México enfrenta crise de ‘refugiados do narcotráfico’

México | Foto: ReutersUm dos efeitos colaterais da guerra travada entre cartéis de narcotraficantes rivais e o governo mexicano nos últimos anos tem vindo à tona com cada vez mais clareza: milhares de pessoas tiveram que abandonar suas casas e suas cidades para fugir da violência, sobretudo no norte, criando uma crise de “refugiados do narcotráfico” dentro do próprio país.

Até agora não há estatísticas oficiais sobre o número de refugiados, embora alguns especialistas estimem que a cifra possa ultrapassar um milhão.

Na visão dos analistas, no entanto, mesmo sem números oficiais é possível estimar o impacto e o alto poder destrutivo do fenômeno na sociedade mexicana.

Muitos, principalmente indígenas e agricultores, migraram para os subúrbios das cidades mais próximas, onde sentem-se mais seguros. Outros optaram por locais alheios às guerras entre cartéis, como a capital, e um grande número deixou o país rumo aos Estados Unidos.

Mas a maioria vive um “alto grau de vulnerabilidade”, sem emprego e com poucos recursos, em locais precários e sob a ameaça de diferentes grupos de criminosos, indica a analista Magdalena Ávila Lara em entrevista à BBC Mundo.

“Estão sem casa, sem acesso à saúde, sem documentos, sem identidade. Perderam tudo. Em alguns casos seus pertences foram roubados e seus animais saqueados. Perderam sua tranquilidade, sua terra. Em muitos casos vivem escondidos por medo de serem encontrados por grupos do narcotráfico ou as pessoas que os ameaçam”, acrescenta.

De acordo com os especialistas, o governo mexicano não reconhece que exista um deslocamento forçado de pessoas devido à guerra contra o tráfico, apesar de o Congresso ter exigido que a administração federal tenha um programa especial para lidar com o problema.

A BBC Mundo solicitou à Secretaria de Governo uma posição sobre as ações oficiais para auxiliar os mexicanos “refugiados” pela guerra do narcotráfico, mas não obteve resposta.

Cidades fantasma

Durango | Foto: BBCCenas típicas de bairros abandonados na região de Durango no norte do México

Ainda no final de 2010, praticamente todos os moradores de Cidade Mier, no Estado de Tamaulipas, no noroeste do país, deixaram o local para fugir de uma batalha travada entre o Cartel do Golfo e seu rival, Los Zetas, que pouco a pouco tomou as ruas da região.

A maioria retornou às suas casas quando a Secretaria de Marinha e Exército enviou dezenas de soldados para ajudar a população.

Cidade Mier, chamada de “cidade mágica” em guias turísticos, é o caso mais conhecido de deslocamento forçado pela guerra contra o narcotráfico, mas está longe de ser o único.

ONGs documentaram que locais como Chihuaha, Durango e Sinaloa já podem ser classificados como cidades fantasma pois seus habitantes fugiram temendo as ameaças dos criminosos.

Em alguns casos mais específicos, como em Durango, os chefes do narcotráfico queriam obrigar os agricultores a plantar drogas. Já nas montanhas de Sinaloa, muitos se viram isolados entre as disputas territoriais de grupos como o Pacífico sul, Zetas e a Federação de Sinaloa.

De forma geral, grande parte da população dessa região sofreu extorsões, ameaças, ou tiveram membros de suas famílias assassinados, abrindo mão de suas casas temendo serem mortas.

Problema grave

Em Cidade Juárez, que foi considerada durante muitos anos a cidade mais perigosa do México, autoridades estimam que mais de 100 mil pessoas abandonaram suas moradias nos últimos anos.

No mais recente Censo mexicano, o governo identificou que há cerca de 110 mil casas vazias na cidade. Embora o nível de criminalidade tenha diminuído praticamente à metade, segundo a Secretaria de Segurança Pública, muitas permanecem desocupadas.

Outros sinais que indicam o êxodo nas regiões de maior conflito são a queda do número de matrículas em escolas e universidades e da atividade econômica. Muitos empresários de Chihuahua y Tamaulipas, por exemplo, migraram para a capital ou para o Texas, segundo dados da Câmara de Comércio local.

Fidel López García, do Instituto Luis Mora, diz que o governo ainda não tem uma avaliação mais abrangente.

“No México não temos uma avaliação objetiva, final e determinante sobre as pessoas que se encontram nessas condições”.

Ele insiste que se trata de algo muito grave, pois enquanto as autoridades continuarem a ignorar a situação, o problema só tende a piorar. Em agosto, por exemplo, o deputado Arturo Santana, do esquerdista Partido da Revolução Democrática (PRD), apresentou um projeto de lei específico para lidar com os “refugiados do narcotráfico”, mas o Congresso decidiu arquivar a proposta.

Fonte: BBC Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL