Após sete meses parado, barco Sinuelo zarpa hoje de Brasília Teimosa

imagesQuatro dias após o 59º ataque de tubarão na costa pernambucana que resultou na morte da 24ª vítima, a paulista Bruna Gobbi, 18, o barco Sinuelo volta a zarpar hoje de Brasília Teimosa para capturar os tubarões próximos às praias e levá-los para alto-mar. A embarcação estava sem fazer o trabalho de monitoramento há sete meses, por falta de repasse de recursos do governo do estado para o Instituto Oceanário, o que foi resolvido esta semana. As opiniões sobre o uso da embarcação como solução para reduzir a ocorrência de incidentes, no entanto, são divergentes. Enquanto o Comitê de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit) defende o método como o mais eficiente e ético do ponto de vista ecológico, alguns especialistas não concordam e acham que seriam necessárias outras ações.

A presidente do Cemit, Rosângela Lessa, no entanto, diz que esse monitoramento da costa é indispensável. “É o método que vem dando resultados”, pontua. Já o professor da UFRPE e vice-presidente do Comitê de Pesca da FAO/ONU, Fábio Hazin, afirma que o trabalho realizado pelo Sinuelo diminui em 90% a incidência de ataques nas praias.“Estamos falando de um sistema mais eficiente que os usados em países como Austrália e África do Sul. É o melhor método que conheço”, disse. O pesquisador alega que ao capturar, identificar e devolver os tubarões para o alto-mar, não existe a necessidade de exterminá-los, como alguns grupos defendem.

O professor do departamento de oceanografia da UFRPE Mauro Maida alerta que apenas ações pontuais não resolvem a incidência dos ataques. “Ações a médio e longo prazos deveriam ser implantadas para a recuperação dos ecossistemas costeiros do estado. Possivelmente uma das principais causas que fazem os tubarões chegarem até o raso em busca de alimento é a escassez de alimentos nos ambientes mais costeiros”, ressaltou.

O engenheiro de pesca Bruno Pantoja, coordenador do Propesca, grupo que já fez operações de captura de tubarões e morte dos animais, afirma que o trabalho do Sinuelo é insuficiente. “Acreditar que um barco-escola vai resolver o problema chega a ser engraçado. Trata-se de uma embarcação construída artesanalmente, de madeira, para proteger 30 quilômetros de costa”, criticou. Segundo Pantoja, uma barreira física deveria ser instalada no litoral pernambucano para impedir a passagem dos animais. “Seria uma tela a 250 metros da costa para devolver a praia às pessoas”, explicou.

Convênio
O repasse do estado para volta do monitoramento é de R$1,7 milhão para um prazo de 10 meses.  O secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, confirmou que o recurso para o funcionamento da embarcação estava garantido desde dezembro, mas burocracias atrasaram o processo. Segundo ele, a pedido da PGE, deve ser realizado um concurso público, já neste segundo semestre, para definir a empresa que assumirá os trabalhos no próximo ano.

entrevista >> Mauro Maida, professor da UFPE

“Falta alimento para eles”

Os problemas de ataque de tubarões no Recife estão associados a um processo de degradação dos ambientes marinhos no estado. É o que defende o professor do departamento de oceanografia da UFPE Mauro Maida. Para o  doutor em ecologia marinha na Austrália, o deterioramento do ecossistema marinho foi causado pela sobrepesca excessiva, má qualidade da água do mar e degradação dos recifes de corais e manguezais. (Anamaria Nascimento)

O que pode ser feito para diminuir o número de incidentes com tubarões no estado?
Além das ações pontuais que já existem, outras mais contínuas deveriam ser implantadas para a recuperação dos ecossistemas da costa pernambucana. Acredito que uma das principais causas que fazem os tubarões chegarem até a praia, no raso, é a escassez de alimentos nos ambientes mais costeiros. É difícil de imaginar que um tubarão de barriga cheia se daria ao trabalho de atacar banhistas em águas rasas. Um exemplo disso é a ausência de ataques em Fernando de Noronha, onde há abundância de alimentos.

Há algum projeto nesse sentido sendo desenvolvido?
Experimentos de estabelecimento de áreas marinhas protegidas, realizados pela Universidade Federal de Pernambuco e pelo CEPENE (Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Nordeste), em Tamandaré, tem alcançado resultados muito expressivos em relação à recuperação da saúde ambiental dos recifes de coral. Foi verificado um aumento da abundância e tamanho de peixes e invertebrtados (lagosta, polvos) bem como o aumento da cobertura viva de corais. Esses resultados incentivaram a UFPE a apresentar um projeto de compensação ambiental para a criação em grande escala de uma rede de áreas marinhas protegidas no estado.

Quais seriam os resultados?
A médio prazo, a implantação dessas áreas aumentaria o potencial pesqueiro das nossas áreas marinhas e promoveriam a recuperação ambiental de várias áreas. Isso minimizaria os problemas com ataques de tubarão provendo alimento natural. Esse projeto foi apresentado em 2007. Até hoje, o governo do estado não demonstrou interesse em sua implantação com os recursos da compensaçao ambiental da Refinaria Abreu e Lima.

saibamais

O Sinuelo tem:

12 metros
de comprimento

7 tripulantes
podem viajar na
embarcação

8 nós
(20 km/h) é a
velocidade máxima

O que faz a embarcação:

Realiza, desde 2004, o
monitoramento de tubarões
na costa do Grande Recife

Na pesquisa são capturados tubarões, que são marcados
e levados para longe da costa

Uma linha forte e comprida, chamada de espinhel, é colocada a cerca de três quilômetros de distância das praias

Presa à linha principal,
estão outras 200 secundárias com anzóis circulares, que se prendem no maxilar do tubarão, que continua vivo

Todas as manhãs, a tripulação recolhe a linha, verificando se algum tubarão foi capturado e à tarde a lança novamente ao mar

No animal é colocado um
dispositivo para rastreiar sua trajetória no oceano. Após as análises, o tubarão é solto

O barco zarpa às quintas
e sextas-feiras

Retorna ao Iate de Brasília Teimosa após cerca de cinco dias de trabalho

30km
serão cobertos pelo espinhel durante o
monitoramento

90%
é a queda média no número de incidentes depois que o barco vai
a campo

R$ 179 mil
é o custo mensal da operação

Ataques em Pernambuco

59  vítimas
desde o início
da contagem, em 1992

24
mortes

35
feridos

Fonte: Diario de PE

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Restrições para servidores públicos e pré-candidatos às eleições de outubro passam a valer a partir de hoje (2), três meses antes do primeiro turno.  As medidas estão previstas na Lei nº 9.504/1997, conhecida como Lei das Eleições, e objetivam manter o equilíbrio entre os candidatos.  Políticos estão proibidos de autorizar a veiculação de publicidade estatal sobre os atos de governo, realização de obras, campanhas de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, exceto no caso de grave e urgente necessidade pública. Nesse caso, a veiculação deverá ser autorizada pela Justiça Eleitoral.  Eles também não podem fazer pronunciamento oficial em cadeia de rádio de televisão, salvo em casos de questões urgentes e relevantes, cuja autorização também dependerá de autorização da Justiça Eleitoral.   A participação em inaugurações de obras públicas também está vedada, além da contratação de shows artísticos com dinheiro público.  Durante o período eleitoral, funcionários públicos não podem ser contratados, demitidos ou transferidos até a posse dos eleitos.  No entanto, estão liberadas a exoneração e a nomeação de cargos em comissão e funções de confiança, além das nomeações de aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2022.  Em julho, o calendário eleitoral também prevê outras datas importantes para o pleito.  De 20 de julho até 5 de agosto, os partidos deverão realizar suas convenções para escolher oficialmente os candidatos que vão disputar as eleições.  A partir do dia 20, candidatos, partidos políticos, coligações e federações terão direito à solicitação de direito de resposta por afirmações consideradas caluniosas, difamatórias ou sabidamente inverídicas que forem publicadas por veículos de comunicação social.  O primeiro turno será realizado no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno  para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro.  Fonte EBC

Clipping
Brasil ganha 4,3 milhões de eleitores desde 2020

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registra, hoje, 152 milhões de brasileiros aptos a votar. O número é 2,9% maior do que a quantidade de eleitores em 2020, quando 147 milhões de pessoas podiam ir às urnas. Esse também é o patamar mais alto desde 2008, ano do primeiro registro histórico listado nas estatísticas do TSE. Nesses últimos 14 anos, o número máximo de eleitores havia sido alcançado em 2019 — 147,8 milhões. A evolução do número de aptos ao voto só registrou queda em 2020, quando houve redução de quase 2 milhões de votantes em relação ao ano anterior. A maior parte da população habilitada ao pleito de outubro tem entre 45 a 59 anos, é mulher e possui ensino médio completo. Ao todo, 53% da população que deve ir às urnas em outubro é do gênero feminino, 26,72% tem grau de instrução até o ensino médio e 22,87% têm ensino fundamental incompleto. Entre jovens de 16 e 17 anos, público-alvo de campanhas de incentivo ao título de eleitor neste ano, são mais de 2,5 milhões de aptos. Os dados contribuem para entender como será definida a eleição marcada para exatos 93 dias. Confira datas importantes do calendário eleitoral: Confira datas importantes do calendário eleitoral:

Clipping
Redução dos impostos começa a baixar o preço da gasolina em postos

A redução de impostos continua provocando baixa no preço dos combustíveis e chegou a R$ 6,43 em alguns revendedores de Brasília. Esse era o valor cobrado pelo litro da gasolina em um posto ao lado do Palácio do Buriti. Segundo o presidente do Sindicombustíveis-DF, Paulo Tavares, a queda se deve à zeragem do PIS/Cofins, que são tributos federais, e à redução do ICMS, um imposto estadual. Ele observou que a Lei Complementar 192/2022 determinou o cálculo do ICMS com base na média dos últimos 60 meses. A lei definiu, ainda, que o ICMS incidirá uma única vez sobre os combustíveis, com alíquota única em âmbito nacional. A medida foi contestada pelos estados no Supremo Tribunal Federal (STF). Em 17 de junho, o ministro André Mendonça reafirmou a validade da lei, que entrou em vigor ontem. Os governadores, porém, recorreram.O presidente do Sindicombustíveis-DF, lembrou que, no caso dos impostos federais, a redução vale apenas até 31 de dezembro. Em janeiro do ano que vem, volta para o preço”, disse. “Temos também a queda devido ao ICMS, ou seja, o governo passou a arrecadar menos R$ 0,50 por litro de gasolina a partir de hoje.” Tavares explicou que, até o momento, o impacto da queda das alíquotas de impostos gira em torno de R$ 1. “A queda vai depender da distribuidora repassar tudo aos revendedores, e dos estoques”, afirmou. “Agora, se vai permanecer caindo ou não, depende do STF.” De acordo com o presidente do Sindicombustíveis-DF, se o STF julgar que a Lei Complementar é inconstitucional, porque obriga os governadores a terem uma alíquota de ICMS única, não haverá novas quedas de preço. “Mas se ele disser que é constitucional, os preços vão cair mais uns R$ 0,40, ou seja, a gasolina poderá ficar entre R$ 5,99 e R$ 6,50, dependendo do revendedor.” Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a nível nacional, o preço do litro da gasolina caiu do recorde histórico de R$ 7,390, na semana passada, para R$ 7,127. O preço médio em São Paulo passou de R$ 6,974 para R$ 6,697 nas duas últimas semanas. Em Goiás, também houve redução da gasolina: de R$ 7,478 para R$ 7,078. Fonte: DP