Kings of Leon causam comoção e vozes femininas empolgam festival

Caleb Followill comandou o show da banda norte-americana Kings of Leon (Foto: Flavio Moraes/G1)Não fosse o show dos Kings of Leon, que fechou a noite de sábado (20) em clima grandioso no Jockey Club de São Paulo, a sexta edição do festival Planeta Terra teria sido dominada pelas mulheres. Os rapazes norte-americanos seguraram com louvor o papel principal. Mas Garbage, Gossip e Azealia Banks, com mulheres à frente, foram as outras atrações mais animadas do evento. A única grande baixa no time das mulheres foi o show da brasileira Mallu, que até chorou após problemas de som.

O evento aconteceu pela primeira vez no Jockey, espaço que também recebeu neste ano a estreia do Lollapalooza no Brasil, para um público de até 75 mil pessoas por noite. O Planeta Terra teve número mais modesto. Segundo a organização, foram vendidos os 30 mil ingressos colocados à venda, mas até às 16h30 de sábado os funcionários da bilheteria ainda informavam que havia entradas disponíveis.

Kings of Leon seguro

O Kings of Leon mostrou estar em forma mesmo após pausa para que o vocalista resolvesse seus problemas com álcool. Na terceira vinda ao Brasil, Caleb Followill falou e sorriu bem mais do que nas vezes anteriores. Ainda houve tempo para que pedisse desculpas várias vezes por, segundo ele, estar meio ”enferrujado”.

A banda deu inicio ao show às 22h, com seu primeiro hit, ”Molly´s chambers”. ”Use somebody”, maior sucesso da carreira, ficou perto do fim da apresentação. Ficou fácil perceber que aquela banda criticada pela apatia e pelo show morno da estreia brasileira, em 2005, não está mais entre nós. A banda meio desconfortável com o sucesso e amparada apenas por um hit, aquela que tocou no festival paulista SWU (em 2010), também já era.

Mais leve e simpática, mas ainda fiel além da conta às gravações originais, o Kings of Leon mostrou que o posto de headliner em festivais não pesa como antes parecia. E como o hit recente ”Radioactive” esteve entre as mais cantadas da noite, dá até para afirmar que a banda só tende a crescer por aqui.

Destaques femininos
Entre as duas bandas desta edição que tiveram auge nos anos 90, fizeram pausa e chegaram pela primeira vez ao Brasil, Garbage venceu “duelo de nostalgia” contra Suede. O show da banda norte-americana liderada pela escocesa Shirley Manson foi mais animado do que dos ingleses. O Suede teve vigor roqueiro e o líder Brett Anderson ensopou a camisa de suor – pode ser absolvido de acusações de retorno caça-níqueis. No maior hit, “Beautiful ones”, se empolgaram até demais, com velocidade acima do limite da bela melodia. No entanto, com mais hits e vocalista e banda inspirados, o Garbage ficou na frente.

Shirley Manson, vocalista do Garbage, exibe coque aflitivo de tão puxado e preso no topo da cabeça (Foto: Flavio Moraes/G1)Shirley Manson, vocalista do Garbage, exibe coque aflitivo de tão puxado e preso no topo da cabeça (Foto: Flavio Moraes/G1)

De 15 músicas, o Garbage tocou apenas três do disco novo, “Not your kind of people”, e todos os sucessos. O show confirmou duas afirmações do guitarrista Steve Marker em entrevista ao G1. A primeira foi o bom trabalho de transportar o som eletrônico sujo de estúdio ao palco, sem perder peso e charme dos efeitos – nada datados, até mais atuais em tempos de domínio de pop dançante. Outra alegação comprovada é a desenvoltura de Shirley Manson no palco – ela estudou atuação, segundo Steve. Shirley sussurra para milhares de fãs hipnotizados em “Hummering” e interpreta bem o pré-refrão explosivo de “Push it”.

Mais espontânea e também certeira, foi Beth Ditto, líder do Gossip, fechando a noite no palco secundário, 20 minutos após o Kings of Leon começar o show principal. Após cancelar dois shows em turnês anteriores no Brasil, ela começou a redenção subindo ao palco e entoando o “oi, oi, oi”, do tema de abertura da novela “Avenida Brasil”. Quem deve ter curtido foi a atriz Carolina Ferraz, a Alexia da novela, que estava no festival. Beth se desculpou com os fãs, em português, várias vezes – algumas pelos cancelamentos de shows e outras pelos arrotos que soltava após beber seu drinque nos intervalos das músicas. Foi disparada a voz mais potente que se ouviu no festival.

Além de hits bem recebidos como “Heavy cross” e “Standing in the way of control”, ela é uma metralhadora de citação de covers de artistas aleatórios. Inclui Nirvana no segundo hit, encerra a noite com Queen, canta versos de Madonna, Tina Turner e Lady Gaga e, ao ouvir que um fã completa 24 anos, canta “24 hours to go , I wanna be sedated”, dos Ramones. Suas tentativas de falar português rendem boas piadas involuntárias. Ao brindar com o drinque, diz “Suede” em vez de “saúde”. Ao homenagear outro fã, André, canta “Angie”, dos Rolling Stones.

'Long distance love' abriu os trabalhos do Gossip em SP (Foto: Flavio Moraes/G1)‘Long distance love’ abriu os trabalhos do Gossip em SP (Foto: Flavio Moraes/G1)

Outro bom show dançante do Palco Indie foi da jovem rapper norte-americana Azaelia Banks. Ela garantiu momento explosivo com o hit “212”. Até o problema de som que interrompeu a música durante alguns segundos acabou tendo efeito positivo, criando suspense no seu rap esperto e veloz. Mais cedo, a britânica Little Boots também fez bom show eletrônico, para público escasso mais animado na frente do palco, com ajuda apenas de dois músicos na bateria e sintetizadores

Invertendo a regra de predominância feminina deste ano, o grupo californiano Best Coast, liderado pela cantora e guitarrista Bethany Cosentino, fez apresentação pouco animada no palco principal, enquanto o sexteto de garotos ingleses Maccabees conquistou a audiência no palco menor com rock ao mesmo tempo pesado e dançante. E, mais cedo, Mallu Magalhães foi às lágrimas diante do público após problemas com o som. Raro momento em que a expressão “mulher à beira de um ataque de nervos” pode ter conotação negativa neste Planeta Terra.

Mallu Magalhães chorou durante sua apresentação no Festival Planeta Terra (Foto: Orlando Oliveira /AgNews)
Fonte: G1
Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)
Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL