As bodas de ouro de uma paixão nacional

Glória Menezes e Tarcísio Meira em '2-5499 Ocupado', a primeira novela diária da TV brasileira - Acervo Pró-TV - Museu da Televisão Brasileira/ Div2-5499 Ocupado, novela que estreou há exatos 50 anos, poderia ter se perdido no tempo. Mas a trama, do argentino Alberto Migré e adaptada para a TV Excelsior por Dulce Santucci, marcou por ser a primeira com exibição diária no Brasil, sedimentando um hábito que dura até hoje.

A obra, também a primeira a reunir o casal-símbolo Tarcísio Meira e Glória Menezes, era inicialmente exibida três vezes por semana. Pouco mais de um mês após a estreia, a TV Excelsior decidiu colocá-la no ar de segunda a sexta.

A atriz Lolita Rodrigues, que participou de 2-5499 Ocupado (título que aludia a um dos números de telefone da emissora) e fazia a antagonista de Glória, lembra que poucos no meio acreditavam que uma novela diária pudesse dar certo. Isso devido a questões de logística e à precariedade de estúdios. “Fazíamos a novela no Teatro Cultura Artística (alugado pela Excelsior para gravações). A gente esperava a TV fazer os programas e gravávamos a noite inteira, até de manhã. Tínhamos de esperar a montagem e desmontagem de cenários. Era muito desgastante.” Lolita conta que o clima das gravações era bom e que, a partir dali, passou a ser reconhecida nas ruas.

Na visão da atriz, o brasileiro comprou imediatamente a ideia de uma novela diária. O doutor em teledramaturgia pela USP Mauro Alencar concorda e ressalta que, apesar de ter apenas 42 capítulos, 2-5499 Ocupado conseguiu consolidar elementos do formato que ainda persistem. “Além do par romântico, estabeleceu a estrutura narrativa dos ‘ganchos’ no final de cada capítulo, como já se fazia em Cuba e na Argentina.”

Os folhetins diários se transformaram ao longo das décadas. As produções ficaram mais caras, com o aumento do número de personagens, locações e a sofisticação do aparato cenográfico. Na opinião do autor da Rede Globo Manoel Carlos, as mudanças de conteúdo foram pontuais, mas houve avanços tecnológicos. “O arsenal de recursos que temos à disposição para criar e executar programas de ficção e jornalismo nos permite dar asas à imaginação de maneira quase ilimitada”, afirma.

Os romances açucarados ainda existem, mas passaram a dividir espaço com críticas políticas e temáticas sociais. Segundo Alencar, esse é um aspecto que diferencia a trajetória da telenovela brasileira das demais na América Latina. “A censura na TV foi muito mais branda aqui. Na Argentina, Colômbia e Chile, a censura invadiu as emissoras e calou a voz dos autores. Já no Brasil, a TV abarcou dramaturgos que não podiam falar no teatro”, explica. Nem por isso ficaram livres de cortes. Roque Santeiro, de Dias Gomes, que seria exibida em 1975, foi suspensa depois que 30 capítulos já estavam prontos.

Próximos desafios. Para Lauro César Muniz, outro autor cuja obra é marcada pela abordagem de temas políticos, as produções atuais perderam a contundência. “Pensaram que era preciso fazer trabalhos de gosto mais popular. Ultrapassamos o limite das concessões. A novela chegou a um nível baixíssimo, com abuso de clichês e maniqueísmos”, critica. Outra reivindicação de Muniz, hoje na Rede Record, é que se encurte o tamanho das tramas, que chegam a ultrapassar 200 capítulos. “Seriam necessários menos colaboradores e o estilo do autor apareceria mais. A busca de originalidade não existe mais, tornou-se um processo industrial”, defende.

As séries americanas e a internet, vistos como concorrentes na disputa pela audiência, podem ajudar na manutenção do sucesso do formato. “A novela também tem a característica de absorver outros gêneros. Nos anos 1960, se falava que a novela deveria assimilar a linguagem do cinema e do teatro. Agora, fala-se nas séries e na internet. A narrativa é mais acelerada, com conflitos que se resolvem em poucos capítulos, influenciada pelos produtos norte-americanos”, explica Alencar.

Enquanto isso, as emissoras apostam em novas abordagens para a manutenção do formato. Avenida Brasil, sucesso de audiência de João Emanuel Carneiro em 2012, bateu novo recorde quase dez meses depois de seu capítulo final. Com direitos de exibição adquiridos em 106 países, já é a obra da Globo mais licenciada no exterior.

Fonte: Estadão

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Doação de leite humano só atende metade da demanda no Brasil

Com mais de 225 bancos de leite e 217 pontos de coleta espalhados por todo o país, o Brasil é referência internacional em doação de leite humano, utilizado principalmente para alimentar bebês prematuros e de baixo peso internados em leitos neonatais. Apesar da complexa rede instalada, os volumes doados só atendem cerca de 55% de toda a demanda, ou seja, pouco mais da metade da necessidade real. Para ampliar os estoques, o Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (17) mais uma edição da Campanha Nacional de Doação de Leite Humano.  De janeiro a dezembro de 2021, foram distribuídos 168 mil litros de leite para 237 mil recém-nascidos, um aumento de 7% em relação ao ano anterior. No entanto, cerca de 340 mil bebês prematuros ou de baixo peso nascem todos os anos no país, o que corresponde a 12% do total de nascidos vivos. Por isso, os estoques dependem de mais doação.  Este ano, a meta da campanha é ampliar em 5% a oferta de leite materno a recém-nascidos internados nas unidades neonatais do país. O tema deste ano é “Doe Leite materno e receba a gratidão de uma vida”. A partir desta quinta-feira (19), quando se celebra o Dia Nacional de Doação de Leite Humano, a campanha iniciará a veiculação de propagandas nos meios de comunicação para sensibilizar possíveis doadoras. “Os bebês amamentados com leite humano têm mais chances de recuperação, de altas mais precoces. E isso representa uma economia para o Sistema Único de Saúde (SUS), menos uso de antibióticos”, destacou a coordenadora da Saúde da Criança do Ministério da Saúde, Janini Ginani. Segundo a pasta, cerca de 200 mililitros de leite podem alimentar até dez recém-nascidos. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostram que cerca de 6 milhões de vidas são salvas por ano com a ampliação das taxas de amamentação até o sexto mês de vida. Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno, basta estar saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação.  No Brasil, a proporção nas doações de leite é de uma mulher doadora para cada 12 mulheres assistidas. Nos últimos 22 anos, mais de 3,2 milhões de bebês receberam leite materno doado no país.  Fonte: EBC

Clipping
Começa a obra de recapeamento asfáltico das principais ruas de Solidão

Ais um benefício chega para o povo solidanense, as obras de asfaltamento da rua principal de Solidão, Sertão de Pernambuco, começam nesta manhã de terça-feira (17 de maio de 2022). O asfalto tem início no portão da cidade e irá até a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, a tão sonhada pavimentação asfáltica da cidade de Solidão. A fase de aplicação da pavimentação já começou e, logo, estará concluída. Mais um benefício chegando ao povo solidanense. O Prefeito Djalma Alves (PSB), afirma que está é uma satisfação muito grande de iniciar essa obra tão esperada para a nossa população. “Para melhorar o aspecto da nossa cidade, melhorar o turismo religioso, isso é muito importante para o nosso município, uma obra que há muito tempo a gente vinha procurando desenrolar, e graças a Deus a gente conseguiu com uma parceria do Deputado Federal Gonzaga Patriota e também do Deputado Carlos Veras”, afirmou o prefeito. O Deputado Federal Gonzaga Patriota destinou emenda no valor de R$ 481.104,00 para Capeamento Asfáltico. Já com o Deputado Federal Carlos Veras o gestor conquistou emenda no valor de R$ 335.755,00 para Capeamento Asfáltico. O restante do cumprimento para a obra será com recursos do tesouro Municipal. Fonte: https://www.s1noticias.com/comeca-a-obra-de-recapeamento-asfaltico-das-principais-ruas-de-solidao/#ixzz7Ta5LRDU5

Clipping
Xangai atinge status de “zero covid”, mas lockdown continua

Xangai atingiu hoje (17) seu tão esperado marco de três dias consecutivos sem novos casos de covid-19 fora das zonas de quarentena, mas a maioria dos moradores terá que aguentar o confinamento por mais algum tempo antes de retomar uma vida mais normal. Para outras cidades da China que estão sob lockdown, três dias sem novos casos na comunidade geralmente significam status “zero covid” e o início da suspensão das restrições. O centro comercial da cidade de 25 milhões de habitantes estabeleceu na segunda-feira seu cronograma mais claro para sair de um lockdown agora em sua sétima semana, mas o plano foi recebido com ceticismo por muitos moradores irritados com o isolamento repetidamente prorrogado. “A normalidade está muito longe”, disse um morador de Xangai ainda retido em casa. Restrições Xangai planeja retomar as atividades ao ar livre em etapas, com algumas lojas reabrindo nesta semana, mas com a maioria das restrições de movimento permanecendo em vigor até 21 de maio, data após a qual o transporte público e outros serviços serão retomados gradualmente. Até junho, o lockdown deve ser suspenso, mas os moradores ainda serão solicitados a fazer testes com frequência. Mais pessoas foram autorizadas a sair de suas casas esta semana, porém, cercas altas permaneciam em torno de muitos conjuntos residenciais e quase não havia carros particulares nas ruas, com a maioria das pessoas ainda confinadas em suas casas. No geral, Xangai registrou menos de mil novos casos ontem (16), todos em áreas sob controle mais rigoroso. Fonte: AB