Mais agressivo, Obama vence tenso debate contra Romney

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aprendeu a lição de Denver e foi muito mais enérgico e agressivo perante o republicano Mitt Romney no segundo debate entre os dois, que registrou vários momentos tensos e teve a atenção voltada principalmente para os temas econômicos, a imigração e o ataque ao consulado americano na Líbia.

As primeiras pesquisas sobre o debate realizado na Universidade Hofstra, nos arredores de Nova York, apontam Obama como vencedor, mas não por larga margem sobre Romney, que também infligiu duros ataques ao candidato democrata à reeleição.

O debate foi moderado pela jornalista da “CNN” Candy Crowley, contou com a participação de 80 eleitores indecisos – dos quais 11 puderam formular uma pergunta – e teve os candidatos levantando-se constantemente de suas poltronas para defender suas posições, gesticular e interromper o rival.

“Romney não tem um plano de cinco pontos, tem um plano de um ponto: garantir que os que estão no topo sigam regras diferentes”, disse Obama no início do encontro, demonstrando uma atitude desafiadora que manteria até o final.

Nos primeiros compassos do duelo, o presidente repetiu várias vezes a frase “Não é verdade” quando Romney manifestou que a produção petrolífera caiu durante seu Governo e o acusou de ser o responsável pela alta do preço da gasolina.

O debate esquentou durante a discussão sobre a política energética, os dois candidatos ficaram de pé e se interromperam mutuamente. Romney replicou que, com seu histórico, o atual presidente não pode apresentar-se como “o senhor do gás, do petróleo e do carvão”, e prometeu que levará os Estados Unidos à independência energética “em oito anos”.

“É um erro que os políticos em Washington decidam sobre a saúde das mulheres”, comentou Obama em alusão à cobertura anticoncepcional incluída na reforma da Saúde aprovada em 2010 e que os republicanos questionam.

Todas as mulheres no país “deveriam ter acesso aos anticoncepcionais”, afirmou Romney, um firme opositor do aborto que, no entanto, comentou há alguns dias que não promoveria leis para restringir esse direito.

Os ataques mútuos foram ocorrendo sem intervalo. Se Obama sustentou que Romney seria “a última pessoa” a questionar a China por sua concorrência comercial desleal, o republicano atacou o presidente com o escândalo “Rápido e Furioso”, que permitiu a transferência ilegal de milhares de armas ao México em 2009.

A imigração, ausente no primeiro debate e também no encontro dos aspirantes a vice-presidente na semana passada, apareceu nesta terça-feira (16), quando Obama retratou Romney como um político mais radical com os imigrantes do que o ex-presidente George W. Bush.

Romney “acredita que a lei do Arizona é um modelo para a nação. Parte do que diz a lei do Arizona é que os agentes poderiam abordar pessoas quando acharem que elas têm a aparência de trabalhadores imigrantes ilegais”, enfatizou Obama.

Em resposta, o republicano apresentou Obama como alguém incapaz de cumprir suas promessas e citou que seu projeto de reforma migratória jamais saiu do papel.

“Deveríamos nos assegurar de que nosso sistema legal funciona”, insistiu Romney, que se negou a garantir uma “anistia para aqueles que vieram para cá ilegalmente”, mas mostrou-se aberto à ideia de que os filhos de imigrantes ilegais possam “ter um caminho para tornarem-se residentes permanentes”.

A Líbia foi o único tema sobre política externa abordado, e nele Obama assegurou ser “o responsável final” pela gestão do atentado de 11 de setembro contra o consulado americano em Benghazi, que matou o embaixador Chris Stevens e outros três cidadãos.

O presidente mostrou-se incomodado quando Romney sugeriu que seu Governo ocultou informações sobre esse incidente, lembrando que no dia seguinte ao ataque o qualificou como um “ato de terror”, enquanto Romney insistiu que o líder levou “14 dias” para descrever o ocorrido em Benghazi como um atentado terrorista.

Como destaque final, Obama fez uma referência ao polêmico vídeo no qual Romney menosprezou a parcela de 47% dos eleitores que, segundo ele, dependem do Governo e não pagam impostos.

“Quando (Romney) disse a portas fechadas que 47% do país se consideram vítimas, que se negam a assumir responsabilidade pessoal, pensem sobre quem ele está falando…”, ressaltou Obama.

Fonte: Agência EFE

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL

Clipping
A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

No período de 2012 a 2021, 245.811 brasileiros sofreram amputação de membros inferiores, envolvendo pernas ou pés, uma média de 66 pacientes por dia, o que significa pelo menos três procedimentos realizados por hora. O levantamento inédito foi feito pela Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), com base em dados do Ministério da Saúde. Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da sociedade, Julio Cesar Peclat de Oliveira, afirmou que “o problema é que, quando a gente compara com os últimos anos, vemos que a situação vem piorando e, coincidentemente, com a pandemia de covid-19.” Pela análise dos números, o médico interpretou que muitos pacientes perderam a continuidade do tratamento de doenças crônicas como, por exemplo, o diabetes, que é uma das principais causas de amputação de membros inferiores. “É uma doença crônica e o tratamento tem de ser crônico, ou seja, não pode ser descontinuado”. Ele explicou que, quando a pessoa é diabética e não faz tratamento adequado e usa medicamentos, “ela descompensa a doença e fica mais vulnerável aos riscos de, por exemplo, ter uma ferida no pé que vai infectar e gangrenar, evoluindo com perda desse membro”. Peclat de Oliveira afirmou que cerca de 70% das amputações são motivadas por uma pequena ferida ou calo no pé. Por isso, recomendou que o paciente diabético precisa ter disciplina rígida e fazer o autoexame diário, principalmente do chamado pé neuropático, caracterizado pela perda progressiva da sensibilidade. “De maneira geral, o recado é que devem fazer o autoexame dos pés, principalmente o paciente diabético”. O médico recordou que muitos pacientes não sabem que são diabéticos. Muitos só vão se inteirar disso quando vão ao consultório tratar varizes, marcam cirurgia e o médico constata que seus níveis glicêmicos estão nas alturas. “No mundo, uma em cada cinco pessoas não sabe que é portador dessa doença. A pandemia nos revelou isso. Muitos pacientes que chegam ao consultório ou aos serviços de urgência com complicações do diabetes só descobrem que a têm após o atendimento”, destacou. O diabetes é uma doença muito ligada ao sedentarismo e à obesidade e vem aumentando, progressivamente, em todo o mundo, segundo o médico. Durante a pandemia, iniciada em 2020, as pessoas tiveram menos acesso às unidades de saúde e as doenças crônicas “foram maltratadas por conta disso”. Segundo ele, o tabagismo é outra grande causa de amputações de membros pelo entupimento de artérias. Alerta Para especialistas da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, o aumento no número de amputações, durante o período da pandemia, é um alerta para as consequências da suspensão de tratamentos clínicos. “Os níveis estão alarmantes, realmente”, analisou o angiologista e cirurgião vascular. Outros fatores de risco incluem hipertensão arterial, dislipidemia, idade avançada, insuficiência renal crônica, estados de hipercoagubilidade e histórico familiar. De acordo com a pesquisa, em 2020, quando a crise epidemiológica se instalou no Brasil, a média diária de amputações chegou a 75,64. Já em 2021, o número evoluiu para 79,19/dia. Entre 2020 e 2021, em torno de 56.513 brasileiros foram submetidos ao processo de amputação ou desarticulação …