Brasil deve adotar posição liberal em direitos autorais, diz diretor de laboratório do MIT

O pesquisador Joichiro "Joi" Ito, do MIT (Massachusetts Institute of Technology)Para se tornar um dos líderes globais em inovação, o Brasil precisa de menos burocracia e de mais investimento em um modelo de educação não formal, voltada para a criatividade e para o empreendedorismo –o tipo que gera start-ups como o Facebook, o Google e o Twitter.

Essa é a visão do japonês Joichiro “Joi” Ito, 46, diretor do influente laboratório digital do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, na sigla em inglês), que dá palestra hoje no Rio de Janeiro (na Fundação Getúlio Vargas) e amanhã em São Paulo, durante o evento “Challenge of Innovation”.

Reconhecido como um dos principais pensadores sobre inovação, políticas digitais e o papel da internet na transformação da sociedade, Ito é um autodidata que nunca completou uma graduação.

Investidor de primeira hora em start-ups como o Twitter, presidiu o Creative Commons e é membro do conselho da Fundação Mozilla.

Em entrevista à Folha por telefone, Ito disse que o Brasil deveria se valer de uma posição “liberal” em relação aos direitos autorais para criar novos modelos de negócios e conteúdos -como aconteceu com o tecnobrega paraense. “Isso deve ser tratado como uma questão de competitividade do país.”

*

Folha – O sr. defende que a internet reduziu o custo da inovação. Isso também é verdade em países como o Brasil?

Joichiro Ito – Com certeza. É um impacto diferente do que aconteceu nos EUA, mas há uma tremenda oportunidade. A internet está conectando a produção às redes de distribuição, permitindo que as pessoas se conectem sem passar por governos ou grandes companhias.

Como o custo da computação está caindo, isso reduz o custo da distribuição, da colaboração e da inovação. Com isso, a inovação sai dos grandes centros de pesquisa rumo às start-ups e empresas do gênero. O Facebook, o Google, o Yahoo!, todos começaram com pouquíssimo dinheiro, sem pedir permissão. Eram trabalhos de um bando de estudantes.

Quais os desafios do Brasil em termos de inovação?

O Brasil tem uma mistura interessante. No caso do Creative Commons, por exemplo, foi um país-chave, o terceiro a adotar a licença. Vocês têm algumas estrelas como o Gilberto Gil pressionando o país à frente. Há muitos países que estão no mapa por causa de poucas empresas, como a Finlândia com a Nokia e o Linux.

Não é preciso que toda a sociedade mude de uma vez, o que é preciso é que algumas poucas pessoas tenham os meios para começar a mudança.

O Brasil tem gente com criatividade, vontade e energia suficiente. As dificuldades são que o sistema educacional precisa se tornar mais flexível e o empreendedorismo precisa ser incentivado. O custo e o tempo para abrir uma empresa no Brasil são muito altos.

Como o sr. vê o Marco Civil da Internet, o projeto brasileiro de regulação da rede?

Pelo que eu soube, as empresas de telecomunicação são contra, mas muita gente, incluindo as principais emissoras, estão a favor da neutralidade da rede. Na questão dos direitos autorais, o debate oscila em todos os países, de acordo com o pêndulo político.

Acho que o Brasil deveria se aproveitar de uma postura liberal em termos de copyright para inovar e tentar usar isso como uma vantagem competitiva, com modelos de negócios que não seriam possíveis em países desenvolvidos por causa do sistema de copyright.

Como o sr. vê a relação entre educação e desenvolvimento?

Não quero diminuir a importância de construir escolas e universidades, para certos tipos de emprego é importante, mas você pode fazer muito sem essas instituições, criando “hackerspaces” e “makerspaces”, criando uma cultura de inovação. A maior parte das pessoas que estão em start-ups de tecnologia não tem um diploma formal.

Como o sr. vê o estágio atual da privacidade e da segurança na internet?

A segurança é um problema, mas usá-la como desculpa para reduzir as liberdades é uma má ideia. As tecnologias de segurança vão melhorar eventualmente. Já a privacidade é um problema como a poluição: chegou a um ponto muito ruim, em que não é mais possível desfazer algumas das ações feitas. Vai piorar antes de melhorar e, até que sintamos dor de verdade, não vai mudar.

Pessoas vão ter suas identidades roubadas, vão se machucar, vão morrer, mas, uma vez que comecemos a sentir essa dor, a sociedade vai passar a se preocupar com a privacidade, e aí vai haver uma necessidade comercial de lidar com isso.

Fonte: Folha de S.Paulo

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL