Perfil médio de prefeito eleito é homem, casado, com faculdade

Homem, casado, 48 anos, com ensino superior e prefeito como profissão declarada. Esse é o perfil médio dos cerca de 5,5 mil prefeitos eleitos no primeiro e segundo turno das eleições municipais de 2012, segundo levantamento realizado pelo G1, com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ao todo, mais de mil candidatos declararam ser prefeitos por profissão. O resultado indica que grande parte dos postulantes eleitos tentava a reeleição.

Em Cambé, cidade de 96,7 mil habitantes da região norte do Paraná, o atual prefeito João Pavinato (PSDB) reúne todas essas características. Ele foi reeleito no último dia 7 de outubro com 54,3% dos votos válidos, um total de 28.080 votos.

(Veja a apuração completa para prefeito e vereador em Cambé)

Formado em direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Pavinato, de 48 anos, iniciou-se na vida pública na década de 80, quando participou do movimento estudantil de Cambé e filiou-se ao antigo MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – atual PMDB.

Ele trabalhou por 29 anos na prefeitura da cidade, antes de se candidatar ao cargo de vereador, em 2004. “Por muitas vezes, ajudamos a eleger candidatos na cidade, mas nem sempre a atuação da pessoa agradava. Então resolvi concorrer. Achei que minha experiência administrativa poderia contribuir”, relata.

Depois de cumprir um mandato como vereador, Pavinato venceu pela primeira vez a disputa pela prefeitura em 2008. “Minha vivência dentro da máquina e a formação em direito ajudaram bastante”.

Para ele, assumir o comando do município exige muita disposição. “É um trabalho que demanda muita energia, concentração e desprendimento. Quem quiser entrar na política tem que saber que está entrando para servir à população, não para se servir da política”, afirma.

Em Tapejara, cidade de 19,2 mil habitantes, no norte do Rio Grande do Sul, o atual prefeito Seger Luiz Menegaz (PMDB) também se encaixa no perfil médio dos prefeitos vitoriosos. Ele foi reeleito com 53,76% dos votos válidos, um total de 7.090 votos.

(Veja a apuração completa para prefeito e vereador em Tapejara)

Nascido no município, Menegaz, que também tem 48 anos, é empresário do ramo de móveis e passou a acompanhar a vida política da cidade há seis anos. Nessa época, nasceu nele a ideia de que o desenvolvimento econômico não era suficiente para transformar a sociedade. “Gosto muito de Tapejara e queria fazer algo, porque não bastava ter um crescimento acelerado, era preciso fazer projetos para melhorar a vida das pessoas”, afirma o prefeito, que fez administração na Universidade de Passo Fundo.

Eleito pela primeira vez em 2008, Menegaz conta que ficou ainda mais ansioso pelo resultado do pleito deste ano. “A reeleição é uma prova de fogo na vida da gente que tem uma história na cidade. É a sabatina dos prefeitos”.

Outro prefeito com esse perfil é Edson de Souza Quintanilha (PPS), de 48 anos, de Arapeí (SP), município com 2,4 mil moradores, no Vale do Paraíba. Neste ano, ele foi reeleito com 60,6% dos votos válidos, um total de 1.201 votos.

(Veja a apuração completa para prefeito e vereador na cidade de Arapeí).

Defensor assíduo da reforma tributária, Quintanilha é formado em educação física e administração de empresas e pós-graduado em administração pública e gestão de cidade.

De acordo com ele, é um grande desafio governar municípios pequenos, que dependem dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) – mecanismo constitucional utilizado pelo governo federal para transferência de verbas.

“O repasse do FPM oscila, não têm um valor fixo para que você possa se organizar e administrar esse dinheiro. Se quisermos fazer uma obra para dar qualidade de vida à população, dependemos de convênios com governo estadual ou federal. Essa é a realidade dos municípios pequenos”, afirma.

Entre as principais realizações de seu primeiro mandato, ele destaca a melhora na qualidade do ensino. Ele lembra que, em 2007, o Ministério da Educação (MEC) chegou a intervir no município após o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) apontar 3.5, número considerado muito baixo.

“No nosso primeiro ano de governo, em 2009, conseguimos elevar esse índice para 6,9. Ainda temos muito que melhorar, temos que elevar a qualidade de vida da população, mas essa foi uma das nossas proezas”, acrescenta.

Partidos
O partido que mais elegeu prefeitos em 2012 foi o PMDB, com 1.031 eleitos (18,5% do total), seguido do PSDB, com 702 (12,6%), do PT, com 626 (11,4%), e do PSD, com 497 (8,9%).

O PT conquistou o maior número de prefeituras em cidades grandes, mas a sigla perdeu eleitos em comparação com a última eleição. Dos 83 municípios com mais de 200 mil eleitores, venceu a disputa em 16, incluindo a maior delas, São Paulo, onde o candidato Fernando Haddad derrotou José Serra (PSDB). em 2008, haviam sido 20 prefeituras nas cidades grandes.

O segundo partido que mais conquistou cidades com mais de 200 mil eleitores foi o PSDB (15). A legenda avançou em comparação com a última eleição, quando obteve 13 eleitos. A seguir aparecem PSB, com 11, e o PMDB, com 9. Este último foi o que mais perdeu entre as grandes cidades. Em 2008, a sigla elegeu 17 prefeitos.

O PMDB foi vitorioso, porém, nas cidades pequenas, com eleitorado abaixo de 200 mil, e vai comandar 1.022 prefeituras, contra 687 do PSDB, 620 do PT, 493 do PSD e 464 do PP. Nestas cidades, o PMDB avançou, e o PSDB perdeu prefeitos. Em 2008, as legendas elegeram, respectivamente, 1.192 e 782 prefeitos.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) elegeu o maior número de prefeitos de capitais nas eleições municipais de 2012. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A sigla vai comandar as cidades de Fortaleza, Belo Horizonte, Cuiabá, Recife e Porto Velho. O PSDB foi vitorioso em quatro capitais: Maceió, Manaus, Belém e Teresina. Também quatro eleitos teve o PT, que venceu a disputa em Rio Branco, Goiânia, João Pessoa e São Paulo, a maior do país.

Fonte: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL