Livro descreve suposto uso de sexo como arma de poder por Khadafi

Khadafi em 2009Um livro recém-lançado de uma jornalista francesa descreve o ex-líder líbio Muamar Khadafi, morto em 2011, como um “predador sexual” que sequestrou e estuprou, segundo a autora, “milhares” de vítimas, inclusive homens.

Até ministros líbios, militares, atrizes e esposas de presidentes e diplomatas africanos teriam sofrido abusos sexuais cometidos por Khadafi, afirma a jornalista Annick Cojean, repórter especial do diário Le Monde.

Khadafi, que governou a Líbia por 42 anos, tinha uma sexualidade desenfreada, com impulsos que precisavam ser satisfeitos quatro vezes por dia, segundo a autora, que baseia seu livro em relatos feitos por vítimas, professores, médicos e ex-colaboradores do ditador.

Cojean conta no livro Les Proies – Dans le harem de Khadafi (As presas – No harém de Khadafi) que o ex-líder tinha colaboradores que procuravam garotas, e, às vezes, também meninos, em todos os lugares, como escolas, casas e festas de vilarejos.

“Khadafi assistia a vídeos de casamentos para selecionar moças, isso quando ele não escolhia a própria noiva. Muitos líbios hesitavam em convidá-lo para festas por medo de que suas filhas fossem levadas depois”, afirmou Cojean à mídia francesa durante o trabalho de promoção do livro.

Segundo ela, o ex-líder também abusava sexualmente de celebridades, jornalistas, filhas de generais ou esposas de políticos, às vezes, por meio do uso da força. Em outros casos, distribuindo joias e malas de dinheiro depois.

“Khadafi obrigava alguns ministros a terem relações com ele para controlá-los por meio de uma espécie de chantagem. Claro que ninguém tinha interesse de falar sobre essa humilhação total. Ele procedia da mesma forma com chefes de tribos, diplomatas e militares para ter influência sobre eles”, afirma.

Um dos entrevistados no livro, Mansour Daw, ex-chefe da segurança e primo de Khadafi, que está preso, não contesta esses aspectos do regime e afirma ter realizado o casamento de seu filho de forma discreta, proibindo o uso de celulares, para evitar que Khadafi pudesse ver fotos da festa.

“Não queria que minha família fosse vítima de seus atos”, disse Daw à jornalista, segundo o livro.

“Toque mágico”

Durante eventos, como visitas a escolas, o próprio Khadafi também podia designar uma adolescente ao colocar a mão sobre a sua cabeça, alega a jornalista.

“Era um código para os seus guardas, sinalizando que ele desejava a garota, geralmente na faixa de 13 a 15 anos de idade”, diz Cojean.

O “sinal” dado por Khadafi aos seus guardas era chamado, segundo ela, de “toque mágico”.

“Essas jovens serviam para alimentar sua brutalidade sexual. Ele as mantinha no subsolo de sua residência, em Bab al-Azizia (uma caserna fortificada), e as estuprava, obrigando-as a beber, se drogar e assistir a filmes pornôs”, conta Cojean.

O sequestro no subsolo da residência, com inúmeros quartos, podia durar alguns dias ou ser bem mais longo. Como a rotatividade era enorme, Cojean afirma que é impossível saber o número exato de vítimas.

“Esse harém sórdido é o mais terrível tabu dos anos Khadafi. Hoje, apesar da morte do ex-líder, as vítimas ainda têm tudo a perder se revelaram o segredo”, diz a jornalista.

“A pressão social e religiosa é muito forte. Elas serão rejeitadas e suas famílias também. Pais, irmãos e maridos serão considerados sub-homens porque não lavaram a honra com sangue”, afirma Cojean.

Testes de Aids

Segundo jornalista, Khadafi guarda feminina de Khadafi era fachada pra abuso sexual de mulheres

Segundo o livro, enfermeiras ucranianas realizavam exames de sangue nas vítimas para se certificar de que elas não tinham Aids, já que Khadafi tinha fortes temores de contrair a doença.

O médico Faisel Krekshi, nomeado reitor da universidade de Trípoli após a revolução, contou à jornalista ter descoberto no prédio da instituição uma “garçonnière” com jacuzzi e torneiras douradas.

Segundo a jornalista, ele disse ter encontrado no local oito ou nove DVDs com imagens de agressões sexuais cometidas por Khadafi no local, mas afirmou ter destruído o material para preservar as vítimas.

Em frente ao quarto, havia uma sala de exame ginecológico totalmente equipada, que a jornalista afirma ter visitado.

“Só vejo duas possibilidades de utilização dessa sala escondida: abortos e cirurgias de reconstrução do hímen, proibidos na Líbia”, disse Krekshi.

Amazonas

Antes de escrever o livro, Cojean havia publicado, no ano passado, uma reportagem no Le Monde sobre a garota Soraya, que após ter entregado flores a Khadafi durante uma visita à sua escola, quando ela tinha 15 anos, recebeu o “toque mágico”.

A garota, que morava em Syrte, cidade natal de Khadafi, foi levada no dia seguinte por três mulheres e conta ter sido durante cinco anos sua escrava sexual.

Soraya integrou a equipe de soldadas que faziam a segurança de Khadafi e o acompanhavam por todos os lados. No Ocidente, essas mulheres, maquiadas e esculturais, eram chamadas de “amazonas”.

“Essa guarda de Khadafi era uma fachada. Elas eram suas escravas sexuais e pouquíssimas ali tinham realmente formação militar. Sua segurança real era realizada por homens”, diz a autora.

Para Cojean, Khadafi utilizou o sexo como arma política. “Tomar as mulheres significa dominar os homens”, diz ela.

O livro deverá ser lançado neste mês na Líbia. “Acho que ele provocará um choque enorme e debates no país”, afirma Cojean.

Fonte: BBC Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Sancionada com vetos a lei que regulamenta a profissão de educação física

Foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (28) a Lei 14.386/22, que regulamenta o exercício das atividades dos profissionais de educação física e regulariza a lei que criou os conselhos federal e regionais de educação física. A norma foi sancionada com dois vetos. Em um deles, o presidente da República, Jair Bolsonaro, não reconheceu a competência dada ao Conselho Federal de Educação Física (Confef) de estabelecer, mediante ato normativo próprio, a lista de atividades e modalidades esportivas que exijam a atuação desse profissional. O presidente considerou o trecho inconstitucional. “O dispositivo viola a previsão de que somente a lei pode limitar o exercício profissional, conforme o disposto no inciso XIII do caput do artigo 5º da Constituição, o qual assegura o livre exercício de qualquer profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”, argumentou Bolsonaro na justificativa do veto. Também haveria, segundo o Poder Executivo, reserva de mercado que privilegiaria esses profissionais em detrimento de outros. Além disso, o governo lembra que a Lei 9.696/98, que regulamenta a profissão, já estabelece as competências dos educadores físicos. ConselhosA Lei 14.386/22 é fruto do  Projeto de Lei 2486/21, apresentado pelo Executivo para sanar controvérsias judiciais sobre a criação dos conselhos federal e regionais de educação física — criados por iniciativa do Congresso por meio da Lei 9.696/98, apesar de tal incumbência caber ao governo federal.  A proposta foi aprovada pela Câmara dos Deputados em fevereiro deste ano, onde foi relatada deputado Roman (PP-PR). Atribuições e taxasCaberá aos conselhos regionais registrar os profissionais e expedir suas carteiras de identidade profissional, arrecadar taxas e anuidades, julgar infrações e aplicar penalidades, além de fiscalizar o exercício profissional como um todo, dentre outras obrigações. O Conselho Federal de Educação Física ficará com os valores pagos pela inscrição dos profissionais e das pessoas jurídicas e com 20% das anuidades, os conselhos regionais terão 80% das anuidades. DiplomaBolsonaro também vetou a exigência de o Ministério da Educação reconhecer ou autorizar todos os diplomas de curso superior. De acordo com o Executivo, o dispositivo contraria o interesse público e causaria prejuízo aos detentores de diplomas emitidos pelos demais sistemas de ensino que compõem a educação nacional. “Ressalta-se que os cursos superiores oferecidos por universidades estaduais, distritais ou municipais, incluídos os de educação física, não se submetem à autorização ou ao reconhecimento do Ministério da Educação”, afirma o governo. Podem atuar na área quem tem diploma em curso de educação física, os formados em cursos superiores de tecnologia conexos à educação física (como tecnólogo em educação física ou em gestão desportiva em lazer) e os que tenham comprovadamente exercido atividades próprias dos profissionais de educação física até a entrada da Lei 9.696/98. O Congresso Nacional ainda precisa analisar esses vetos. Para que um veto seja derrubado, é necessária a maioria absoluta dos votos de deputados (257) e senadores (41), computados separadamente. Ainda não há data marcada para análise dos vetos. Fonte: Agência Câmara de Notícias

Clipping
Arcoverde: gestão volta a recomendar uso de máscaras diante do aumento de casos de SRAG e Covid

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Arcoverde recomenda à população em nota que volte a fazer o uso contínuo das máscaras de proteção respiratória, tendo em vista o índice de casos que tem aparecido no âmbito municipal envolvendo tanto gripe, como também a Covid-19. A sintomatologia da gripe tem sido maior que a da Covid-19, a qual pode ser clinicamente constatada por meio de testagens disponíveis tanto na UPA Dia do São Cristóvão, como também na Policlínica Dr. Paulo Rabello, no bairro do JK, de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. “Portanto, o uso contínuo das máscaras de proteção colabora para a diminuição das referidas transmissões, especialmente nesta temporada de chuva e frio intensos”, conclui. Há aumento das síndromes respiratórias agudas graves (SRAG). Autoridades sanitárias e especialistas não escondem o medo de um boom de casos de Covid-19 após os eventos juninos no município. Só não terão o mesmo efeito do Carnaval de 2020 para a pandemia porque a maioria da população está imunizada. Mas a ocupação de leitos deve aumentar. Fonte: Nill Junior

Clipping
China reduz período de quarentena para viajantes

As quarentenas para os viajantes que chegam à China do exterior passarão de 21 dias para sete dias em um hotel, com mais três dias de observação domiciliar, anunciou a Comissão Nacional de Saúde. As novas regras constituem uma grande mudança nas restrições de entrada impostas pela China, que segue uma estratégia rígida de “covid zero” desde o início da pandemia. Pequim fechou as fronteiras internacionais no momento da propagação do coronavírus e o número de voos que chegam à China continua limitado para reduzir os casos importados. Há dois anos, os viajantes procedentes do exterior precisam enfrentar uma quarentena cara em um hotel ou em um centro especializado. De acordo com a nova política de controle e prevenção da covid, esta quarentena, chamada de “centralizada”, é reduzida para sete dias. Desde abril, um número crescente de cidades-piloto – incluindo Pequim desde maio – já reduziu para 10 dias a quarentena centralizada para as chegadas do exterior. Fonte: Folha-PE