“Seca é cíclica; soluções devem ser duradouras”, diz chefe da Embrapa Semiárido

Audiencia_Sergipe_Foto_Saul

O fenômeno climático da seca é antigo, cíclico, previsível e pode-se conviver com ele de maneira sustentável, desde que se faça uso de soluções tecnológicas e alternativas adequadas. Esta foi uma das afirmativas de destaque feitas pelo chefe-geral da Embrapa Semiárido (Petrolina, PE), Natoniel Franklin de Melo, em palestra sobre tecnologias da Embrapa aplicadas ao Semiárido, em audiência pública na Assembleia Legislativa de Sergipe, na última terça-feira (26).

Atendendo a convite do deputado estadual João Daniel, e acompanhado pelo chefe-geral da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE), Edson Diogo Tavares, Natoniel falou para um parlamento lotado de deputados, prefeitos de municípios castigados pela seca, agentes públicos das três esferas de governo, dirigentes de movimentos populares ligados ao campo e populações tradicionais – MST, Quilombolas, Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Sergipe (Fetase), entre outros.

Na audiência intitulada ‘Adaptação, desafios e perspectivas da seca no Semiárido’, o chefe de uma das oito Unidades da Embrapa localizadas no Nordeste fez uma caracterização da região e seus aspectos climáticos e de solo, além de abordar aspectos relevantes na adaptação do pequeno agricultor na região do Semiárido sergipano e nordestino. “O primeiro ponto que devemos ressaltar é que o Semiárido brasileiro não é uma região tão uniforme quanto se imagina. Dentro dele encontramos cerca de 110 unidades de paisagem distintas, com condições de clima, solo e vegetação diferentes, e as soluções devem ser adequadas a cada caso específico. Não dispomos de uma tecnologia que possa ser aplicada de forma geral a todo o Semiárido”, explica.

Outro aspecto crucial frisado pelo chefe-geral da Embrapa Semiárido é que a água é o componente essencial de todos os agroecossistemas em questão. Segundo ele, as tecnologias e alternativas de captação e aproveitamento da escassa água da região são o principal fator de uma convivência sustentável com a falta de chuvas. “As variadas técnicas de captação da água da chuva, extração de águas subterrâneas e tratamentos para redução de sua salinidade, a construção de barragens subterrâneas, entre outras, são fundamentais para que as tecnologias agrícolas tenham sucesso”, reforçou.

AUDIENCIA-SERGIPEEntre as soluções destacadas por Natoniel estão materiais genéticos desenvolvidos pela Embrapa e adaptados às condições do Semiárido, como as variedades de milho Gorutuba e Caatingueiro, o uso de inoculantes com bactérias diazotróficas que dão maior resistência às plantas nessas condições, técnicas de manejo adequado das culturas e sugestões de diversificação da produção com fruteiras resistentes à seca, como o umbuzeiro e forrageiras e leguminosas que podem servir de alimento para os animais, como o sorgo e a gliricídia. O pesquisador defendeu medidas de natureza não emergencial, mas estruturantes e duradouras. “Num período de seca severa como estamos atravessando agora, não há muito o que se fazer a não ser se preparar para o longo prazo, com implementação de práticas que se tornem de fato políticas de Estado”, defendeu.

Após a palestra, os participantes da audiência puderam compartilhar suas opiniões e sugestões para soluções e medidas de enfrentamento à seca. A ideia é que as representações das instituições federais em Sergipe, como a Universidade e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, a Conab BA/SE, Embrapa, ministérios, Incra e outros unam forças com os agentes públicos e produtores do estado para agir com rapidez e implantar soluções viáveis e efetivas.

Para o deputado João Daniel, esse é um tema muito importante para a região Nordeste do Brasil e especialmente para Sergipe. “O mundo inteiro vive esse problema e temos que nos preparar porque as consequências são muito graves, e já estão diante de nós”, declarou.

Fonte: Gazzeta

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL