No Nordeste, motos “roubam” lugar de jegues e dominam tarefas rurais

Práticas para fugir dos congestionamentos nas grandes cidades, as motos também são aliadas dos moradores rurais do interior do Nordeste. Se no século passado elas eram apenas sonho de consumo para a população do campo, com a popularização dos financiamentos elas se tornaram comuns em serviços como transportar leite, tanger o gado e facilitar as viagens para as cidades. Atividades que, aos poucos, substituem o uso de jegues e cavalos.

Nos últimos dez anos, a quantidade de motos no Nordeste disparou. Em 2001, eram 766.886 motocicletas registradas pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), o que significava 18% da frota regional. Em junho de 2011, a quantidade de motocicletas era de 3.662.463, um crescimento de 377% em dez anos e que hoje representa 36% da frota da região – no país, essa média é de 21%. O número de motos já é maior que o de automóveis em três dos nove Estados nordestinos – Ceará, Maranhão e Piauí.

A venda de motos cresce em ritmo bem mais acelerado no interior do que nas capitais. E o cliente da zona rural representa parte desse sucesso nas vendas. “Hoje, de cada três clientes, um vem para abandonar o cavalo ou o jegue”, afirmou João Carlos Bezerra, vendedor de motos em Caruaru (130 km do Recife).

Muitas são as histórias de pessoas que trocaram os animais pelas motos. Antônio Manoel dos Santos, 32, mora na zona rural de Caruaru e comprou uma moto no final de 2008. Hoje, ele a usa diariamente para fazer um serviço que antes era quase uma exclusividade dos jegues: levar o leite das fazendas para as cidades.

“Faço duas viagens de 10 km por dia, carrego até 100 litros de leite em cada viagem. Com um animal, poderia levar o mesmo leite, mas demoraria duas horas para chegar. Com a moto, em dias de chuva, levo no máximo 20 minutos”, informou o pequeno produtor, que financiou a moto em 48 prestações de pouco mais de R$ 200.

Outra tarefa em que as motos vêm ganhando espaço é o de tanger o gado, antes executada por cavaleiros. “O cavalo ainda tem sua utilidade e sempre terá para os terrenos de montanha, de acesso difícil. Mas a moto facilita tudo, ajuda a juntar o gado e não deixar nenhum animal escapar”, afirmou o vaqueiro Manoel Florêncio, 58, durante o tradicional serviço de fim de tarde de levar o gado do pasto para o curral.

A moto também facilita a ida ao trabalho e o acesso dos moradores do campo às cidades, visto que muitos municípios proíbem a parada de animais nas ruas. “Antes ia muito pouco para a rua, porque se a gente estacionar o cavalo, a polícia vem e leva. Hoje, com a moto, posso ir sempre. Além disso, venho para o trabalho de moto e deixo meu cavalo em casa, só uso para passear”, afirmou o ordenhador e criador de vacas Arlindo Manuel, 48.

De olho nos colegas de moto, João Martins, 27, começou a pagar um consórcio no mês passado para, nos próximos meses, também ter uma moto. Como trabalha a 20 metros de sua casa, cuidando de um curral, ele admite que o meio de transporte será usado para uma finalidade pouco indicada. “Com ela vou poder deixar minha égua e tomar cachaça com meus amigos”, disse, aos risos, negando riscos de combinar direção e bebida. “É aqui pertinho, não tem nem carro no caminho. No máximo caio e só eu fico ferido”, disse.

Fonte: Notícias Uol

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Brasil e Japão assinam acordo para desenvolver agricultura digital

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o governo japonês, por meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), firmaram um projeto de cooperação para o desenvolvimento da agricultura digital e de precisão no Brasil. As primeiras ações do projeto estão previstas para segundo semestre de 2022. O projeto Desenvolvimento Colaborativo da Agricultura de Precisão e Digital para o Fortalecimento do Ecossistema de Inovação e a Sustentabilidade do Agro Brasileiro visa promover o desenvolvimento de tecnologias agroindustriais sustentáveis, melhorar a produtividade e a sustentabilidade ambiental, e a rentabilidade do setor agrícola por meio da colaboração público-privada entre o Japão e o Brasil. A iniciativa pretende apoiar o estabelecimento de uma plataforma de dados digitais da agropecuária. Além de apoio ao ecossistema de inovação agropecuária no Brasil, o projeto tem como principais componentes o desenvolvimento de uma plataforma de dados da agropecuária brasileira para disseminação de tecnologias e informações e a execução de três projetos piloto nas cadeias produtivas de pecuária de corte, grãos e sistemas agroflorestais. Fonte: DP

Clipping
Famílias de renda baixa sentem mais a inflação, aponta Ipea

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, neste domingo (15), os dados de abril do indicador de inflação por faixa de renda. O indicador apontou que a alta inflacionária foi maior para as famílias de menor renda do que as de renda mais alta no período. Para as famílias de renda mais alta, a inflação variou 1%. Já para as famílias de renda mais baixa, 1,06%. Os dados acumulados no ano, de janeiro a abril, indicam índices de inflação de 3,7% para o segmento de renda alta e 4,5% para o segmento de renda muito baixa. Famílias de renda baixa As famílias de renda mais sentiram a pressão dos preços dos alimentos, ancorados pelos itens da cesta básica. O item “alimentação e bebidas” respondeu por 61% de do apurado em abril, com destaque para as altas do arroz (2,2%), feijão (7,1%), macarrão (3,5%), batata (18,3%), leite (10,3%), frango (2,4%), ovos (2,2%), pão francês (4,5%) e óleo de soja (8,2%). A segunda maior contribuição veio do grupo “saúde e cuidados pessoais”, por meio da alta de 6,1% dos medicamentos.O Ipea aponta ainda que a redução de 6,3% nas tarifas de energia elétrica atenuou a alta inflacionária para todas as faixas de renda. E esse alívio foi maior para as famílias de renda mais baixa que refletiu no consumo. Famílias de renda alta Já as famílias de renda mais alta foram atingidas pelo grupo “transportes”, responsável por 60% de toda a inflação registrada em abril, refletindo os reajustes das passagens aéreas (9,5%), do transporte por aplicativo (4,1%), da gasolina (2,5%), do etanol (8,4%) e do diesel (4,5%). Demais grupos, como medicamentos, as altas dos preços dos serviços pessoais (recreação, por exemplo), também elevaram a inflação dessas famílias.Em 12 mesesNo acumulado em 12 meses, as famílias de renda muito baixa, com renda domiciliar menor que R$ 1.726,01, apresentaram a maior alta inflacionária, com a índice de 12,7%, enquanto as famílias de renda alta, com renda domiciliar superior a R$ 17.260,14, registraram uma variação acumulada de 10,8%. Fonte: DP

Clipping
Pernambuco descarta um dos três casos suspeitos de hepatite aguda grave; paciente estava com chikungunya

Um dos três casos suspeitos de hepatite aguda grave notificados em Pernambuco foi descartado. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (16), pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE). De acordo com a pasta, a ocorrência descartada foi a de um adolescente de 14 anos, do sexo masculino, residente no município de Salgueiro, no Sertão do Estado. Os exames do jovem deram positivo para chikungunya, descartando, assim, a notificação de caso provável para hepatite. O paciente está internado no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), na Zona Oeste do Recife, onde segue recebendo tratamento. Ainda segundo a SES, agora, Pernambuco investiga dois casos suspeitos da doença: o de uma criança de 1 ano, do sexo masculino, que foi acompanhada no Hospital Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, no Agreste, e que já recebeu alta hospitalar; e o de uma criança do sexo feminino, de 3 anos, residente do município de Glória do Goitá, na Mata Zul do Estado, que segue internada no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), na área central do Recife. “As investigações dos dois casos continuam em andamento, com a realização de exames complementares para análise laboratorial das hepatites virais, agentes possivelmente relacionados a este tipo de hepatite e outras doenças, assim como as investigações epidemiológicas realizadas junto aos municípios de residência dos pacientes”, afirmou a SES. A pasta informou, ainda, que, em paralelo ao acompanhamento dos casos suspeitos, segue em contato com toda a rede de saúde e especialistas, realizando reuniões com representantes da Sociedade de Pediatria de Pernambuco (Sopepe) para discussão dos casos e definição de fluxos assistenciais e de vigilância. Fonte: Edenevaldo Alves