Papa conquista latinos com carinho e humildade

20130726172255894350aO Papa Francisco conquista os latino-americanos com gestos de carinho e palavras afetuosas para os mais humildes, assim como mensagens sociais e políticas, numa linguagem simples, buscando diminuir a distância entre a Igreja e o continente mais católico do mundo.

Em sua primeira viagem como papa a sua região natal, Jorge Mario Bergoglio voltou aos tempos de arcebispo de Buenos Aires e apostou num estilo direto. Contato com as ruas, as brincadeiras, gestos improvisados e um ouvido atento a quem o cerca, ou ao menos, a quem consegue se aproximar apesar do enorme aparato de segurança.

Em cinco dias de uma viagem amplamente transmitida pela mídia brasileira, o papa fortaleceu sua popularidade na América Latina, onde seus gestos humildes tocam o coração de muitos.

Bento XVI – agora papa emérito – era respeitado, mas as multidões não vibravam em sua presença. Tímido, intelectual, o papa alemão não tinha nem a delicadeza nem o carisma que conquista os latino-americanos. Parecia muito europeu, e foi recriminado por ter dado pouca importância à região com mais católicos no mundo (mais de 40%), que só foi visitada por ele duas vezes em seus quase oito anos de papado.

“Bento XVI era um intelectual, Francisco é um homem de contato, um contato que a Igreja precisa. É um papa que poderia ser seu vizinho”, comemorou João Francisco Pinto, um jovem monge franciscano que mora na favela da Rocinha.

Francisco tomou o chimarrão oferecido por um fiel, beijou e abençoou as pessoas enquanto percorria a Avenida Atlântica no papamóvel diante de 1,5 milhão de pessoas. Ao visitar a favela da Varginha, disse que gostaria de “tomar um cafezinho e não um copo de cachaça” com cada um dos brasileiros, e usou frases do dia a dia do país, como “sempre se pode colocar mais água no feijão”, quando falou em solidariedade.

O papa Francisco também deu mensagens claras e concretas nos planos social e político: a necessidade de defender a família, “remédio contra a degradação social”, a prioridade à educação, a luta legítima contra a corrupção, o direito ao trabalho para uma geração de desempregados.

Denunciou o culto ao dinheiro e as falsas ilusões criadas pelo individualismo desenfreado, o refúgio nos prazeres efêmeros. O Santo Padre também convocou à luta contra o tráfico de drogas, e se opôs à liberalização debatida na América Latina.

Também considerou que a “pacificação” das favelas, tiradas das mãos dos traficantes pelas autoridades policiais, não é duradoura se não houver inclusão social.

Ao mesmo tempo, o Papa evitou dar lições e fazer condenações públicas, e assim ressaltou os progressos realizados pelo Brasil para a redução da pobreza.

Seu apelo por “um olhar positivo sobre a realidade”, feito em Aparecida, e a constante insistência na esperança e na amizade de Jesus, voltam a dar valor aos católicos, que achavam a mensagem da Igreja romana muito rígida, legalista e sombria.

Neste sentido, pediu aos cristãos que “sejam alegres” e não usem uma “cara de luto”. “Que feio ver um bispo triste! Que feio!”, exclamou na noite desta quinta-feira em Copacabana, durante a missa de Acolhida da JMJ.

O papa não convoca uma revolução – ainda que tenha chamado a uma “revolução da fé” – e evitou tomar partido diretamente nas manifestações que sacudiram o Brasil, mas pediu que os jovens não se desanimem pela corrupção.

Teólogos como o brasileiro Leonardo Boff esperam que Jorge Mario Bergoglio, um bispo bem mais conservador, dê um novo fôlego à Teologia da Libertação – denunciada no passado por ter um cunho marxista.

Mas a teologia de Bergoglio é menos política: é uma teologia da Igreja dos pobres.

Muitos sacerdotes e religiosos estão encantados. O porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi, contou que em Aparecida “religiosas de um convento de clausura se exaltaram” na sua presença. Segundo Lombardi, elas tiraram fotos, uma por uma, abraçando o papa. E o pontífice não se mostrou impaciente.

O amor de Cristo, explicou o pontífice, se fez “concreto” para São Francisco de Assis – de quem Bergoglio tomou o nome – quanto este “abraçou a um leproso”, porque “esse irmão sofredor, excluído, foi mediador da luz” de Deus.

Uma frase como esta já mostra a diferença, para uma Igreja Católica percebida como arrogante e distante para muitos latino-americanos que migraram para igrejas pentecostais.

Fonte: AFP

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL