Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano; e –  um representante da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Fonte: Agência Câmara de Notícias

Clipping
Covid-19: Brejinho suspende aulas presenciais da Educação Infantil

A Prefeitura de Brejinho divulgou comunicado nas redes sociais no início da tarde desta segunda-feira (27), informando que as aulas presenciais da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino foram suspensas. O comunicado destaca que a decisão foi tomada pela Secretaria Municipal de Educação em comum acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. De acordo com o comunicado, o período de suspensão será de quinze dias, retornando as aulas presenciais no dia 11 de julho. Ainda segundo o comunicado, a decisão considera o aumento progressivo do número de casos de Covid-19 no município.  “A decisão foi tomada pensando na proteção de nossas crianças que ainda não foram vacinadas”, destaca o comunicado. Fonte: Nlll Junior

Clipping
Ministério quer ampliar atendimento psicossocial de crianças e jovens

O Ministério da Saúde instituiu a política temporária de incentivo financeiro federal para estados e municípios que queiram ampliar o atendimento local a crianças e adolescentes diagnosticados com ansiedade ou depressão. A ajuda financeira federal para que prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal ampliem e capacitem os serviços que oferecem à população nos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) está detalhada na portaria ministerial nº 1.836, assinada pelo ministro Marcelo Queiroga, e publicada no Diário Oficial da União de hoje (27). Em um relatório publicado em 2021, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Instituto Gallup apontam que, no mundo, uma em cada sete crianças e jovens de 10 a 19 anos de idade sofre com algum tipo de transtorno mental. No mesmo ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria alertou médicos e a sociedade em geral para o fato de que os transtornos psicossociais entre adolescentes, que já vinha merecendo atenção crescente, tornou-se central após o início da pandemia da covid-19. Segundo a entidade médica, as alterações na rotina causadas pela crise sanitária podem provocar mudanças comportamentais como agressividade, falta de concentração, uso abusivo de tecnologia digital e/ou de drogas lícitas e ilícitas. Aporte financeiro O texto da portaria ministerial publicado hoje destaca que os incentivos financeiros federais visam a custear a ampliação do acesso do público infantojuvenil à rede pública de cuidado dos transtornos de humor “para o enfrentamento dos impactos advindos da pandemia da covid-19”.  Para isso, os recursos financeiros disponibilizados por meio da iniciativa deverão ser investidos na implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental; aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares e na informatização dos Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis. O aporte financeiro federal de custeio à implantação de equipe(s) multiprofissional(is) de atenção especializada em saúde mental deverá viabilizar as atividades relacionadas à assistência ambulatorial. Já o auxílio à compra de equipamentos e à ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares busca fomentar a ampliação de estruturas e a aquisição de equipamentos de informática, móveis para consultório e equipamentos médicos. O incentivo à informatização permitirá a compra de materiais e equipamentos de informática para os Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) como forma de viabilizar a migração do registro e envio de produção assistencial para o sistema Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC e-SUS APS). Cada CAPSi habilitado fará jus a R$ 9 mil. Para solicitar os incentivos financeiros, prefeituras e governos estaduais e do Distrito Federal deverão dispor de espaço físico (ambulatórios, policlínicas ou unidades hospitalares) apto a permitir o trabalho de uma equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental, com, no mínimo, duas salas dedicadas aos cuidados à ansiedade e depressão em crianças e adolescentes. Para a ampliação da assistência comunitária a crianças e adolescentes por meio da habilitação de equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental dos tipos 1, 2 ou 3, serão destinados R$ 25,6 mil. Para a habilitação de equipes tipo 2 e/ou 3, R$ 50 mil. Já para a aquisição de equipamentos e ampliação de unidades ambulatoriais ou hospitalares, o incentivo financeiro corresponde a R$ 23 mil para equipes tipo 1, 2 ou 3; e R$ 35 …