Pacotes no exterior para ver Copa de 2014 chegam a custar R$ 40 mil

Quanto vale o show…. Mesmo sem ninguém saber quais serão as seleções classificadas para o Mundial de 2014 e mesmo sem previsão dos preços dos ingressos, uma verdadeira corrida já foi iniciada pelas agências de turismo dos EUA, Europa e África para vender pacotes para turistas estrangeiros visitarem o Brasil. Um levantamento feito por este blog apontou que um estrangeiro pagará pelo menos R$ 17 mil para acompanhar a Copa. Mas a conta pode rapidamente subir a R$ 40 mil.

Isso tudo sem contar com os ingressos, que começarão a ser comercializados apenas depois da Copa das Confederações, em 2013.

Para convencer os estrangeiros a pagar a pequena fortuna, as agências de turismo já prometem que o Brasil terá “um sistema de transporte moderno e acomodações confortaveis”. O governo brasileiro estima que 600 mil estrangeiros desembarcarão no Brasil para o Mundial, duas vezes mais que a África do Sul recebeu.

Uma das empresas que já vende pacotes é a Great Atlantic Travel & Tour, agência oficial da Cop de 1994 nos EUA, de 1998 na França e 2002 no Japão. Apenas para os 13 primeiros dias da fase inicial da Copa, o pacote poderá custar R$ 9 mil por torcedor e ficando apenas em hoteis três estrelas. Uma opção por hotel de luxo elevaria o custo a R$ 20 mil.

Apesar de o governo e organizadores garantirem que não há risco de faltar hoteis em grandes cidades, a própria agência alerta que “pacotes tem um preço mais alto (no caso de incluir o Rio) por conta da falta de acomodação na cidade do Rio de Janeiro”.

Para as oitavas de final, mais um pagamento: de R$ 3 mil a R$ 12 mil, dependendo da qualidade do hotel. Para os quatro dias de quartas de final, mais um valor equivalente.

Já o pacote ara semifinal em Belo Horizonte e São Paulo e a grande final no Rio de Janeiro custaria entre R$ 11 mil e R$ 21 mil por apenas quatro noites de hotel e transporte entre cidades. A agência ainda alerta: para hotéis cinco estrelas, o preço será dado de forma privada ao cliente que peça, uma indicação de que essa opção será para poucos.

Segundo as agências, parte do alto custo se refere à decisão do Comitê Organizador Local e da Fifa de levarem as seleções a rodar o Brasil. Um torcedor que acompanhe sua seleção do primeiro ao último jogo do Mundial poderá ter percorrido 9 mil quilômetros. Ônibus entre cidade e voos para Manaus, Cuiabá e Recife são citados como os meios de transporte.

Na programação da tradicional agência Thomas Cook, os pacotes chegam até R$ 30 mil. No site da BR Online Travel, agência com sede em Miami e especializada em pacotes ao Brasil, as ofertas já indicam que o torcedor pode pedir um orçamento para acompanhar a seleção dos Estados Unidos e a do México.

No Reino Unido, a agência Thomson já se programa para oferecer pacotes aos ingleses, caso se classifiquem ao Mundial. A elite africana que queira cruzar o Atlântico para acompanhar o Mundial num esquema VIP pagará mais de R$ 18 mil apenas para as semi-finais e a grande final. Isso tudo sem contar com os ingressos.

Alerta – Os preços elevados são uma preocupação para a Fifa, que já deixou claro que não quer permitir que os mesmos erros da África do Sul se repitam no Brasil. Fontes da entidade revelam que, um ano antes do Mundial de 2010, os sul-africanos ainda abusavam nos preços cobrados, apostando que o fluxo de torcedores não seria afetado pelos valores.

O resultado foi um fiasco na compra de pacotes e uma mobilização por parte do secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, para garantir um maior número de voos entre a Europa e a África e um apelo para um certo controle de preços.

Ao Estado, o presidente da Uefa, Michel Platini, também revelou que a questão dos valores cobrados pela Ucrânia na Eurocopa deste ano foi um assunto que tirou seu sono. Mas, depois de muito insistir com os ucranianos de que deveriam rever seus preços de hotéis e passagens aéreas, abandonou a campanha, alertando que seria o próprio país quem perderia com isso.

Ingressos destinados a torcedores da França e mesmo da Inglaterra foram devolvidos aos organizadores, diante do fiasco nas vendas.

Fonte: Estadão

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL