Mais de 4 milhões de pessoas deixaram suas terras devido à guerra colombiana

Bogotá – Atualmente, a Colômbia é o país do mundo com maior quantidade registrada de deslocados internos, ou desplazados, como são chamados os colombianos que abandonam cidades e terras por causa da guerra. Mais de 4,7 milhões de pessoas se deslocaram internamente devido o conflito armado. Grande parte deles vive em favelas nas grandes cidades, onde também vivem ex-guerrilheiros e desmobilizados que dividem com os vizinhos desplazadosas dificuldades de adaptação, moradia e emprego.

No caso dos deslocados, a maioria não consegue regressar ao seu local de origem, devido à continuidade do conflito. O programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, conheceu famílias que se deslocaram e que não conseguiram regressar.

Boa parte vive nas favelas das grandes cidades como a capital Bogotá, Medellín e Cali. Tereza Ortiz mora em Ciudad Bolívar, uma favela nas montanhas ao Sul de Bogotá. Ela saiu de Chocó, departamento na região do Pacífico colombiano, por causa da violência dos paramilitares. Vive em Bogotá há quase 10 anos. Trabalhou como doméstica quando chegou, mas agora está desempregada e vive em um barraco em condições precárias. Em sua cidade natal, tinha casa própria e um restaurante.

“A diferença é que lá, além de ser onde nasci, me criei. E a gente chega aqui fugindo de violência e encontra mais violência”, desabafa, comentando que o bairro é um dos mais violentos da capital.

Os deslocados internos são as vítimas mais numerosas do conflito e convivem com os desmobilizados das guerrilhas e ex-paramilitares que optaram pela busca a reintegração à vida civil. Juan* (nome fictício), morador de Ciudad Bolívar, desmobilizado das Farc concluiu o programa do governo para a reintegração. Durante sete anos foi acompanhado pelo governo, recebeu uma bolsa financeira e frequentou a todas as reuniões programadas.

De acordo com a Agência Colombiana para a Reintegração, em 10 anos, mais de 55 mil pessoas se desmobilizaram. A maior parte da desmobilização foi coletiva dos paramilitares – as Autodefesas Colombianas (AUC) -, realizada após um acordo com o presidente Álvaro Uribe, em 2006. Os restantes são de desmobilizações individuais de ex-guerrilheiros da Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército da Libertação Nacional (ELN).

Juan se desmobilizou há sete anos depois de viver cinco anos como guerrilheiro nas Farc. Ele conta que entrou em busca de oportunidades, mas logo viu que não era o que esperava. “A verdade é que eu tinha deixado a minha família de lado e a qualquer momento podiam matá-la. Comecei a pensar em tudo e a pensar que não valia a pena estar ali”, diz.

Ele tem uma barbearia em Ciudad Bolívar, montada com ajuda do governo. Estuda curso técnico à noite. Antes, concluiu o ensino fundamental com apoio do programa. Ao sair também se casou e tem uma filha de três anos. Juan diz que há muitas barreiras para sair. “Quando você sai, você luta contra os princípios da organização e, naquele momento, todos viram seu inimigo, porque te consideram traidor”.

Ao mesmo tempo, ele ressalta que, também, há dificuldades para a reintegração. “A gente não tem formação, não tem trabalho e tem o preconceito. Se sabem o que você era antes, te demitem”.

Os desmobilizados que participam do programa recebem nos primeiros anos uma bolsa de até R$ 520 e são acompanhados também por psicólogos e assistentes sociais. Martha Hernandez, uma das coordenadoras do programa, fala que o primeiro desafio é vencer o preconceito social.

“A sociedade tem uma má aceitação e não perdoa. Esse tema tem que ser trabalhado todos os dias. E não é fácil. Temos uma história e não podemos dizer que não aconteceu nada”, destaca.

Alguns exemplos são positivos e considerados casos de “sucesso”. Ederlidia Garzon, 44, tem uma confecção e clientes de empresas importantes. Fez parte das AUC e trabalhou como costureira, confeccionando uniformes para o grupo. No começo não sabia do que se tratava, mas depois descobriu que eram paramilitares.

Ela disse que pela falta de opções na região em que vivia e com três filhos para sustentar, continuou fazendo os uniformes. Em 2006, quando viu a propaganda que convocava para a desmobilização, abandonou o grupo. Mas teve que fugir duas vezes e sofreu um atentado.

Buscou a ACR e conseguiu se estabilizar e montar seu próprio negócio. Hoje, emprega ex-guerrilheiros e ex-paramilitares. “Não é fácil, tive muito medo de que algo acontecesse com meus filhos, mas acreditaram em mim e estou aqui agora, de cabeça erguida”, fala, orgulhosa.

Fonte: Agência Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Eletrobras anuncia lucro de R$ 2,7 bilhões no primeiro trimestre

A Eletrobras anunciou ter obtido lucro líquido de R$ 2,7 bilhões no primeiro trimestre de 2022. O resultado, divulgado nesta segunda-feira (16), é 69% superior ao mesmo período de 2021 e foi impactado positivamente pelo aumento de 12% da receita bruta, e também pelo desempenho financeiro da companhia, com destaque para o efeito positivo da variação cambial. Também contou para o resultado positivo a redução em 3,4% do custo de PMSO – que responde pelos itens pessoal (P), material (M), serviços de terceiros (S) e outras despesas (O). Por outro lado, houve registro de R$ 1,2 bilhão em provisões para crédito de liquidação duvidosa, decorrente da inadimplência da distribuidora Amazonas Energia. A receita operacional líquida apresentou crescimento de 12%, influenciada pelo reajuste de contratos bilaterais e das receitas de transmissão, aumento das tarifas fixas de Angra I e II e melhor performance da UTE Candiota III. A redução da dívida líquida da companhia em 4,6% é outro ponto positivo do trimestre, mantendo a relação dívida líquida/Ebitda recorrente igual a 1, reforçando o foco da empresa em disciplina financeira e liquidez, encerrando o trimestre com um caixa consolidado de R$ 15 bilhões. As provisões para contingências no período ficaram em R$ 671 milhões, sendo R$ 300 milhões relacionados ao empréstimo compulsório. A Eletrobras concluiu o trimestre com capacidade instalada de 50.491 megawatts (MW), o equivalente a 28% da geração de energia elétrica do país, enquanto no segmento de transmissão a companhia detém cerca de 40% das linhas do Brasil. Fonte: EBC

Clipping
Prazo de inscrição para a 2ª etapa do Revalida 2022 acaba hoje

Hoje é o último dia para inscrições na segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2022. Os interessados devem se inscrever por meio do Sistema Revalida. O pagamento da taxa poderá ser feito até o dia 20 próximo. Provas A prova de habilidades clínicas será aplicada nos dias 25 e 26 de junho. Os locais de aplicação e a quantidade de vagas disponíveis serão informados ao participante também por meio do sistema do exame, no momento da inscrição. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) destaca que, se o limite de uma determinada cidade for atingido, o sistema desabilitará a opção pelo local. Dessa forma, o interessado deverá optar por outro lugar de preferência, conforme disponibilidade de vagas. Como previsto em edital, para a garantia das condições logísticas e de segurança do exame, o Inep poderá acrescentar, suprimir ou substituir cidades de aplicação. Caso isso ocorra, o participante será realocado para uma cidade próxima que possua a estrutura e os requisitos adequados. Durante o período de inscrição, os interessados também poderão solicitar atendimento especializado. Revalida Aplicado pelo Inep desde 2011, o objetivo do Revalida é avaliar habilidades, competências e conhecimentos necessários para o exercício profissional adequado aos princípios e necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS). O ato de apostilamento da revalidação do diploma é atribuição das universidades públicas que aderirem ao instrumento unificado de avaliação representado pelo Revalida. Fonte: EBC

Clipping
ANS inclui opções de quimioterapia oral em seu rol de procedimentos

A inclusão de três opções de quimioterapia oral no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) traz benefícios em termos de sobrevida aos pacientes e permite a prescrição, pelo médico, para aqueles pacientes que têm seguro saúde, avaliou hoje (16) a oncologista  Andreia Melo, do Grupo Oncoclínicas, também chefe da Divisão de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Publicada no último dia 6, no Diário Oficial da União, a decisão contemplou as substâncias trifluridina + cloridrato de tipiracila, para câncer colorretal e gástrico metastático; Brigatinibe, para câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC) localmente avançado ou metastático, positivo para quinase de linfoma anaplásico (ALK); e Venetoclax, combinado com obinutuzumabe, para pacientes adultos com leucemia linfocítica crônica (LLC) em primeira linha de tratamento. Segundo o Inca, a estimativa é que em cada ano do triênio 2020-2022, o Brasil tenha em torno de 41 mil novos casos de câncer colorretal, 21 mil casos de câncer gástrico e 30 mil de câncer de pulmão, além de 11 mil casos novos de leucemia, dos quais a leucemia linfoide crônica responderá por cerca de um quarto. No total, o Inca estima o aparecimento de 650 mil casos novos de câncer no país a cada ano do triênio. Por isso, na avaliação da oncologista, é grande o significado que as incorporações de tratamento podem trazer aos pacientes. “Elas trazem novas opções terapêuticas. São novas linhas de tratamento para pacientes com essas neoplasias (colorretal e gástrico) no cenário metastático. No caso do câncer de pulmão, você tem a seleção por um biomarcador e tem uma resposta objetiva muito boa com o uso do tratamento e ganho de sobrevida”. A cobertura obrigatória dessas três novas opções de quimioterapia oral pelos planos de saúde é fundamental para que o oncologista faça, na sua prática clínica, o que há de melhor na literatura, em termos de padrão de tratamento. “Priorizar essas opções de tratamento oral na cobertura dos pacientes com essas neoplasias é fundamental. É isso que acontece com o Rol da ANS”, indicou a oncologista. Cânceres Câncer colorretal é o nome dado ao tipo de tumor que atinge a região do intestino grosso (cólon), reto (final do intestino, antes do ânus) e o ânus. Apenas em 2019, a doença provocou mais de 20 mil mortes no país. Esse é, segundo o Inca, o terceiro tipo de câncer mais comum no Brasil, com um risco estimado de cerca de 19 casos novos a cada 100 mil pessoas. O câncer colorretal metastático é o estágio avançado da doença. O tratamento deve ser contínuo, visando prolongar a sobrevida, diminuir sintomas relacionados ao tumor, postergar a progressão da doença e manter a qualidade de vida. Mesmo considerando que a doença esteja em um estágio mais avançado, os pacientes ainda podem receber tratamento. O Inca adverte que quase 30% de todos os cânceres colorretais poderiam ser evitados mediante uma dieta saudável, prática de atividades físicas e redução do consumo de bebidas alcoólicas. O instituto, vinculado ao Ministério da …