Dilma dá verba recorde a ônibus escolar e associa a própria imagem ao programa

 - Roberto Stuckert Filho/DivulgaçãoA presidente Dilma Rousseff quintuplicou a compra de ônibus escolares do Programa Caminho da Escola em 2012, em relação ao ano anterior, entregando um total recorde de 9.283 coletivos ao custo de R$ 1,8 bilhão – apenas fruto de investimentos federais. Pelo impacto imediato que gera na vida das famílias de estudantes, o programa tem forte apelo eleitoral. Em campanha antecipada pela reeleição, Dilma passou a participar pessoalmente da entrega desses transportes para a população e associar sua imagem a um programa que tem sido bem aceito.

Em menos de um mês, ela desembarcou em quatro cidades diferentes, escolhendo para ser generosa especialmente em regiões estratégicas para golpear os alicerces eleitorais de seus prováveis adversários no pleito presidencial de 2014. O interesse dos prefeitos em distribuir o benefício tem sido tão grande que as aquisições do primeiro trimestre deste ano seguem com velocímetro acelerado: 1.399 ônibus, que custaram R$ 282,36 milhões bancados pela União, por recursos próprios das cidades e Estados e por financiamento do BNDES.

A entrega dos ônibus pelo País passou a integrar o kit obrigatório que a presidente e seus ministros procuram distribuir nos recentes périplos pelo Brasil: veículos escolares, imóveis do Minha Casa, Minha Vida, máquinas retroescavadeiras e motoniveladoras.

Campos e Aécio. No dia 25 de março deste ano, a presidente entregou ônibus em Serra Talhada, Pernambuco, Estado governado por Eduardo Campos, do PSB. Apesar de hoje compor a base aliada federal, não é segredo no Brasil que o governador já começou a articular, nos bastidores, embate com Dilma pelo comando do Planalto no ano que vem.

Mirando o mesmo futuro rival, no dia 2 deste mês, a presidente entregou coletivos em Fortaleza (CE), cidade administrada pelo prefeito Roberto Cláudio, e capital do Estado pilotado por Cid Gomes, ambos pessebistas. O Partido dos Trabalhadores atua para agradar aos eleitores hoje comandados pelo PSB e ainda tenta conter o avanço de Campos pelo Nordeste, onde apesar de o PT ter popularidade, perdeu prefeituras importantes no ano passado.

Já na última terça-feira, o alvo foi o ninho do senador tucano Aécio Neves (MG), pré-candidato do PSDB à Presidência. Dilma esteve em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde fez o governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), subir em seu palanque e ouvir críticas sobre gestões passadas, época em que, conforme ela discursou, “o País crescia, mas o povo não crescia junto”.

Números. Em 2010, ano em que Dilma foi eleita, seu antecessor e padrinho político Luiz Inácio Lula da Silva desembolsou R$ 806,88 milhões para distribuir 4.363 ônibus pelo País, mais que o dobro do valor investido por ele mesmo no ano anterior.

Além das verbas federais, se forem somados as aquisições de ônibus utilizando recursos próprios de Estados e municípios e empréstimos concedidos pelo BNDES, os números também aumentam em progressão aritmética. Em 2009, foram entregues 3.475 ônibus. No ano seguinte, da disputa eleitoral, os municípios receberam 6.225 veículos escolares.

No primeiro ano de mandato da presidente Dilma, o Caminho da Escola concedeu 2.247 veículos – uma queda vertiginosa em relação ao turbinado ano eleitoral de 2010. Em 2012, ano de eleições municipais, o programa volta a ganhar fôlego: foram distribuídos 11.551 ônibus.

Sem viés político. O Ministério da Educação informou, por intermédio da assessoria de imprensa, que a aquisição dos veículos “não depende de partidos ou de questões eleitorais, até porque quem faz o pedido dos veículos são as próprias prefeituras, com base nos dados do censo escolar”. O MEC acrescenta que o critério para definir a quantidade de meios de transporte a serem adquiridos no Programa Caminho da Escola é o número de alunos matriculados nas escolas de educação básica da zona rural que utilizam transporte escolar.

Fonte: Estadão

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL