Líder dos ruralistas minimiza vetos ao Código Florestal, mas não descarta derrubá-los no Congresso

A presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), a senadora Kátia Abreu (PSD-TO), minimizou a importância do que foi vetado pela presidente Dilma Rousseff no projeto do Código Florestal, na noite desta quarta-feira (17) e aprovado no Congresso em setembro. Entre os vetos estão as faixas de recuperação de vegetação em margens de rios e a possibilidade de usar árvores frutíferas para reflorestamento. Para o governo, o tamanho da área definida pelo Congresso igualava pequenos a médios e grandes proprietários.

No entanto, Kátia Abreu, assim como outros parlamentares da bancada ligada aos ruralistas, aguarda que o presidente do Congresso Nacional, José Sarney (PMDB-AP) marque uma sessão conjunta do Congresso e coloque em pauta a votação dos vetos da presidente, como prevê a Constituição.

Sarney, contudo, diz que os vetos foram necessários: “acho que os vetos não foram vetos de forma a prejudicar a Lei.  Foram vetos de correção a fim de restaurar o antigo acordo que possibilitou a votação do Código Florestal. Acho que os vetos foram necessários para nós retomarmos aquele espírito que foi o espírito de não ficar radicalizado com nenhuma das correntes”.

“Nós só esperamos que o presidente do Congresso Nacional exerça sua obrigação de colocar os vetos à prova para que o Congresso, definitivamente, democraticamente, possa dar o seu parecer final”, destacou a senadora.

Questionada sobre a mudança na “escadinha” – escala de limite de área de proteção que varia conforme o tamanho da propriedade-, a senadora contemporizou o veto à diminuição da proteção das médias propriedades de 4 a 10 módulos fiscais, que terão de recuperar 20 metros e não 15 metros, como redefiniram os congressistas ao mudar o texto do projeto.

“Para nós [ruralistas], cinco metros para cá, cinco metros para lá, diante da grandeza dos pontos que nós avançamos, graças ao Congresso Nacional, nós não podemos abrir mão desta vitória”, afirmou.

“Se não estou satisfeita 100% como produtora rural, eu me considero 100% contemplada como cidadã. Todos tiveram espaço para debater”, completou a senadora que representa o a maior entidade representativa do setor no país.

A senadora também destacou que nem todos os vetos foram considerados ruins pelos produtores rurais. “Com relação aos vetos, eu, por exemplo, não discordo de todos. Sou a favor [de não recuperar áreas protegidas com] fruticultura na beira de rios. Acho que pode prejudicar e botar em risco a água, porque se não houver a aplicação de defensivos, não há produtividade, competitividade. Então, há um risco para as águas.”

“Os dois pontos mais importantes da votação do Código Florestal são a segurança jurídica que a nova lei trouxe aos produtores rurais (…) e o fim da hegemonia das ONGs (Organizações não governamentais) ambientais sobre as secretarias ambientais e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)”, afirmou Abreu.

Reação da bancada ruralista

Em tom ameno, o senador Luiz Henrique (PMDB-SC), que foi relator do projeto no Senado, não criticou os vetos, mas disse que o decreto não pode modificar o texto da lei. “O decreto tem que se limitar a elucidar, a esclarecer o texto da lei. Ele não pode acrescentar, modificar o texto da lei, de modo que o governo não vai ultrapassar este limite. O decreto é urgente, para que se definam regras gerais sobre a instituição do Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regulamentação Ambiental”, concluiu.

Henrique ainda utilizou o mesmo argumento do governo ao se referir á importância da conclusão desta etapa do processo de regularização das propriedades rurais e a nova definição de áreas a serem preservadas.

“O projeto, tal qual foi sancionado pela presidente, mantém o equilíbrio entre a produção e a preservação. Eu acredito que esta lei vai propiciar ao país manter-se como líder em preservação e produção agrícola”, avaliou Henrique.

“A maioria seja dos ambientalistas seja dos membros da Frente Parlamentar da Agropecuária acredita que houve um avanço importante a lei que agora se torna definitivamente em vigor”, emendou o peemedebista.

O parlamentar não acredita que haverá retaliação em votações no Congresso por parte de parlamentares da bancada ruralista descontentes com os vetos.

Já o líder do DEM no Senado e presidente nacional da legenda, Agripino Maia (RN), avaliou os vetos da presidente como um “desrespeito com o Congresso”, uma vez que neste segundo período de discussão do projeto que reforma o Código Florestal foi feito durante meses dentro do clima de consenso e acordos entre ambientalistas e ruralistas.

“É uma provocação que nós sentimos porque a coisa poderia ter parado lá atrás. Não tinha esta necessidade. O governo poderia dizer por meio de um representante: ‘eu não aceito’. Parece que é fazer uma afronta [ao Congresso]”, afirmou Maia.

Fonte: Uol Notícias

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

 

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL