Mutirão reúne informações sobre de transexuais que querem mudar nome

A mudança de nome nos casos de pessoas que mudaram de sexo ainda não é garantida por lei específica no Brasil, embora para os transexuais a nova identidade seja uma das questões mais significativas. Mesmo os que não passaram pela cirurgia de mudança de sexo. O Centro Estadual de Combate à Homofobia, ligado à Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, realiza um mutirão para tentar dar aos transexuais o direito de mudar o nome do registro de nascimento, viabilizando a troca em outros documentos.

Transgêneros, transexuais e travestis são pessoas que nascem biologicamente com um determinado sexo, mas não se identificam com ele. Algumas fazem cirurgias ou tomam hormônios para mudar o corpo, mas mesmo quem não se submete a esses tratamentos, também pode ser considerado transexual. “Após a reunião do nome das pessoas e documentação, em parceria com o Ministério Público de Pernambuco, vamos provocar o Judiciário sobre a utilização do nome social das pessoas trans”, explica o coordenador estadual de Combate à Homofobia, Rhemo Guedes.

A auxiliar administrativa Christiane de Oliveira Falcão nasceu homem, mas se identifica como mulher e quer ser tratada assim. O problema é que acaba enfrentando situações constrangedoras quando precisa apresentar os documentos oficiais. “É muito ruim porque as pessoas nos olham diferente, a imagem não condiz com o que está escrito no documento civil. Queria trocar meu nome, tirar, apagar, da minha memória que um dia eu fui Ademir de Oliveira Falcão Júnior e vou assinar com meu nome. Independente do que as pessoas dizem, para mim, meu nome é Christiane de Oliveira Falcão”, conta a auxiliar.

A situação de Leonardo Tenório, presidente da Associação Brasileira de Homens Trans, é a oposta. Nascido mulher, se identifica como homem e espera que respeitem sua decisão. “É questão de dignidade, para que a gente não passe constrangimento e não tenha essa restrição de aceso a direitos. Precisamos de respeito”, defende Leonardo.

Quem quiser participar do mutirão, é preciso procurar o Centro Estadual de Combate à Homofobia, na Rua Benfica, número 133, no bairro da Madalena, Zona Norte do Recife. O telefone de contato é o (81) 3183.3182.

Justiça
O primeiro passo para quem quer trocar de nome, independente da situação, é procurar uma vara de família e se informar sobre o processo. “No caso específico dessas pessoas que têm transtorno de identidade de gênero, não tem lei específica ainda, mas varias decisões já admitem a mudança do nome e do sexo. Temos decisões recentes que autorizaram inclusive a alteração no registro civil em casos sem a cirurgia. Não é a lei que determina, é interpretação do juiz após ouvir o representante do Ministério Público”, explica o juiz da Vara da Família, Clicério Bezerra.

Em alguns casos, são feitas exigências como um estudo psicossocial, a fim de que seja constatado o que a pessoa alega. “Pode ser que isso leve algum tempo, mas geralmente é um processo rápido. Existe um rigor quanto à mudança no nome, para evitar que pessoas de má fé se utilizem disso”, ressalta o juiz.

Outros casos que são passíveis de mudança de nome é quando há erro de grafia, casos de proteção à testemunha – quando a pessoa corre risco de vida com o nome de batismo -, além de apelidos públicos notórios, como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para aqueles que não gostam do nome, é necessário comprovação. “Necessariamente, tem que ter um motivo para a mudança do nome. Temos que averiguar se aquele nome está, de fato, trazendo um desconforto tão grande que precise realmente por outro”, destaca o juiz.

Fonte: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL