Lúcia Giesta rebate críticas sobre falta de Dipirona nos postos de saúde em Petrolina e fala em regionalizar Samu

Lúcia Giesta_640x360A sessão ordinária desta terça-feira (25) na Casa Plínio Amorim não teve projetos. Ficou reservada para a secretária de Saúde de Petrolina, Lúcia Giesta, rebater as constantes críticas que vem sofrendo da população e dos vereadores. Mas ela não se intimidou. Em quase cinco horas de explanação, a secretária apresentou números e ações executadas no primeiro quadrimestre do ano e procurou não deixar sem resposta nenhum questionamento dos representantes do Legislativo.

Uma das indagações, levantadas em sessões anteriores pelos integrantes da bancada de oposição, referiu-se à falta de Dipirona – usado como analgésico – nos postos de saúde da cidade.

Segundo Lúcia, desde 2010 a secretaria deixou de enviar o estoque de Dipirona aos postos porque foi excluído da relação nacional de medicamentos, por uma decisão federal. “Portanto, não podemos descumprir essa medida. Mas há outros medicamentos que o substituem”, informou.

A secretária isentou ainda o município de qualquer responsabilidade sobre a demora para repor a insulina (destinada a diabéticos) nos postos. Segundo Lúcia, o problema ocorre entre o governo federal, que repassa o medicamento ao estado, que por sua vez o envia ao município “sempre com muito atraso”, ressaltou.

Samu

Lúcia aproveitou para justificar a denúncia do vereador Zé Batista da Gama (PDT), o qual afirmou, semana passada, que ambulâncias novas do Serviço de Atendimento Móvel de Emergência (Samu) encontravam-se paradas na Central de Transportes da prefeitura.

Ela explicou que questões burocráticas impediram que os veículos do Samu circulassem antes do previsto. Segundo a secretária, as ambulâncias – que vieram do município de Tatuí (SP) – precisavam ter o número do chassi e da série verificados, antes de serem emplacadas.

Além disso, a prefeitura também teve de abrir uma licitação para o seguro das ambulâncias, conforme determina o Ministério da Saúde. Sobre a ambulância que estava em manutenção em Feira de Santana (BA), a secretária justificou que não há oficina autorizada em Petrolina e os R$ 1,2 mil citados pelo vereador referia-se apenas a uma peça. Lúcia adiantou que o veículo já está em circulação.

Lúcia fez questão de dar um ‘tapa de luvas’ sutil na oposição ao afirmar que desde quando o Samu foi instituído na cidade, a frota – que deveria ser renovada a cada três anos, como manda o Ministério da Saúde – foi sucateada.

Ela informou que foi o prefeito Júlio Lóssio (PMDB), ao assumir o município em 2009, quem a autorizou a providenciar a renovação dos veículos.

Tínhamos três carros de USB (Unidade de Serviço Básico) e uma USA (Unidade de Serviço Avançado). Depois recebemos mais um carro USB, e mais nada. Em 2009 entramos em contato com o Ministério e em 2010 recebemos cinco carros novos e uma motolância”, disse a secretária, acrescentando que já solicitou a renovação da frota para o próximo ano. “Já rebemos as duas ambulâncias, com a possibilidade até o final do ano de receber mais uma, e no ano que vem outras duas. Se o município não pede, o Ministério não tem como adivinhar que está precisando”, completou.

Regionalização

Ao finalizar sobre o Samu, a secretária revelou que pretende regionalizar o serviço, transformando Petrolina na sede da macrorregional, beneficiando um universo de 900 mil pessoas. Para isso aguarda uma contrapartida dos governos federal e estadual.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Doação de leite humano só atende metade da demanda no Brasil

Com mais de 225 bancos de leite e 217 pontos de coleta espalhados por todo o país, o Brasil é referência internacional em doação de leite humano, utilizado principalmente para alimentar bebês prematuros e de baixo peso internados em leitos neonatais. Apesar da complexa rede instalada, os volumes doados só atendem cerca de 55% de toda a demanda, ou seja, pouco mais da metade da necessidade real. Para ampliar os estoques, o Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (17) mais uma edição da Campanha Nacional de Doação de Leite Humano.  De janeiro a dezembro de 2021, foram distribuídos 168 mil litros de leite para 237 mil recém-nascidos, um aumento de 7% em relação ao ano anterior. No entanto, cerca de 340 mil bebês prematuros ou de baixo peso nascem todos os anos no país, o que corresponde a 12% do total de nascidos vivos. Por isso, os estoques dependem de mais doação.  Este ano, a meta da campanha é ampliar em 5% a oferta de leite materno a recém-nascidos internados nas unidades neonatais do país. O tema deste ano é “Doe Leite materno e receba a gratidão de uma vida”. A partir desta quinta-feira (19), quando se celebra o Dia Nacional de Doação de Leite Humano, a campanha iniciará a veiculação de propagandas nos meios de comunicação para sensibilizar possíveis doadoras. “Os bebês amamentados com leite humano têm mais chances de recuperação, de altas mais precoces. E isso representa uma economia para o Sistema Único de Saúde (SUS), menos uso de antibióticos”, destacou a coordenadora da Saúde da Criança do Ministério da Saúde, Janini Ginani. Segundo a pasta, cerca de 200 mililitros de leite podem alimentar até dez recém-nascidos. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostram que cerca de 6 milhões de vidas são salvas por ano com a ampliação das taxas de amamentação até o sexto mês de vida. Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno, basta estar saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação.  No Brasil, a proporção nas doações de leite é de uma mulher doadora para cada 12 mulheres assistidas. Nos últimos 22 anos, mais de 3,2 milhões de bebês receberam leite materno doado no país.  Fonte: EBC

Clipping
Começa a obra de recapeamento asfáltico das principais ruas de Solidão

Ais um benefício chega para o povo solidanense, as obras de asfaltamento da rua principal de Solidão, Sertão de Pernambuco, começam nesta manhã de terça-feira (17 de maio de 2022). O asfalto tem início no portão da cidade e irá até a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, a tão sonhada pavimentação asfáltica da cidade de Solidão. A fase de aplicação da pavimentação já começou e, logo, estará concluída. Mais um benefício chegando ao povo solidanense. O Prefeito Djalma Alves (PSB), afirma que está é uma satisfação muito grande de iniciar essa obra tão esperada para a nossa população. “Para melhorar o aspecto da nossa cidade, melhorar o turismo religioso, isso é muito importante para o nosso município, uma obra que há muito tempo a gente vinha procurando desenrolar, e graças a Deus a gente conseguiu com uma parceria do Deputado Federal Gonzaga Patriota e também do Deputado Carlos Veras”, afirmou o prefeito. O Deputado Federal Gonzaga Patriota destinou emenda no valor de R$ 481.104,00 para Capeamento Asfáltico. Já com o Deputado Federal Carlos Veras o gestor conquistou emenda no valor de R$ 335.755,00 para Capeamento Asfáltico. O restante do cumprimento para a obra será com recursos do tesouro Municipal. Fonte: https://www.s1noticias.com/comeca-a-obra-de-recapeamento-asfaltico-das-principais-ruas-de-solidao/#ixzz7Ta5LRDU5

Clipping
Xangai atinge status de “zero covid”, mas lockdown continua

Xangai atingiu hoje (17) seu tão esperado marco de três dias consecutivos sem novos casos de covid-19 fora das zonas de quarentena, mas a maioria dos moradores terá que aguentar o confinamento por mais algum tempo antes de retomar uma vida mais normal. Para outras cidades da China que estão sob lockdown, três dias sem novos casos na comunidade geralmente significam status “zero covid” e o início da suspensão das restrições. O centro comercial da cidade de 25 milhões de habitantes estabeleceu na segunda-feira seu cronograma mais claro para sair de um lockdown agora em sua sétima semana, mas o plano foi recebido com ceticismo por muitos moradores irritados com o isolamento repetidamente prorrogado. “A normalidade está muito longe”, disse um morador de Xangai ainda retido em casa. Restrições Xangai planeja retomar as atividades ao ar livre em etapas, com algumas lojas reabrindo nesta semana, mas com a maioria das restrições de movimento permanecendo em vigor até 21 de maio, data após a qual o transporte público e outros serviços serão retomados gradualmente. Até junho, o lockdown deve ser suspenso, mas os moradores ainda serão solicitados a fazer testes com frequência. Mais pessoas foram autorizadas a sair de suas casas esta semana, porém, cercas altas permaneciam em torno de muitos conjuntos residenciais e quase não havia carros particulares nas ruas, com a maioria das pessoas ainda confinadas em suas casas. No geral, Xangai registrou menos de mil novos casos ontem (16), todos em áreas sob controle mais rigoroso. Fonte: AB