Câmara deve votar projeto que pode gerar 400 novos municípios

A Câmara poderá votar nesta terça (4) um projeto de lei capaz de motivar a criação de 400 novos municípios. No último dia 7 de maio, os deputados aprovaram a tramitação em caráter de urgência do projeto, engavetado desde 2008. Mas nas últimas semanas, a votação foi sucessivamente adiada porque a Câmara se dedicou a medidas provisórias que estavam prestes a vencer. Agora, o projeto deverá entrar na pauta desta semana.

O número de 400 possíveis novos municípios é resultado de levantamento  efetuado em maio pelo G1 nas 26 assembleias legislativas. Segundo informações das assessorias, há pelo menos 397 pedidos de criação de novos municípios nas assembleias. O dado mais recente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), apurado em 2011, apontava 807 iniciativas de criação de novos municípios no país.

Os distritos que desejam se emancipar dependem da aprovação do projeto porque uma emenda constitucional aprovada em 1996 proibiu a criação de novos municípios por leis estaduais e definiu que isso só pode ser feito por meio de autorização em lei complementar federal, até hoje não aprovada.

O projeto que recebeu o carimbo de urgência no último dia 7 na Câmara estabelece as regras de incorporação, fusão, criação e desmembramento de municípios. É de autoria do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) e tem “apensadas” (anexadas) outras 15 propostas sobre o mesmo assunto. A urgência permite uma tramitação mais rápida, sem que a proposta tenha de passar pelas comissões da Casa.

O projeto foi apresentado pelo senador em 2002 e aprovado pelo Senado em 2008, quando foi enviado à Câmara. Se aprovado pelos deputados, seguirá para sanção ou veto da presidente Dilma Rousseff.

No último dia 7, a urgência foi aprovada por 399 votos a 19 diante da presença nas galerias de manifestantes favoráveis às emancipações de distritos.

“A Câmara tem que votar essa lei, porque está devendo isso desde 1996. Essa lei é necessária para se fazer a emancipação de vários distritos”, disse ao G1 o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski.

Apesar de defender a iniciativa, o dirigente da entidade critica parte do texto que ganhou caráter de urgência.

Pela proposta de Mozarildo Cavalcanti, novos municípios poderão ser criados somente após a realização de um plebiscito. Além disso, o projeto exige que a proposta de novo município seja solicitada por requerimento assinado por pelo menos 10% dos eleitores residentes nas áreas envolvidas.

Ziulkoski observa que a proposta não define claramente os critérios para elaboração do estudo de viabilidade urbana, uma das exigências para a criação do município. “O que é estudo de viabilidade urbana? Isto não está claro na proposta”, reclamou.

Ele também se opõe às exigências de população mínima – 5 mil habitantes nas Regiões Norte e Centro-Oeste; 7 mil habitantes na Região Nordeste; 10 mil habitantes nas Regiões Sul e Sudeste.

“Vejo muita dificuldade de criação desses municípios com essas regras populacionais. Muitas vezes os municípios com menor população apresentam os melhores indicadores sociais e de escolaridade infantil”, argumentou.

Crítica
Especialista em finanças públicas, o secretário-geral da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, considera que a maioria dos municípios que poderão ser criados com base na nova lei não terá condições de sobreviver com recursos próprios.

Para ele, é provável que parcela significativa dessas localidades acabe engrossando as fileiras de cidades que dependem quase exclusivamente dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios, um conjunto de recursos obtidos com parte da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

“São municípios que não têm como sobreviver, a não ser com transferências obrigatórias. A estrutura administrativa do país já é inflada, inchada. Se fôssemos um país preocupado com a racionalidade, em vez de criar novos, deveríamos reduzir o número de municípios existentes”, criticou.

Professor de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), o americano David Fleischer considera que, se aprovada, a nova lei será “péssima” para o Brasil. “Dos mais de 5 mil municípios brasileiros, cerca de 2,5 mil não têm renda própria, não conseguem arrecadar um centavo sequer com impostos. Deveria ter uma lei no país era para obrigar a fusão de municípios totalmente sem renda”, disse.

Fleischer relata que, nos Estados Unidos, para uma localidade deixar de ser uma vila e se transformar em cidade é necessário que a população comprove que o município terá fontes de renda para se sustentar e também que possui uma população que atenda às exigências mínimas estabelecidas pela legislação americana. “Tem de se sustentar para virar cidade. Lá [nos EUA] não têm sanguessugas do tesouro estadual e federal”, explicou.

Para a cientista política Maria do Socorro de Souza Braga, da Universidade Federal de São Carlos, em geral, as pressões para criar novos municípios têm origem política. Na avaliação dela, desde que o PT passou a comandar a administração federal, em 2003, o governo passou a “privilegiar” o contato direto com os municípios, deixando os estados em segundo plano.

Estudo técnico elaborado pela liderança do PSOL na Câmara dos Deputados avalia que o projeto não traz requisitos objetivos para a divisão dos municípios. Segundo o estudo, uma empresa que estiver instalada na área do novo município poderá ser alvo de disputa entre as administrações locais.

Além disso, segundo o PSOL, a proposta não estipula critérios de participação dos novos municípios no Fundo de Participação dos Municípios. O relatório do PSOL alerta que essas eventuais emancipações podem influenciar a atual partilha dos recursos do fundo, podendo, inclusive, ter impacto nas finanças dos atuais municípios.

“Assim, não equacionadas as referidas questões, abre-se a possibilidade de ocorrer o boom de criação de novos municípios, como o que aconteceu entre 1991 e 1996. Verifica-se que apenas em 5 anos (entre 1991 e 1996), o número de municípios pulou de 4.491 para 5.507, num total de 1.016 novos municípios criados”, destacou a análise técnica do PSOL.

É SÓ PARA QUE SERVE O DINHEIRO DESTE PAÍS,”POLITICA.” ASSIM TERÁ MAIS PREFEITOS E VEREADORES… NINGUEM MERECE ESSA CAMBADA.

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
TV aberta e canais por assinatura concentram 79% do consumo de vídeo do brasileiro

Apesar do boom dos serviços de streaming nos últimos anos, o consumidor brasileiro dedica cerca de quatro vezes mais tempo à TV linear (que engloba canais tradicionais, abertos ou fechados, com programação fixa e predefinida) do que às plataformas digitais. É o que aponta o estudo Inside Video, feito pela Kantar Ibope Media e divulgado na quarta-feira. A pesquisa revelou que os brasileiros dedicam 79% do seu tempo de consumo de vídeo em casa ao modelo tradicional de exibição, contra 21% para plataformas de streaming. A medição foi feita a partir de softwares instalados nas TVs e nos roteadores de internet dos domicílios participantes. O estudo também apontou o alcance da TV linear no território brasileiro. Em termos mensais, as emissoras dessa modalidade alcançaram 93% da população. Em 2021, 205.876.165 pessoas assistiram aos canais de TV aberta e por assinatura. Se cruzados estes dados com os dados do IBGE, chega-se a 96,51% da população brasileira.  Já o tempo médio diário que se passa em frente à tela ficou em 5h37m por pessoa. É o quarto maior consumo na América Latina, atrás de Argentina (6h16m), Panamá (5h54m) e Chile (5h33m). O espectador dedica 25% do tempo voltado à televisão ao jornalismo. Depois vêm as novelas, com 18%, programas de auditório (9%) e reality shows (4%). Futuro passa pelo digital Para Marlise Viegas Brenol, associada da Associação Brasileira dos Agentes Digitais (Abradi) e doutora em Comunicação e Informação pela UFRGS, o estudo reafirma a televisão como um lugar de referência para as famílias brasileiras, ainda que o comportamento do consumidor tenha se tornado mais complexo com o avanço das plataformas digitais. Ela ressalta ainda que o futuro da TV linear passa pelo digital, por causa do novo padrão hiperconectado do consumidor: O estudo também traz dados sobre as plataformas on-line. Dos 21% do tempo a elas dedicado, 15% são do sistema AVOD (Video Advertising on Demand, de plataformas gratuitas financiadas por publicidade). Já o modelo SVOD (Video Subscription on Demand, serviço financiado por assinatura do usuário) representa 6%. Segundo a Kantar, o preço e o catálogo de novos filmes e séries são as duas principais razões que levam as pessoas a assinarem serviços de streaming. Em seguida vêm o bom funcionamento do aplicativo, catálogo de filmes e séries antigos, e a facilidade de navegação. A maior concorrência entre os serviços de streaming também fez com que as plataformas elevassem seus investimentos em publicidade em 243% entre 2019 e 2021. Mercado publicitário O elevado consumo de vídeo pelos brasileiros segue no radar do mercado publicitário. Em 2021, 63% de todo o investimento publicitário foi feito em formatos de vídeo. Os reality shows, com altos índices de audiência, se destacam. Eles têm índice de intensidade de consumo de 366, contra 276 de programas jornalísticos e de auditório. Segundo a Kantar, houve um crescimento de 20% no volume de ações de branded content nos reality shows entre 2019 e 2021. Considerando os Top 5 entre esses programas, houve salto de 128%. “O mercado de vídeo está em pleno movimento. Ao passo que temos a consolidação de novos hábitos de consumo, os produtores e distribuidores de conteúdo se expandem e se transformam”, ressaltou a CEO da Kantar Ibope …

Clipping
Comissão rejeita projeto sobre treinamento de motoristas para casos de violência dentro de ônibus

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados rejeitou o Projeto de Lei 3285/21, que exige o treinamento dos empregados no transporte coletivo para o enfrentamento de discriminação, racismo, violência doméstica ou atos libidinosos contra mulher, criança, adolescente, idoso e pessoa com deficiência. O relator do projeto, deputado Bosco Costa (PL-SE), recomendou a rejeição, embora tenha considerado a proposta meritória. “É o poder concedente que deve verificar, em cada caso, qual a necessidade de cursos de capacitação nas concessionárias, e acima de tudo deve ser examinado o interesse público”, disse. O texto rejeitado exigia a adoção de procedimentos necessários em ocorrências nos veículos. Os procedimentos ensinados pelas concessionárias do transporte público deveriam promover a segurança e a integridade física e mental dos empregados e passageiros, evitando riscos ou exposição a situações de perigo. “A manutenção da ordem e da segurança dentro dos ônibus é uma obrigação das empresas”, afirmou o autor da proposta, deputado Felipe Carreras (PSB-PE). “A população, diante de tantas ocorrências, tem cobrado ações ativas de motoristas, cobradores e fiscais, visto que são, naqueles espaços, a autoridade reconhecida.” Como foi rejeitado pela única comissão permanente designada para analisar o mérito, o PL 3285/21 deverá ser arquivado pela Câmara, a menos que haja recurso para análise do Plenário. Fonte: Agência Câmara de Notícias

Clipping
Triunfo sedia “1° Encontro de Bioeconomia do Mel de Pernambuco” a partir desta sexta-feira

O município de Triunfo sedia nesta sexta-feira, 20, e amanhã, 21, o “1° Encontro de Bioeconomia do Mel de Pernambuco”, realizado pelas universidades UFPE, UPE e UFRPE. A inciativa tem apoio da AgroNordeste, Ministério da Agricultura, Sebrae e Facepe, O principal objetivo do evento é integrar os apicultores da agricultura familiar, a comunidade acadêmica da região e instituições de fomento para difusão do conhecimento tecnológico e fortalecimento da cadeia produtiva do mel.  A programação conta com diversas palestras sobre a apicultura, ministradas por quem conhece do assunto. No sábado, ainda será realizado o “Fórum: Sustentabilidade e desenvolvimento social”, das 14h às 17h. Da redação do Blog Alvinho Patriota