Quase US$ 6 bilhões saem do Brasil em agosto, o maior valor de 2013

ÍndiceO Banco Central informou nesta quarta-feira (4) que a saída de dólares no país superou o ingresso de moeda estrangeira em US$ 5,85 bilhões em agosto – o maior valor para um mês fechado desde dezembro do ano passado, quando US$ 6,75 bilhões deixaram a economia brasileira.

Essa foi a terceira retirada consecutiva de dólares do país. Em junho, US$ 2,6 bilhões deixaram o Brasil e, em julho, outros US$ 1,44 bilhão saíram do país. Deste modo, US$ 9,9 bilhões foram levados para o exterior nos últimos três meses.

A saída de recursos no país registrada em agosto favorece, em tese, a alta do dólar. Isso porque, com menos moeda norte-americana no mercado, seu preço tende a ficar maior.

O dólar começou a subir com mais intensidade em meados do mês de maio. Com isso, os números do BC contrastam com declarações de integrantes da equipe econômica de que a alta da moeda norte-americana não seria acompanhada da saída de divisas da economia brasileira. Essa análise foi feita pelo chefe do Departamento Econômico da instituição, Tulio Maciel, e também pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Acumulado do ano
No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, porém, ainda há mais entrada que saída de dólares na economia brasileira. Neste período, foi contabilizado o ingresso de US$ 2,23 bilhões na economia brasileira. Isso representa uma queda expressiva de 90% frente a igual período do ano passado – quando a entrada de divisas no país somou US$ 22,98 bilhões.

Esse ingresso de valores registrado neste ano, entretanto, segundo operadores, também está relacionado com a captação da Petrobras no mercado externo de US$ 10 bilhões feita em maio. Não há informação exata, porém, sobre quanto desta operação foi, de fato, internalizado no Brasil.

A fraca entrada de dólares neste ano tem levantado a preocupação de economistas sobre o financiamento das contas externas. Desde 2005, somente um ano registrou fluxo negativo (2008, com a retirada de US$ 983 milhões do país). Em 2009, 2010, 2011 e 2012, houve entrada líquida de recursos de, respectivamente, US$ 28,7 bilhões, US$ 24,3 bilhões, US$ 65 bilhões e US$ 16,7 bilhões.

Impacto na cotação do dólar
A saída de recursos no país favorece a alta do dólar. Isso porque, com menos moeda norte-americana no mercado, seu preço tende a ficar maior. No fim de julho, o dólar estava em R$ 2,28. No fechamento de agosto, estava cotado a R$ 2,38, com alta de 4,5% no mês.

Economistas avaliam que, além da escassez de recursos direcionados para a economia brasileira, também consequência da retirada de estímulos nos Estados Unidos, a alta do dólar no Brasil está relacionada ainda com as expectativas negativas para o país – que tem se ressentido de um baixo crescimento do PIB e de uma inflação em alta, além de um aumento do déficit das contas externas. E também guarda relação com as movimentações do mercado futuro.

Programa do BC
Para conter uma alta maior do dólar, o Banco Central anunciou, no fim de agosto, que fará intervenções diárias no câmbio, pelo menos, até o fim deste ano – quer seja por meio de “swaps cambiais” – instrumentos que funcionam como venda de divisas no mercado futuro –  ou pela venda de dólares com compromisso de recompra.

Ao todo, o novo programa de oferta de “swaps cambiais” ao mercado envolverá cerca de US$ 37 bilhões entre o fim de agosto e o fechamento de 2013, ao mesmo tempo em que a oferta de linhas no mercado à vista, com compromisso de recompra, totalizará cerca de US$ 20 bilhões. Deste modo, o pacote total do BC envolve mais de US$ 55 bilhões neste ano.

O novo programa do BC se assemelha ao processo anunciado pela autoridade monetária em 2001 e 2002. Na ocasião, o diretor de Política Monetária da instituição, Luiz Fernando Figueiredo, informou que o BC iria atuar diariamente no mercado de câmbio, com vendas de recursos no mercado à vista. O processo ficou conhecido, naquele momento, por “ração diária”.

Fonte: G1

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL