Partido da Mulher Brasileira aprova união gay, mas veta o aborto

Em vias de pedir o seu registro junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o PMB (Partido da Mulher Brasileira) se diz de direita –é contra a liberação do aborto e da maconha–, no entanto, favorável ao casamento gay.

“Sempre, em todos os momentos da minha vida, fui contra a liberação e descriminalização do aborto. Embora entenda que cada um tenha a sua posição, enquanto eu estiver no comando da legenda, o PMB não vai apoiar uma coisa dessas”, afirmou a presidente nacional do PMB Suêd Haidar.

“Sou contra também, e falo isso de público, a legalização da maconha. A descriminalização é uma forma de liberar a droga”, afirmou a presidente do PMB.

“Sou favorável ao casamento gay. Todos têm o direito de optar. Eu respeito os homossexuais”, disse.

Embora seja contrária à liberação do aborto, uma das principais bandeiras do movimento feminista em todo o mundo, Suêd Haidar não vê contradição no fato de o partido procurar representar a mulher brasileira.

“È uma logomarca como outra qualquer. Não tem o Partido dos Trabalhadores [PT], que leva o nome dos trabalhadores? Nossa legenda leva o nome das mulheres. E vamos sofrer estigma, como o PT no início. Vão dizer que é o clube da Luluzinha, o partido do salto alto. O novo sempre assusta. É sempre uma ameaça maligna”, disse. Ela afirma que, a exemplo das outras siglas, o PMB pretende abrigar homens e mulheres. “Sem discriminação.”

“Nossa principal bandeira é a defesa de que a mulher amplie sua participação no processo eleitoral brasileiro. Pois temos de participar. Não podemos ficar só completando os nomes que os partidos precisam, de acordo com a legislação eleitoral, para preencher a cota mínima de mulheres”, disse.

A outra bandeira do PMB é com relação aos nomes das mulheres. “Vamos defender que as mulheres casadas tenham reconhecido seu nome de solteira. Isso porque 70% das assinaturas coletadas de mulheres pelo partido não foram aceitas pela Justiça Eleitoral porque o nome não bateu com o do título de eleitor.”

Suêd Haidar ainda defende o planejamento familiar como política de governo. “A mulher tem de saber se pode ter um, dois ou dez filhos. Deve estar consciente na hora de ter filhos”.

Para a presidente do PMB, o país experimenta um grande avanço com uma mulher ocupando a Presidência da República, embora ressalte que não apoia o PT. “Dilma [Rousseff] é uma grande mulher. É muito bom ter uma mulher na Presidência”, afirmou.

“Somos de direita”

A presidente da seção mineira da sigla, Rosimere Machado de Jesus, tem a mesma opinião. “O PMB é um partido de direita. Somos contra a liberação e descriminalização do aborto e da maconha. A humanidade está sendo destruída pelas drogas”, afirmou a presidente do PMB de Minas Gerais. “Não podemos tirar uma vida”.

Rumo a 2014

A presidente nacional do PMB luta há cinco anos pela constituição da sigla, com sede nacional no Rio de Janeiro e presente em outros 12 estados brasileiros, a exemplo de São Paulo.

São cerca de 30 mil militantes (60% mulheres) em aproximadamente mil municípios espalhados pelos 13 Estados. Segundo a presidente, a legenda tem 498 mil assinaturas para fazer o registro no TSE. São necessários 500 mil assinturas.

“Vamos fazer a contagem exata dos apoiadores em 30 de abril, durante a primeira convenção nacional do PMB em Brasília e, pedir o registro, no outro dia. Vamos participar das eleições de 2014, fazendo alianças com outros partidos”, afirmou Suêd Haidar.

A presidente nacional da legenda, assistente social, 55 anos, foi candidata por duas vez no Rio de Janeiro, pelo PTdoB: ao senado (2000) e à Assembleia Legislativa (2006).

A presidente da seção mineira, por sua vez, preside o Conselho Deliberativo do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo de Passageiros de Belo Horizonte e coordena uma ONG (organização não-governamental) que leva seu nome, 44 anos, foi candidata a vereadora em 1996 (pelo PTC), a deputada estadual em 2006 (PRB) e a deputada federal em 2010 (PTdoB).

Fonte: UOL

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Milhões correm risco de desnutrição com alta do preço do trigo

A guerra na Ucrânia, que paralisou as exportações de trigo do país, manterá os preços globais altos na temporada 2022/23, colocando milhões de pessoas em risco de desnutrição, disseram a agência de alimentos da Organização das Nações Unidas e a OCDE nesta quarta-feira (29). A Rússia e a Ucrânia são o primeiro e o quinto maiores exportadores de trigo do mundo, respondendo por 20% e 10% das vendas globais, respectivamente, mas a invasão da Ucrânia pela Rússia e o fechamento do Mar de Azov e do Mar Negro praticamente interromperam as exportações. As exportações de grãos da Ucrânia estão atualmente em apenas 20% da capacidade, já que os canais alternativos, como ferroviário e rodoviário, não são tão eficientes quanto as rotas marítimas, disseram a Organização para Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). As projeções da FAO/OCDE sugerem que os preços do trigo em 2022/23 podem ficar 19% acima dos níveis pré-guerra se a Ucrânia perder totalmente sua capacidade de exportação e 34% mais altos se, além disso, as exportações da Rússia forem reduzidas pela metade. A temporada 2022/23 começa em 1º de julho no Hemisfério Norte. “Com a segurança alimentar já sob pressão, as consequências seriam terríveis, especialmente para os mais vulneráveis”, disse o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, durante uma apresentação do FAO/OCDE Agricultural Outlook 2022-2031. Cerca de 20 milhões de toneladas de grãos deveriam deixar a Ucrânia até o final do próximo mês para dar espaço às safras deste ano e evitar a escassez de alimentos na África, disse a Comissão Europeia no mês passado. As negociações diplomáticas estão em andamento para abrir uma rota marítima alternativa. Se as exportações russas fossem afetadas, a desnutrição aumentaria cerca de 1% globalmente em 2022/23, o equivalente a cerca de 8 milhões a 13 milhões de pessoas, dependendo da suposta gravidade da redução das exportações, disse a FAO em um estudo separado. Um cenário que simula um grave déficit de exportação da Ucrânia e da Rússia continuando em 2022/23 e 2023/24, e assumindo nenhuma resposta de produção global, sugere um aumento no número de desnutridos em cerca de 19 milhões de pessoas em 2023/24.

Clipping
Governo de Pernambuco já repassou R$ 96 milhões para assistência às vítimas das chuvas

Estado também investiu cerca de R$ 25 milhões na regularização do abastecimento de água nos municípios atingidos e na recuperação de estradas O Governo do Estado liberou R$ 124,7 milhões para o pagamento do Auxilio Pernambuco às vítimas das chuvas. Desse total, R$ 96 milhões já foram repassados a 16 municípios, beneficiando 64 mil famílias. Outros 15 municípios estão em processo de apresentação de documentos para obter o dinheiro. Além dos recursos assistenciais, o Governo de Pernambuco investiu outros R$ 25 milhões, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e da Compesa, no restabelecimento da circulação de veículos e pedestres nas rodovias estaduais e na regularização do abastecimento de água nos municípios atingidos pelos temporais. “Nossas equipes têm trabalhado para minimizar os danos materiais das chuvas e para conceder assistências às famílias das vítimas”, afirmou o governador Paulo Câmara. Por recomendação do governador, a Compesa também suspendeu, pelo período de 90 dias, a cobrança da tarifa às famílias diretamente atingidas pelas fortes chuvas na Região Metropolitana do Recife, Agreste e Zona da Mata.

Clipping
Resolução regulamenta telemedicina veterinária no país

Resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) que regulamenta o uso de telemedicina para a prestação de serviços veterinários foi publicada no Diário Oficial da União de hoje (29). Além de apresentar definições técnicas sobre o exercício profissional da telemedicina veterinária, a Resolução nº 1.465 detalha padrões técnicos e tecnológicos que serão adotados para este fim. Apresenta também requisitos para o uso das modalidades previstas para atendimentos a distância. Segundo o CFMV, “o profissional pode desenvolver aplicativo específico para a telemedicina ou fazer o uso integrado de plataformas existentes, desde que respeitados os critérios e as garantias estabelecidos na resolução, registrando em prontuário a tecnologia empregada no atendimento”. De acordo com a resolução, o atendimento presencial é o “padrão ouro para a prática dos atos médicos veterinários”, de forma a assegurar, ao profissional, autonomia de decisão quanto ao uso da telemedicina veterinária, inclusive sobre a sua impossibilidade. O médico veterinário deverá “decidir com livre arbítrio e responsabilidade se as informações recebidas são qualificadas dentro de condições éticas e de protocolos de segurança digital suficientes para a realização do ato médico veterinário”, diz a resolução. Entre as modalidades previstas para esse tipo de telemedicina estão as de teleconsulta, telemonitoramento, teletriagem, teleorientação, teleinterconsulta (entre veterinários, para troca de informações e opiniões) e telediagnóstico. Cada uma delas teve suas especificidades detalhadas pela resolução. Com relação às prescrições, a resolução prevê que os receituários de medicamentos sujeitos a controle especial somente serão válidos quando subscritos com assinatura eletrônica qualificada, por meio de certificado digital. Devem também seguir as normas editadas pelos órgãos e entidades reguladores específicos, como é o caso dos ministérios da Saúde; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).