Defesa da memória da cidade parte da população

Atos públicos em defesas de edificações em risco não têm sido raros no Recife. O Edifício Caiçara, localizado na Avenida Boa Viagem, foi objeto de comoção popular com protesto e petição, o que gerou o início do processo de tombamento pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe). Recentemente, o Cais José Estelita também foi palco de manifestações por causa da possibilidade de seus armazéns serem derrubados para a construção de treze torres, idealizadas no projeto Novo Recife.

Em meio a discussões sobre a preservação da memória da cidade, algumas dúvidas existem: como a população civil deve declarar seu desejo de transformar um bem privado em patrimônio público? Até que ponto o proprietário do imóvel pode interferir por se sentir prejudicado?

Qualquer pessoa pode ajudar a decidir o que é patrimônio público. Cidadãos, instituições e grupos civis organizados podem propor o tombamento e a preservação de bens privados, se for entendido por eles que tal local representa parte da identidade, história ou cultura da cidade e de sua população.

É possível pedir a preservação do imóvel em três esferas: municipal, estadual e federal. O caminho de iniciativa popular em todas é bastante parecido: deve-se enviar proposta, com descrição detalhada do bem (endereço, delimitação da área, nome do proprietário, caracterização) e razões de seu tombamento para o órgão responsável, que realiza estudo do caso e analisa sua importância histórica e cultural. A Secretaria da Cultura é a responsável a nível municipal, a Fundarpe a nível estadual e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a nível federal.

Na esfera municipal do Recife não existe tombamento, mas a classificação do bem como Imóvel Especial de Preservação (IEP). Apesar de não haver inscrição no Livro do Tombo, o efeito é muito similar: caso haja reconhecimento de seu valor para a identidade do Recife, fica proibida a destruição ou alteração de sua estrutura.

Direitos do proprietário

Quando o proprietário é notificado sobre o tombamento de seu patrimônio, ele tem a possibilidade de contestar o processo. Seu pedido de análise será estudado, mas já que pedidos de preservação refletem o interesse coletivo, isso não significa a paralisação da ação.

Se o bem for tombado, ele não deixa de pertencer a seu proprietário. O dono do imóvel que é declarado como patrimônio não pode descaracterizá-lo ou destruí-lo, mas possui seus direitos de posse, podendo, por exemplo, vendê-lo ou alugá-lo.

Há ainda a possibilidade de incentivos fiscais. Caso o bem seja tombado pelo Iphan, a dedução fiscal pode chegar a 80% do valor gasto com manutenção e restauração do imóvel. Em nível municipal, é possível pedir a isenção total ou parcial do IPTU.

O Estado não é responsável pela tributação imobiliária, logo, em nível estadual, não existe essa dedução. No entanto, anualmente, existe a oferta de recursos para bens tombados com o edital do Funcultura em Pernambuco.

asos de movimentação sobre Direitos Urbanos do Recife

Caiçara

O Edifício Caiçara, construído na década de 40, contém três pavimentos e ainda sobrevive em meio aos espigões da orla da Boa Viagem. Em estilo neocolonial tardio, o pequeno prédio de seis apartamentos é alvo de disputa entre representantes da população civil que desejam preservá-lo e especulação imobiliária, que pretende construir um novo empreendimento em seu lugar.

Em setembro de 2011 foi criada uma petição virtual, que, atualmente, conta com 1529 assinaturas. O protesto afirma que “demoli-lo seria destruir um pedaço da memória da cidade”. Além do abaixo- assinado, membros do movimento Salve o Caiçara entregaram para Fernando Duarte, Secretário da Cultura, documento com solicitação do tombamento.

Augusto Paashaus, assessor jurídico da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), comenta o andamento do caso. “O tombamento do Edifício Caiçara está em processo conforme a legislação estadual. A primeira fase, que foi a entrega do pedido de tombamento ao secretário, foi deferida e publicada no Diário Oficial. A segunda fase, que é a notificação dos proprietários via cartório, está em andamento”. Ele explica que após a notificação
há um prazo de trinta dias para anuir ou contestar o tombamento. “Já recebi uma contestação”, afirma. “Infelizmente não há prazo para a finalização do caso. Processos judicias são lentos”. Augusto diz acreditar que devam haver mudanças na legislação na área de preservação do patrimônio. “Só assim daremos celeridade ao processo”.

Ocupe Estelita

O movimento em prol da preservação dos armazéns do Cais José Estelita também teve grande força na internet. A petição contra o projeto Novo Recife, hoje com 3520 assinaturas, foi um dos meios de mobilização utilizados pelo contrários à demolição. Manifestações presenciais que se dispuseram a criar espaços de convívio no entorno do Cais – destino que os manifestantes acreditam que deva ser dado aos armazéns – chamaram atenção para a causa.

Para obter mais informações:

Departamento de Preservação do Patrimônio Cultural (DPPC), Secretaria da Cultura
Av. Cais do Apolo, 925, Bairro do Recife
(81) 3355.6291 / 3355.6290

Fundarpe
Rua da Aurora, 463/469, 2° andar, Boa Vista
(81) 3184-3000

Iphan
Palácio da Soledade – Rua Oliveira Lima, nº824, Boa Vista
[email protected]
(81) 3228-3011

Fonte: Diário de Pernambuco

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Restrições para servidores públicos e pré-candidatos às eleições de outubro passam a valer a partir de hoje (2), três meses antes do primeiro turno.  As medidas estão previstas na Lei nº 9.504/1997, conhecida como Lei das Eleições, e objetivam manter o equilíbrio entre os candidatos.  Políticos estão proibidos de autorizar a veiculação de publicidade estatal sobre os atos de governo, realização de obras, campanhas de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, exceto no caso de grave e urgente necessidade pública. Nesse caso, a veiculação deverá ser autorizada pela Justiça Eleitoral.  Eles também não podem fazer pronunciamento oficial em cadeia de rádio de televisão, salvo em casos de questões urgentes e relevantes, cuja autorização também dependerá de autorização da Justiça Eleitoral.   A participação em inaugurações de obras públicas também está vedada, além da contratação de shows artísticos com dinheiro público.  Durante o período eleitoral, funcionários públicos não podem ser contratados, demitidos ou transferidos até a posse dos eleitos.  No entanto, estão liberadas a exoneração e a nomeação de cargos em comissão e funções de confiança, além das nomeações de aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2022.  Em julho, o calendário eleitoral também prevê outras datas importantes para o pleito.  De 20 de julho até 5 de agosto, os partidos deverão realizar suas convenções para escolher oficialmente os candidatos que vão disputar as eleições.  A partir do dia 20, candidatos, partidos políticos, coligações e federações terão direito à solicitação de direito de resposta por afirmações consideradas caluniosas, difamatórias ou sabidamente inverídicas que forem publicadas por veículos de comunicação social.  O primeiro turno será realizado no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno  para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro.  Fonte EBC

Clipping
Brasil ganha 4,3 milhões de eleitores desde 2020

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registra, hoje, 152 milhões de brasileiros aptos a votar. O número é 2,9% maior do que a quantidade de eleitores em 2020, quando 147 milhões de pessoas podiam ir às urnas. Esse também é o patamar mais alto desde 2008, ano do primeiro registro histórico listado nas estatísticas do TSE. Nesses últimos 14 anos, o número máximo de eleitores havia sido alcançado em 2019 — 147,8 milhões. A evolução do número de aptos ao voto só registrou queda em 2020, quando houve redução de quase 2 milhões de votantes em relação ao ano anterior. A maior parte da população habilitada ao pleito de outubro tem entre 45 a 59 anos, é mulher e possui ensino médio completo. Ao todo, 53% da população que deve ir às urnas em outubro é do gênero feminino, 26,72% tem grau de instrução até o ensino médio e 22,87% têm ensino fundamental incompleto. Entre jovens de 16 e 17 anos, público-alvo de campanhas de incentivo ao título de eleitor neste ano, são mais de 2,5 milhões de aptos. Os dados contribuem para entender como será definida a eleição marcada para exatos 93 dias. Confira datas importantes do calendário eleitoral: Confira datas importantes do calendário eleitoral:

Clipping
Redução dos impostos começa a baixar o preço da gasolina em postos

A redução de impostos continua provocando baixa no preço dos combustíveis e chegou a R$ 6,43 em alguns revendedores de Brasília. Esse era o valor cobrado pelo litro da gasolina em um posto ao lado do Palácio do Buriti. Segundo o presidente do Sindicombustíveis-DF, Paulo Tavares, a queda se deve à zeragem do PIS/Cofins, que são tributos federais, e à redução do ICMS, um imposto estadual. Ele observou que a Lei Complementar 192/2022 determinou o cálculo do ICMS com base na média dos últimos 60 meses. A lei definiu, ainda, que o ICMS incidirá uma única vez sobre os combustíveis, com alíquota única em âmbito nacional. A medida foi contestada pelos estados no Supremo Tribunal Federal (STF). Em 17 de junho, o ministro André Mendonça reafirmou a validade da lei, que entrou em vigor ontem. Os governadores, porém, recorreram.O presidente do Sindicombustíveis-DF, lembrou que, no caso dos impostos federais, a redução vale apenas até 31 de dezembro. Em janeiro do ano que vem, volta para o preço”, disse. “Temos também a queda devido ao ICMS, ou seja, o governo passou a arrecadar menos R$ 0,50 por litro de gasolina a partir de hoje.” Tavares explicou que, até o momento, o impacto da queda das alíquotas de impostos gira em torno de R$ 1. “A queda vai depender da distribuidora repassar tudo aos revendedores, e dos estoques”, afirmou. “Agora, se vai permanecer caindo ou não, depende do STF.” De acordo com o presidente do Sindicombustíveis-DF, se o STF julgar que a Lei Complementar é inconstitucional, porque obriga os governadores a terem uma alíquota de ICMS única, não haverá novas quedas de preço. “Mas se ele disser que é constitucional, os preços vão cair mais uns R$ 0,40, ou seja, a gasolina poderá ficar entre R$ 5,99 e R$ 6,50, dependendo do revendedor.” Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a nível nacional, o preço do litro da gasolina caiu do recorde histórico de R$ 7,390, na semana passada, para R$ 7,127. O preço médio em São Paulo passou de R$ 6,974 para R$ 6,697 nas duas últimas semanas. Em Goiás, também houve redução da gasolina: de R$ 7,478 para R$ 7,078. Fonte: DP