Em meio à crise, parte da Europa prospera com crescimento, emprego e baixa dívida

Renovação da estação principal de trem de Viena. Foto: StrabagO menor nível de desemprego desde os anos 1990, contas públicas saudáveis, ótimo crédito do governo nos mercados, inflação sob controle e crescimento econômico estável.

A descrição acima poderia ser a de vários países do mundo antes da crise econômica internacional que começou em 2008. Mas ela se encaixa também no cenário atual de alguns países da Europa que, em meio à pior recessão do continente desde o final da Segunda Guerra, estão em relativa prosperidade.

Enquanto o sul europeu agoniza, nações ao norte mantêm alguns índices comparáveis ao pré-crise, mostrando que a recessão está aumentando a desigualdade dentro do bloco econômico regional.

A Alemanha é um dos países que mais se destaca na Europa do norte. No começo deste ano, quando a Europa começava o segundo mergulho da sua recessão, o desemprego alemão alcançou o menor patamar desde a reunificação do país, em 1990.

A previsão do FMI é de que a economia alemã vai crescer 0,9% este ano. O índice pode parecer baixo, mas em termos absolutos significa US$ 32 bilhões – quase o mesmo valor do Brasil, cuja previsão de crescimento é de 1,5% em 2012. Já as economias de Grécia, Espanha e Itália vão contrair US$ 90 bilhões neste ano.

Um dos motivos do bom desempenho alemão é que o país consegue continuar exportando mesmo em meio à crise. Dados deste mês da Associação de Câmeras de Indústria e Comércio (DIHK) indicam que as exportações alemãs vão crescer 4% este ano, quando a Europa voltou a desacelerar.

“As exportações alemãs são muito diversificadas e não dependem apenas de um mercado”, explica à BBC Brasil o economista Ilja Nothnagel, da DIHK. “Enquanto outros países europeus como Portugal exportam um quarto da sua pauta para apenas um parceiro comercial, neste caso a Espanha, a Alemanha concentra pouco as exportações. A França, maior destino das exportações alemãs, recebe apenas 9,5% da pauta. Então quando vem a crise, a Alemanha está melhor posicionada do que os demais.”

Ele diz que tanto as exportações quanto o mercado interno tiveram papel importante em manter o baixo nível de desemprego. Desde o começo do ano, o desemprego alemão não ultrapassou 5,6% – quase metade da média da União Europeia e no mesmo nível que a taxa brasileira.

“O bom desempenho da economia alemã é liderado pelas exportações, mas também há uma porção grande de empregos que depende do mercado interno”, diz Nothnagel.

“Tivemos uma mudança importante que surgiu durante a crise. O desemprego só aumentou um pouco durante a crise, porque entrou em vigor um novo esquema do governo.”

O esquema permite que empresas cuja produção cai abaixo de 60% – por falta de pedidos – possam recorrer à ajuda do governo. Nesses casos, o empregador usa seus trabalhadores em apenas 60% do tempo e paga essa proporção do salário. O resto é coberto pela agência de trabalho do governo.

“No momento em que os pedidos crescessem novamente, bastava a empresa usar seus trabalhadores em turno integral. Isso manteve o desemprego bastante baixo na Alemanha. A reação às quedas e aumentos de pedidos ficou bastante rápida, e também não havia grandes custos demitindo e recontratando pessoas.”

‘Pleno emprego’ austríaco

Em termos de desemprego, um país se destaca ainda mais do que a Alemanha. A Áustria possui uma taxa de 4,5% – a menor de toda a Europa. Um contraste enorme com a Espanha, onde um em cada quatro trabalhadores está sem emprego.

Porto de Hamburgo. Foto: ReutersPrevisão é que exportações alemãs crescerão 4% este ano, mesmo com crise europeia

Alguns economistas argumentam que o índice austríaco é tão baixo que o país pode ser considerado em situação de pleno emprego.

A empresa de construção civil Strabag – uma das maiores empregadoras do país – atua em toda a Europa. Durante a crise, o número de empregados variou em quase todos os países onde a empresa atua. No entanto, a Strabag emprega praticamente o mesmo número de pessoas há quatro anos – 10 mil.

“A Áustria não foi afetada tão fortemente pela crise. Nós ainda temos um setor de tecnologia de ponta, relativamente baixo endividamento público e um sistema fiscal que facilita o empreendedorismo. A Áustria é um porto seguro em comparação com outros países europeus”, disse à BBC Brasil a porta-voz da empresa, Diana Klein.

Ela afirma que mesmo com o alto número de pessoas já empregadas no país, a empresa ainda tem espaço para novos funcionários. No momento, há uma demanda na Áustria por trabalhadores com nível universitários, como engenheiros civis e matemáticos.

Enquanto o mercado austríaco se mantém estável, em outros países há grande flutuação na força de trabalho. Países como República Checa e Hungria estão com desemprego em alta devido ao impacto da crise europeia na construção civil. Já em mercados que passam por booms imobiliários neste momento – como Polônia e Alemanha – a Strabag está recrutando novos funcionários.

Dívida sueca

Duas Europas

 

O país ‘ideal’ tem:

 

  • o desemprego da Áustria: 4,5%
  • o crescimento econômico da Eslováquia: 2,6% em 2012 (previsão)
  • o endividamento da Estônia: 6% do PIB
  • o juro em título do governo da Alemanha: 1,4%

 

O país dos ‘pesadelos’ tem:

 

  • o desemprego da Espanha: 25%
  • o crescimento econômico da Grécia: -4,7%
  • o endividamento da Grécia: 165%
  • o juro em título do governo da Grécia: 18%

 

Dados: Eurostats, Trading Economics, FMI e Banco Mundial.

 

O baixo endividamento público citado pela empresa austríaca é um dos fatores que ajudou outro país do norte da Europa a mitigar os impactos da crise europeia.

A dívida pública da Suécia corresponde a 38,5% do seu PIB, uma das mais baixas da Europa.

Um estudo do economista Lars Calmfors, da Universidade de Estocolmo, afirma que após uma grave crise fiscal nos anos 1990, o país passou por uma grande reforma para reduzir o nível do seu endividamento, com medidas de austeridade e metas rígidas de gastos público.

Grande parte dessas medidas – como reforma do sistema de pensões e responsabilidade fiscal – são semelhantes às que estão sendo impostas a países do sul da Europa. A diferença é que elas foram feitas na Suécia em um momento em que a economia global estava em expansão.

“O principal benefício (para a população) é que não precisamos passar por medidas de austeridade fiscal em períodos de recessão na economia global. Nós tivemos espaço até para estímulo fiscal durante a recessão de 2008 e 2009, e não precisamos cortar gastos públicos ou aumentar impostos”, disse Calmfors, à BBC Brasil.

“Veja o caso do Reino Unido, da Irlanda e do sul da Europa. Eles tiveram que adotar verdadeiros programas de austeridade fiscal que reduziram a demanda e contribuíram para crescimento muito baixo ou até negativo. Nós evitamos isso e tivemos até um pouco de estímulo.”

A economia da Suécia teve forte contração no primeiro momento da crise, com queda de 5,5% em 2009, mas já em 2010 o país cresceu 6,6%.

Outra vantagem da baixa dívida pública é que o país pode tomar empréstimos mais baratos no mercado internacional, pois – com riscos menores – os juros cobrados nos seus títulos são mais baratos.

Atualmente, os títulos de 10 anos da dívida sueca pagam juros de 1,5% ao ano. Já o governo da Grécia – cuja dívida é 165% de seu PIB – só consegue empréstimos a juros na faixa de 18% ao ano – comparável ao cobrado por cartões de crédito.

Fonte: BBC Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL