PSB debate as manifestações em busca de novos caminhos para o País

Com o objetivo de discutir o significado, a importância e a dimensão das manifestações que vêm acontecendo no País nas últimas semanas, o PSB e a Fundação João Mangabeira (FJM) realizaram nesta quarta-feira (26), em Brasília, o debate “A Voz das Ruas”. Com auditório lotado, o evento foi transmitido ao vivo pela TV João Mangabeira.

O líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (PSB-RS), afirmou que “a onda de manifestações desafia os poderes constituintes, que estão absorvidos por uma política formal que ainda se movimenta no sistema analógico, enquanto a sociedade já está no digital”. Beto lembrou que o povo brasileiro já não se sente representado pela classe política, e que o governo está perdendo o rumo, correndo atrás da inflação.

“Temos que ouvir o recado das ruas e apresentar um discurso novo, um projeto diferente para o País, pois, se não o fizermos, a Direita, com seus valores conservadores, fará”, alertou. Beto citou o governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, como sendo o porta-voz desse novo projeto.

O vice-presidente nacional da legenda, Roberto Amaral, concordou com Beto e lembrou também que a Esquerda de 1988 fracassou ao assumir o Poder por, em nome da governabilidade, não haver realizado nenhuma das reformas a que se propôs. “A Esquerda renunciou à luta ideológica. Temos que voltar para as ruas, pois é lá que se faz a luta de classes”, apelou.

O líder socialista manifestou sua satisfação com as mobilizações. “Devemos festejar este rompimento do círculo político”. Amaral destacou que, há muito tempo, vem escrevendo sobre a falência da democracia representativa. “A coalizão na cúpula do Poder não corresponde mais à realidade das ruas”.

Convencido de que o debate ajudará a discutir o que fazer, Amaral afirmou que “ou a Esquerda ocupa as ruas, ao lado dos jovens, ou a direita tomará conta deste espaço”.

O primeiro Secretário Nacional do partido e presidente da Fundação, Carlos Siqueira, destacou o fato de que “pela primeira vez, registram-se no Brasil grandes manifestações sem que os partidos políticos ou a sociedade civil organizada estejam por trás dos acontecimentos”. Siqueira reiterou a importância da discussão acerca do significado dos eventos para as instituições. “Precisamos entender este processo legítimo e democrático”, explicou.

Do evento participaram lideranças, parlamentares e militantes do PSB, além de convidados especiais como a diretora do IBOPE, Márcia Cavallari Nunes; o professor de Ciências Políticas da Universidade de São Paulo (USP), Leandro Piquet Carneiro, pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas da mesma universidade; o sociólogo Jessé José Freire de Souza, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, e a deputada Federal, Luiza Erundina (PSB-SP).

INSATISFAÇÃO — A primeira palestrante, Márcia Cavallari Nunes, apresentou dados relativos às últimas três pesquisas realizadas pelo IBOPE sobre as manifestações populares.  Foram ouvidos 1.775 internautas constantemente conectados na rede, entre os dias 15 e 17 de junho; 1.008 pessoas da população, nos dias 19 e 20 de junho; e 2.002 manifestantes que protestaram nas ruas em 20 de junho.

Entre a população questionada, 28% declarou estar pessimista ou muito pessimista em relação ao futuro do País. Além disso, 78% dos entrevistados citou a saúde como o principal problema, em todas as cidades de todos os estados ouvidos. No entanto, para 55% a segurança é o maior problema e, para 52%, a educação.

Os estudos revelam que 89% dos manifestantes declararam ter interesse por política, fato que surpreendeu a diretora do IBOPE.  No entanto, 83% deles não se sentem representados por nenhum político e 89% não se sentem representados por nenhum partido político. Os dados também mostram que 75% da população é a favor das manifestações, e 30% acredita que as depredações podem ser justificáveis em determinadas situações.

DESIGUALDADE — O segundo palestrante, o sociólogo Jessé José Freire de Souza, citou a desigualdade social como o grande problema a ser enfrentado pela sociedade brasileira. “A distribuição de renda e a desigualdade nunca são colocados em pauta. Em vez disso, sempre se coloca a corrupção como a raiz de todos os problemas brasileiros”, criticou.

Leandro Piquet Carneiro, que falou em seguida, acredita que a segurança pública esteja no centro das mobilizações, pois a violência “atinge diretamente a qualidade de vida da população”. Carneiro lembrou a baixa taxa de indiciamento por homicídio no Brasil, “é um crime praticamente impune”. Ele alertou para os fatores responsáveis pela impunidade, como a sobrecarga da justiça criminal e a falta de articulação entre os serviços de inteligência das polícias.

FRUSTRAÇÃO — Ao analisar a movimentação popular, a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) afirmou que “falta aos administradores públicos uma visão metropolitana dos problemas urbanos para resolvê-los de forma competente e criativa”. Ela criticou a ausência de soluções para curto e médio prazo, e considerou que a insatisfação popular, diante desse quadro, seja absolutamente normal. “A violência que temos visto é um desabafo, resultado das frustrações do dia a dia”.

Erundina, que foi prefeita de São Paulo, conhece bem as dificuldades dos paulistanos com o transporte coletivo caro e de má qualidade. “O transporte coletivo é um fator de produção e um insumo básico da economia e da manutenção das cidades”. Por isso, a deputada socialista reiterou a importância da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição, de sua autoria, pela Câmara dos Deputados. A PEC transforma o transporte em direito social do cidadão a ser incluído na Constituição Federal.

Para Erundina, as manifestações mostram também a frustração da população diante do fracasso de um governo que “prometeu fazer justiça social e ser democrático”. A socialista classificou o programa Bolsa Família como politicamente desmobilizador, citando pesquisa do IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) que mostra que o programa seria um dos responsáveis pelo esvaziamento do Programa Agricultura Familiar.  “Tirar as pessoas da linha de produção não é construir de cidadania, as famílias não estão evoluindo”.

A deputada também destacou o que considera “indiferença” do Parlamento e do governo em relação aos apelos da população. “É preocupante quando a própria chefe do governo está tão distanciada. Ela sequer tocou na questão do transporte e propôs medidas que já estão caducando no Congresso, pois há mais de uma década já se tinha consciência de que nosso sistema político havia se esvaziado”, falou, referindo-se à proposta de reforma política como uma das soluções para o país.

Fonte: Portal PSB Na Câmara

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Investigação sobre tiroteio em Buffalo analisa sinais de alerta

Uma investigação sobre o tiroteio no fim de semana em um supermercado no oeste de Nova York se voltará, nesta segunda-feira (16), para saber se as autoridades não perceberam sinais indicadores e bandeiras vermelhas deixados pelo atirador adolescente antes de sua matança racista. Autoridades disseram que Payton Gendron, de 18 anos, realizou um ato de “extremismo violento com motivação racial” quando abriu fogo com um rifle semiautomático no sábado (14) no Tops Friendly Market em Buffalo, onde 11 dos 13 mortos eram negros. “As evidências que descobrimos até agora não são enganosas. Este é um crime de ódio absolutamente racista que será processado como crime de ódio”, disse o comissário de polícia de Buffalo, Joseph Gramaglia, a repórteres no domingo (15). Além de buscar uma compreensão mais clara dos motivos do ataque de Gendron, as autoridades se concentrarão no que poderia ter sido feito para detê-lo, à medida que surgem detalhes do comportamento preocupante do adolescente no ensino médio e na sua atuação online. Gendron figurou no radar da polícia local em junho passado, quando a polícia o deteve depois que ele fez uma ameaça “generalizada” em sua escola, disse Gramaglia. Depois de uma avaliação de saúde mental na época, ele foi liberado após um dia e meio. Um manifesto de 180 páginas que circulou na internet – e que pode ter sido de autoria de Gendron -, delineava a Grande Teoria da Substituição, uma teoria de conspiração racista de que os brancos estavam sendo substituídos por minorias nos Estados Unidos e em outros lugares. Outro documento online, que também parece ter sido escrito por Gendron, esboça uma lista de tarefas para o ataque, incluindo limpar a arma e testar a transmissão ao vivo que ele usaria para transmitir o crime nas mídias sociais. Um porta-voz da promotoria do condado de Erie se recusou a comentar os documentos. Gendron se rendeu à polícia após o tiroteio. Fonte: EBC

Clipping
Inscrições para o Enem 2022 terminam no sábado

Os interessados em participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) têm até o próximo sábado (21) para fazer a inscrição, habilitando-se para as provas que serão aplicadas nos dias 13 e 20 de novembro. As inscrições para o Enem 2022, tanto para a edição impressa como para a digital, devem ser feitas na Página do Participante. Para acessá-la, clique aqui. A taxa é de R$ 85, e poderá ser paga via PIX, cartão de crédito ou por boleto bancário até o dia 27 deste mês. No momento da inscrição, o candidato escolhe se quer fazer a prova de língua estrangeira em inglês ou espanhol. Ele escolhe também se quer o exame impresso ou digital e informa se precisa de algum atendimento especial (acessibilidade, por exemplo). O estudante também preenche um questionário socioeconômico informando se já concluiu o ensino médio e outras informações cadastrais. Provas As provas serão nos dias 13 e 20 de novembro. Pela primeira vez, o candidato poderá apresentar a versão digital de documento de identificação no dia da prova. Serão aceitos e-título, Carteira de Habilitação Digital ou RG Digital. O candidato deverá abrir o aplicativo e apresentar o documento ao fiscal. Capturas de tela não serão aceitas. O exame terá quatro provas objetivas e uma redação em língua portuguesa. Cada prova objetiva terá 45 questões de múltipla escolha. No primeiro dia do exame, serão aplicadas as provas de linguagens, códigos e redação (língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, artes, educação física e tecnologias da informação e comunicação) e de ciências humanas e suas tecnologias (história, geografia, filosofia e sociologia). O tempo para realização da prova é de cinco horas e 30 minutos, contadas a partir da autorização do chefe de sala para o início das provas. No segundo dia do exame, serão aplicadas as provas de ciências da natureza (química, física e biologia) e matemática e suas tecnologias. No segundo dia, o tempo para realizar o exame é de cinco horas, contadas a partir da autorização do chefe de sala para o início das provas. Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no Portal do Inep até o terceiro dia útil após a última prova.

Clipping
Inmet prevê geada, neve e avanço do frio no país

A semana começará com geada na Campanha Gaúcha; neve em Santa Catarina e na Serra Gaúcha; frio adentrando na Região Centro-Oeste; e ventos cada vez mais forte no litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. É o que prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Tudo em decorrência da formação e deslocamento de uma frente fria pelo país, que deverá causar também chuvas fortes em áreas do Mato Grosso do Sul, no sul do Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais e em áreas de São Paulo e Rio de Janeiro. Ciclone subtropical Preocupados com a possibilidade de alguns efeitos mais extremos causados pela mudança no clima, o Inmet e a Marinha divulgaram uma nota conjunta na qual informam haver “condições favoráveis para a formação de um ciclone subtropical em alto-mar, na posição 36°S 042°W, aproximadamente 530 milhas náuticas (980 km) ao sul da costa do estado do Rio Grande do Sul, com rápido deslocamento para sudoeste e posterior deslocamento para oeste/noroeste, a partir da manhã do dia 16 de maio”. Ainda de acordo com a nota, caso as condições atmosféricas persistam, o sistema deverá ser classificado como “tempestade subtropical”. “A atuação deste sistema meteorológico poderá causar ventos de até 55 nós (100 km/h) no entorno do ciclone, principalmente nos setores leste e sudeste desse sistema, até a noite do dia 16 de maio”, complementa a nota. Na internet, a Marinha mantém atualizados os alertas de mau tempo. Informações meteorológicas podem ser visualizadas também por meio do aplicativo Boletim ao Mar, disponível para download para os sistemas Android e iOS. Terça-feira De acordo com o Inmet, a madrugada de terça-feira (17) é de formação de geada no norte de Santa Catarina e em grande parte do Paraná e no sul e sudoeste do Mato Grosso do Sul, podendo ser forte no centro e sul do Paraná. O instituto prevê queda mais acentuada nas temperaturas de áreas das regiões Centro-Oeste e Sudeste, bem como no sul da região Amazônica. “No decorrer do dia, um ciclone extratropical avança próximo ao litoral do Rio Grande do Sul intensificando ainda mais os ventos no sul e leste do estado. As rajadas de vento poderão ultrapassar os 100 km/h em algumas localidades do extremo sul do Rio Grande do Sul”, complementa o Inmet. Ainda segundo o instituto, a massa de ar frio continuará atuando em grande parte do Brasil até o final da semana. Fonte: EBC