Helicóptero de R$ 9 milhões tem quatro compradores no Brasil

A reportagem do Terra voou na única unidade do T2 disponível no Brasil Foto: DivulgaçãoO EC130 T2, novo helicóptero da família Esquilo de cerca de R$ 9 milhões, já tem quatro compradores confirmados no País. O modelo vem recheado de novidades em relação a seu antecessor, o B4, especialmente no quesito conforto, incorporando itens de seu “irmão” mais luxuoso, o EC 725, utilizado pelas Forças Armadas e pela presidente Dilma Rousseff.

A aeronave é fabricada pela empresa francesa Eurocopter e finalizada no Brasil pela Helibras em sua fábrica de Itajubá (MG). O preço é cotado em dólares, cerca de US$ 3,9 milhões, e não considera impostos. Seus principais concorrentes nacionais e internacionais são AW119Ke, os modelos Bell 206L4 e Bell 407 e o MD 600N. Interessados em comprar a aeronave têm que esperar em média 15 meses para que ela seja entregue.

A reportagem do Terra voou na única unidade do T2 disponível no Brasil, que deve ser entregue ao comprador – de identidade mantida sob sigilo – após receber alguns ajustes. E os 15 minutos pelos ares de São Paulo, mais do que suficientes para percorrer três vezes a distância entre o aeroporto do Campo de Marte, na zona norte, e o bairro do Ipiranga, na zona sul, bastaram para que a aeronave mostrasse sua tecnologia e manobrabilidade.

O termo foi repetido à exaustão pelo piloto Rogério Aparecido Holzmann, responsável pelos testes da Helibras, braço brasileiro da francesa Eurocopter, que concebeu o EC130 T2 no início do ano passado para o mercado europeu. Por trás do manche e do painel de comandos da aeronave de oito assentos forrados por couro creme, Holzmann parecia mesmo determinado a mostrar as qualidades do novo Esquilo.

Na hora de desgarrar o trem de pouso do solo, o piloto logo tratou de ressaltar a potência do T2, o mais refinado da família dos monoturbinados produzidos pela companhia. “Estamos com a ‘casa cheia’, cheios de combustível e o ‘bicho’ nem chiou”, salientou. O novo motor do T2 é o Arriel 2D que garante 14% a mais de potência em comparação com o Arriel 2B1, que equipava o B4. Ele faz a aeronave atingir a velocidade máxima de 287 km/h e garante autonomia de até quatro horas e seis minutos de vôo, em condições normais de pilotagem e de condições climáticas.

Com um prévio aviso através do sistema de comunicação via headset, Holzmann empreendeu manobras que, se não confundiram o centro de gravidade do helicóptero, certamente o fizeram com os passageiros. O T2 mergulhava para os dois lados, para cima e para baixo em ângulos indescritíveis. Tudo isso enquanto o condutor mantinha a mesma voz serena e firme de quem executa as mesmas acrobacias há décadas. “Vocês podem ver que, apesar de parecer comportado, tem uma excelente manobrabilidade”, comemorou.

Outro trunfo do helicóptero, seu novo sistema antivibração, foi comprovado quando a aeronave flutuava sobre os arranha céus do centro da cidade, que, do alto, até parecem maquetes. O sistema é batizado AVCS, que significa Sistema de Controle de Vibração Ativo, na sigla em inglês, e é idêntico ao instalado no helicóptero da presidente Dilma Rousseff, o EC 725. O aparato inibe em até 90% a trepidação sentida pelos ocupantes. Uma vez desativado, foi possível sentir um sacolejar intenso dentro da cabine, mesmo que intermitente.

Por fora, à primeira vista, a fuselagem do T2 é bem semelhante à do antecessor B4, embora 70% de sua estrutura tenha sido modificada. A principal mudança é notada nas portas, que, no novo modelo, são corrediças em ambos os lados. Isso facilita não só o embarque de passageiros como também o acesso de macas e de carga em geral – característica de grande utilidade para serviços de resgate em acidentes, por exemplo.

Fonte: Terra

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL