Estudo sobre violência no futebol nacional indica 2012 como ano com mais mortes na história

São apenas nove meses concluídos, mas 2012 já desponta para o estudo da violência no futebol brasileiro como ano com maior número de mortes. O levantamento é do sociólogo carioca Mauricio Murad, que se dedica há duas décadas à compreensão social de incidentes envolvendo torcidas e que acaba de lançar um livro a respeito do tema.

Até o final de setembro, o Brasil registra 17 mortes comprovadamente relacionadas a conflitos entre torcedores. No entanto, segundo Murad, a tendência é que a estatística complete o ano com mais óbitos registrados.

“Podemos dizer que 2012, somente até o final setembro, ainda com um trimestre pela frente, tem comprovados 17 mortos. Nunca se matou tanto torcedor no Brasil como em 2012. Isso porque só contabiliza como morto aquele homicídio cujo inquérito policial aponta consequência de briga entre torcidas organizadas. Não tem achismo aí. O número pode aumentar ainda, pois temos cinco possibilidades de óbitos, em inquéritos que não foram concluídos, mas cujos sinais apontam mortes em conflito de torcida. Pode aumentar de 17 para 22”, afirmou o sociólogo, autor de “Para entender a violência no futebol“, da Editora Benvirá.

Os dados acima não constam na obra recentemente lançada pelo sociólogo, cujo período de análise se restringe a dez anos, entre 1999 e 2008. Mas já neste período Murad destaca o crescimento exponencial de casos que terminam em mortes no embate entre torcidas [ver tabela acima].

Na pesquisa, o especialista detecta o fenômeno de descentralização de casos de metrópoles rumo a capitais de médio porte, que antigamente não figuravam com relevância no mapa de incidentes. Murad trata especificamente a cena em Goiânia e Fortaleza como alarmantes, mas ressalta que os números acompanham índices gerais de violência nestes locais: “As duas cidades apresentam índices altíssimos de violência no futebol. Mas estes números vêm acompanhando um altíssimo grau de violência no geral, com avanço em agressão a mulheres, deficientes, agressão sexual, assassinatos de gays”.

A obra do sociólogo fala ainda sobre a tendência atual de infiltração do tráfico de drogas em torcidas organizadas e descreve como as facções operam internamente, às vezes com hierarquia de moldes militares, com pelotões e destacamentos, ou em padrões mafiosos, dividida em “famílias”.

Murad ainda critica a passividade do estado em relação à desvantagem na contenção da violência no futebol. O autor sugere uma articulação nacional que integre diferentes esferas de atuação pública.

“Vejo necessário um plano estratégico nacional. O Rio já avançou muito nisso, diante da demanda recente, mas o Nordeste, por exemplo, ainda está extremamente atrasado. Você vê casos de torcedor entrar armado no estádio, passar pela roleta armado, sem nenhum tipo de controle. É preciso que exista uma rede entre as policiais do país, em ligação com órgãos da Justiça, do Ministério Público de cada estado. Tudo com a articulação do Ministério Esporte e o da Justiça”, opina.

“Eu já ofereci estes estudos a autoridades. É preciso que elas assumam suas obrigações constitucionais, na luta para redução destes dados dramáticos de insegurança e agressão no futebol brasileiro”, acrescenta.

O estudioso sugere no livro um processo que combine punição, prevenção e reeducação. O sociólogo fala em trabalho de inteligência na contenção de casos e joga luz especificamente sobre a necessidade de atuação na internet para a prevenção de conflitos.

“A internet tem que ser monitorada. O rastreamento eletrônico já provou ser um sucesso. E tem legislação para isso, a lei do crime organizado, de 1995. Ela permite o rastreamento de redes sociais, a quebra sigilo telefônico e eletrônico. Basta um órgão policial solicitar ao juiz, e, se ele entender como um ato necessário, autoriza. Existem as delegacias de crimes eletrônicos. É uma atuação mais do que necessária para que se desmonte esses grupos delinquentes”, argumenta.

Sociólogo formado pela UFRJ, onde criou o núcleo de sociologia do futebol em 1990, Murad atualmente é professor titular da Universidade Salgado de Oliveira (Universo), em Niterói. O acadêmico trabalhou na Uefa por dois anos e meio, durante a década de 90, em estudos sobre a violência de torcidas em 16 países filiados à entidade europeia.

ESPECIALISTA CRITICA ABORDAGEM PADRÃO DA MÍDIA NA COBERTURA DA VIOLÊNCIA

Um dos capítulos mais controversos do livro “Para entender a violência no futebol” é o que convida à reflexão sobre o papel da mídia como interlocutora da sociedade no tema. O autor diz entender que a imprensa deveria enfrentar um processo de reeducação para evitar o cenário de sensação de insegurança e de sensacionalismo no trato das rivalidades.

“Às vezes, no imediatismo da notícia, precisa-se evitar a irresponsabilidade. A mídia dá destaque aos violentos. No trabalho de campo ouvi muitas vezes de torcedores que é bom aparecer na televisão para ‘ganhar as menininhas’. Se faz glamourizado do movimento neste jogo mercantilista da mídia”, diz Murad.

“Mas, em defesa da mídia, devemos dizer que ela não produz o fato. Ela é uma janela aberta para a realidade. Só é preciso que a edição seja correta, ela é fundamental. Com a sensação de insegurança, os pacíficos se afastam, e os agressivos acabam ocupando esse espaço nos estádios”, complementa.

Fonte: Uol Notícias

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL

Clipping
A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

No período de 2012 a 2021, 245.811 brasileiros sofreram amputação de membros inferiores, envolvendo pernas ou pés, uma média de 66 pacientes por dia, o que significa pelo menos três procedimentos realizados por hora. O levantamento inédito foi feito pela Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), com base em dados do Ministério da Saúde. Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da sociedade, Julio Cesar Peclat de Oliveira, afirmou que “o problema é que, quando a gente compara com os últimos anos, vemos que a situação vem piorando e, coincidentemente, com a pandemia de covid-19.” Pela análise dos números, o médico interpretou que muitos pacientes perderam a continuidade do tratamento de doenças crônicas como, por exemplo, o diabetes, que é uma das principais causas de amputação de membros inferiores. “É uma doença crônica e o tratamento tem de ser crônico, ou seja, não pode ser descontinuado”. Ele explicou que, quando a pessoa é diabética e não faz tratamento adequado e usa medicamentos, “ela descompensa a doença e fica mais vulnerável aos riscos de, por exemplo, ter uma ferida no pé que vai infectar e gangrenar, evoluindo com perda desse membro”. Peclat de Oliveira afirmou que cerca de 70% das amputações são motivadas por uma pequena ferida ou calo no pé. Por isso, recomendou que o paciente diabético precisa ter disciplina rígida e fazer o autoexame diário, principalmente do chamado pé neuropático, caracterizado pela perda progressiva da sensibilidade. “De maneira geral, o recado é que devem fazer o autoexame dos pés, principalmente o paciente diabético”. O médico recordou que muitos pacientes não sabem que são diabéticos. Muitos só vão se inteirar disso quando vão ao consultório tratar varizes, marcam cirurgia e o médico constata que seus níveis glicêmicos estão nas alturas. “No mundo, uma em cada cinco pessoas não sabe que é portador dessa doença. A pandemia nos revelou isso. Muitos pacientes que chegam ao consultório ou aos serviços de urgência com complicações do diabetes só descobrem que a têm após o atendimento”, destacou. O diabetes é uma doença muito ligada ao sedentarismo e à obesidade e vem aumentando, progressivamente, em todo o mundo, segundo o médico. Durante a pandemia, iniciada em 2020, as pessoas tiveram menos acesso às unidades de saúde e as doenças crônicas “foram maltratadas por conta disso”. Segundo ele, o tabagismo é outra grande causa de amputações de membros pelo entupimento de artérias. Alerta Para especialistas da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, o aumento no número de amputações, durante o período da pandemia, é um alerta para as consequências da suspensão de tratamentos clínicos. “Os níveis estão alarmantes, realmente”, analisou o angiologista e cirurgião vascular. Outros fatores de risco incluem hipertensão arterial, dislipidemia, idade avançada, insuficiência renal crônica, estados de hipercoagubilidade e histórico familiar. De acordo com a pesquisa, em 2020, quando a crise epidemiológica se instalou no Brasil, a média diária de amputações chegou a 75,64. Já em 2021, o número evoluiu para 79,19/dia. Entre 2020 e 2021, em torno de 56.513 brasileiros foram submetidos ao processo de amputação ou desarticulação …