Mesmo com mais instrução, mulher ainda recebe menos

Números servem para consolidar aquilo que talvez palavras não tenham total força para comprovar. E como muito se diz sobre as disparidades sociais enfrentadas pelas mulheres no Brasil, essa pode ser a principal (mas não a única) importância do primeiro Anuário das Mulheres Brasileiras 2011, formulado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socieconômicos (Dieese), que foi apresentado ontem na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Foram utilizadas as principais e mais recentes bases de dados disponíveis, de 2009, como a Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio (Pnad) e a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). Dividido em oito capítulos, compila questões referentes à demografia, família, trabalho doméstico, educação, saúde e espaços de poder, e faz um retrato da situação feminina no Brasil. As mulheres não são apenas a maioria da população brasileira (51,3%, das quais metade declarou-se negra), mas o gênero mais instruído (as “não negras” têm a maior média de anos de estudos, 9,7 anos), embora ainda receba os menores salários e sejam minoria no mercado de trabalho: 52,7% contra os 72,3% de homens.

A técnica do Dieese Nacional, Patrícia Costa, destacou que as mulheres ainda passam por dificuldade em ocupar setores com maiores remunerações e menos precarizados. Serviços domésticos é o setor que mais emprega mulheres (17%), seguido por comércio e reparação (16,8%), educação, saúde e serviços sociais (16,7%) e ainda os setores da indústria de transformação (12,4%) e agrícola (12,2%).

É alto o índice de mulheres em atividades ligadas ao consumo próprio (59,7%) e ao trabalho não remunerado (como é o caso das donas de casa, com 58,2%). Outro dado interessante no mercado de trabalho é a diferença entre homens e mulheres empregadores. São 73,7% contra 26,3%, respectivamente. Os rendimentos femininos são sempre inferiores aos dos homens, então núcleos familiares chefiados por mulheres com filhos pequenos, sem cônjuge, tendem a ter situação econômica mais precária.

Fonte: Folha de Pernambuco

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
PSB em Petrolina recebe novos filiados

O Diretório Municipal do PSB ganhou reforço na noite desta sexta-feira (PSB), em Petrolina, com 86 novos filiados. O ato aconteceu na sede da Frente Popular de Pernambuco e foi organizado pelo deputado federal Gonzaga Patriota, presidente da comissão provisória do PSB na cidade. O parlamentar destacou o fortalecimento do partido com as novas adesões. “São nomes que vão contribuir bastante para o nosso fortalecimento na região. Sem dúvida, o PSB chegará forte nas eleições do próximo ano para assumir um compromisso com Petrolina”, acrescentou. Patriota destacou a história do PSB e a importância da renovação partidária e de novas bases no partido. “Estou há 29 anos no PSB, um partido que contribuiu e vem contribuindo muito para o crescimento do Brasil e de Pernambuco. Temos uma história rica e bem construída, nomes fortes que passaram por esse partido, como Eduardo Campos que deixou um grande legado. Temos que continuar escrevendo essa história com linhas sérias e cheias de garras e honradez”, afirmou sob aplausos. O deputado também explicou a ausência do deputado estadual Lucas Ramos. “O deputado Lucas Ramos, nosso pré-candidato a prefeito, não pôde está presente por conta de outros compromissos, mas vamos ter uma nova filiação com a presença dele”, disse. As novas filiações fazem parte da estratégia da cúpula regional de fortalecimento dos quadros da legenda para as eleições municipais de 2020.

Clipping
Cresce emprego formal na construção pesada

Pelo terceiro mês seguido, o emprego formal na construção pesada cresceu no Rio. Isso é bom. Mas há muito por fazer, ainda.  Isso porque o número de trabalhadores com carteira assinada no setor (63 mil) ainda é menor do que o de quase todos os anos anteriores desde o início da série histórica: 2006.  O único ano com um resultado pior foi 2018: 60 mil. No total do país, contudo, já há mais trabalhadores na construção pesada agora (669 mil) do que em 2018, 2017, 2016, 2007 e 2006

Clipping
ONU revela que cerca de 7 mil recém-nascidos morrem diariamente em todo o mundo

Relatório divulgado por agências das Nações Unidas estima que quase 7 mil bebês morrem todos os dias antes de completar um mês de vida, e pede aos países s que adotem medidas para melhorar a situação. A Organização Mundial da Saúde, OMS, e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciaram que as taxas de sobrevivência de recém-nascidos vêm melhorando desde 2000, mas cerca de 2,5 milhões de bebês morreram em 2018. Segundo o relatório, uma em cada 37 mulheres na África Subsaariana morre durante a gestação ou o parto. O documento lembra que mulheres no parto e seus bebês enfrentam risco maior em países em que há conflitos ou crise humanitária, como Síria e Venezuela, por não terem acesso a tratamentos essenciais. (Rede Ebc)