Relatório aponta colapso em portos, rodovias e ferrovias do Nordeste

Um mapeamento completo da região Nordeste foi feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) para apontar as prioridades e os investimentos necessários para a modernização, recuperação e ampliação de rodovias, ferrovias, hidrovias e portos. O objetivo é propor soluções para garantir o escoamento da produção industrial e agropecuária nos próximos anos. De acordo com o relatório “Nordeste Competitivo”, muitos são os problemas e os desafios que precisam ser enfrentados pelos governos dos noves estados.

Entre os problemas mais preocupantes, estão as rodovias da região. A falta de manutenção, o desgaste provocado pelo excesso de cargas transportadas diariamente e os gargalos podem colocar em risco o escoamento da produção até 2020. A rodovia em situação mais crítica é a BR 101 – o trecho mais problemático fica na divisa de Sergipe com Alagoas, na cidade de Propriá, passa por Maceió e vai até o estado de Pernambuco.

O trecho da cidade de Xexéu ao Recife tem capacidade para suportar 51,3 mil toneladas por dia, mas, atualmente, passam pela estrada veículos transportando 68 mil toneladas. Por dia, isso equivale a 32% a mais que a capacidade. Em 2020, a estimativa é que a utilização chegue a 98 mil toneladas por dia – 91% acima do limite.

Outro gargalo rodoviário é o trecho da BR-324, na Bahia, entre Feira de Santana e Salvador. O principal entroncamento rodoviário do Nordeste movimenta 40 milhões de toneladas de carga por ano. Também na Bahia, a BR-242, que escoa a produção de soja do estado, está em péssimas condições.

A previsão da CNI é de um investimento de R$ 2,03 bilhões para evitar que nove rodovias se tornem intransitáveis nos próximos anos, operando com um excedente de até 151% da capacidade. A confederação diz que é necessário um investimento de R$ 25 bilhões para garantir a circulação e o escoamento da produção dentro do Nordeste, para outras regiões do país e para o exterior.

“O principal mérito desse projeto é identificar os fluxos de produção e comércio da região e, a partir desses fluxos, identificar quais aqueles projetos de infraestrutura que terão maior retorno econômico e social para a região”, contou José Augusto Fernandes, diretor de políticas e estratégia da CNI. Ao todo, o estudo aponta 83 projetos prioritários para resolver os problemas – desse total, apenas 26,5% estão em andamento.

Escoamento
O Nordeste é um grande produtor de açúcar, álcool, adubos e fertilizantes, combustíveis, metais, bebidas, grãos, biscoitos, petroquímicos, frutas e a criação de gado. Segundo o IBGE, o Nordeste responde por 13% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no país. O estudo da CNI mostra que muito tem que ser feito para escoar a produção em condições ideais e evitar o colapso nos próximos anos.

Entre os principais projetos estão a pavimentação da BR-110, entre Mossoró e Campo Grande e entre Janduis e Serra Negra do Norte, no Rio Grande do Norte; a construção da BR-110, entre São José do Egito e o entroncamento da BR-412, em Pernambuco; e a pavimentação da BR-110, entre Ibimirim e o entroncamento da BR-316, também em Pernambuco.

Portos
Além das rodovias, os portos também preocupam. Os do Recife e o Complexo Portuário de São Luís, no Maranhão, já operam acima da capacidade limite. Nos próximos anos, também vão operar acima da capacidade o Porto de Natal, no Rio Grande do Norte, o Complexo Portuário de Salvador, e os portos de Fortaleza e o de Pecém, no Ceará. Eles precisam receber investimentos de cerca de R$ 11 bilhões para ampliação e modernização.

Segundo o estudo, o Porto de Suape, em Pernambuco, também deve chegar a um nível crítico nos próximos anos. “Em termos de valor de investimento, 90% dos projetos identificados estão na área de portos e ferrovias. No entanto, a mensagem que esse projeto passa é que a questão de transporte deve ser vista de forma integrada. Ou seja, se eu tenho um ferrovia e o porto não funciona, eu não estou otimizando o meu investimento. Na medida em que eu possa, por exemplo, avançar na maior eficiência dos portos, eu também aumento o sistema de cabotagem na região. Em lugar de transportar um produto do Recife a Fortaleza por rodovia, eu poderei fazê-la através de navios”, comentou José Augusto Fernandes.

A dificuldade em escoar a produção preocupa empresas e indústrias. Uma fábrica de cerâmica localizada na região de Suape, no Litoral Sul de Pernambuco, é um exemplo do colapso que está se formando. A indústria se instalou ao lado do porto para facilitar o escoamento da produção para os mercados interno e externo. Cerca de 40% da produção são exportados, mas, mesmo estando a menos de 10 km de um dos principais portos do Nordeste, a empresa tem problemas na hora de escoar o produto.

A empresa gera 600 empregos diretos, R$ 300 milhões investimentos e produz 1,2 milhão de metros quadrados de cerâmica por mês. O empresário Marcos Ramos reclama da ineficiência dos portos e do alto preço cobrado. “Os problemas para quem precisa exportar acima de tudo é competitividade, ter custos adequados. A gente onera muito o custo do produto com a ineficiência e dos serviços que preciamos contratar com terceiros, como porto, transporte”, falou

Trilhos e rios
As ferrovias precisam de R$ 12 bilhões de investimentos. Apesar da construção da Ferrovia Transnordestina, é preciso recuperar trechos antigos de nossos trilhos. Alguns trechos estão em péssimo estado de conservação, como o da Estrada Férrea dos Carajás, que liga São Luís a Açailândia, no Maranhão.

O estudo também indica a necessidade de investimento de R$ 272 milhões nas hidrovias e na recuperação de rios importantes, como o São Francisco. Hoje, com problemas de assoreamento e necessidade de obras de dragagem, a navegação comercial no Velho Chico não é possível em vários trechos. “O que nos estamos oferecendo são projetos, prioridades para serem examinadas pelo setor público e setor privado. A nossa expectativa e que, com a maior participação das concessões, o setor privado também possa ter um maior envolvimento com esse projeto”, concluiu o diretor de políticas e estratégia da CNI, José Augusto Fernandes.

Fonte: G1 PE

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Gonzaga Patriota cumpre agenda em Pernambuco

A todo vapor! O deputado federal Gonzaga Patriota(PSB) teve mais um final de semana bastante intenso. O parlamentar dedicou sua agenda para visitar municípios pernambucanos, entre eles: Salgueiro, Parnamirim, Ipubi, Ouricuri, Trindade, Araripina, Santa Filomena, Dormentes, Afrânio, Rajada e Petrolina Nessas localidades, o socialista vistoriou obras e estreitou os laços políticos. A agenda começou cedo em Salgueiro, com um café da manhã no Pronto Socorro São Francisco. Ainda, em Salgueiro, ele seguiu para uma entrevista na Rádio Asa Branca FM e fez uma visita ao Sistema Beto Som FM 104,9. A viagem também foi uma oportunidade para revisitar os amigos e correligionários, como Rejânio Brito, em Ipubi. Em Araripina, Patriota vistoriou a obra da UTI Adulta do Hospital Santa Maria, que está sendo realizada com recursos destinados pelo parlamentar. Na ocasião, ele anunciou que R$ 150 mil já estão disponíveis para a instituição. A diretora, Irmã Fátima, comemorou a boa notícia e agradeceu ao deputado pela parceria ao longo dos anos. Em Santa Filomena, o deputado fez uma visita a Prefeitura e na Câmara dos Vereadores, onde realizou uma prestação de contas de emendas que alocou para a saúde do município. Já em Dormentes, visitou a prefeita Josimara Cavalcanti e esteve conferindo a obra do Memorial Geomarco, que está sendo construído com recursos enviados do parlamentar, também visitou o EREM Senador Nilo Coelho, onde estava havendo um festival de dança escolar. Em Afrânio, o deputado fez uma visita cordial ao prefeito Rafael de Perón na nova sede da Prefeitura que será inaugurada no final do mês. Finalizando a agenda, o parlamentar participou do 1º Encontro dos Legislativos Municipais no Vale do São Francisco. O evento, que segue até o dia 25, é realizado pela Órganon em parceria com a Facesf e conta com sete palestras de interesse de agentes políticos e uma mesa redonda.

Clipping
Trabalhadores da Volkswagen terão redução de jornada

A fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo, no interior de São Paulo, fechou um acordo com os funcionários, que prevê a redução da jornada de trabalho com diminuição de salários para tentar passar pela crise ocasionada pela falta de componentes eletrônicos e peças, o que continua prejudicando a produção nas montadoras. Mesmo com a alta demanda, os veículos não são finalizados, o que gera diminuição do trabalho. Segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a medida está assegurada por acordo válido por cinco anos, firmado pelo sindicato, e a decisão foi comunicada aos trabalhadores, ontem, em assembleias internas. O programa, que tem percentual de redução de 24% da jornada e 12% nos salários, sendo cinco dias a menos de trabalho, será implantado logo após o término das férias coletivas que vão de 27 de junho a 7 de julho. Menor impacto Segundo o diretor administrativo do sindicato e representante na Volks, Wellington Messias Damasceno, a opção pela redução de jornada tem menor impacto na cadeia produtiva e para os trabalhadores terceirizados. “A Volks queria parar um turno, nós negociamos para, ao invés disso, reduzir a jornada e manter os turnos funcionando, o que diminui o impacto na cadeia de produção, nos fornecedores e, sobretudo, nos terceirizados que não têm o mesmo acordo que os trabalhadores da Volks”, explicou. De acordo com o sindicato, a medida será avaliada mês a mês e pode sofrer alterações até a normalização da situação, que não tem data prevista para ocorrer. Por meio de nota, a Volkswagen confirmou a adoção de novas medidas de flexibilização da mão de obra na unidade de São Bernardo do Campo, previstas em Acordo Coletivo de Trabalho com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, durante o mês de julho, em razão da falta de componentes.

Clipping
Estudo avalia eficácia de doses menores para reforço contra covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Mato Grosso e o Instituto Sabin de Vacinas iniciaram um estudo para avaliar se doses menores da vacina contra a covid-19 continuam eficazes na geração da resposta imunológica do organismo. Com doses fracionadas, os pesquisadores também querem reduzir as reações adversas à vacina. O estudo envolve apenas as doses de reforço da vacina. Segundo a Fiocruz, o fracionamento das doses possibilita o aumento mundial da oferta de vacinas, além de orientar novas estratégias globais de imunização. De acordo com os dados do site Our World in Data, uma iniciativa internacional que reúne informações sobre os grandes problemas da humanidade, até o momento 66,3% da população mundial recebeu ao menos uma dose de vacina contra a covid-19, porém a proporção cai para apenas 17,8% nos países pobres. O site indica que já foram aplicadas globalmente 12 bilhões de doses contra a covid-19 e a cada dia são vacinadas 6,33 milhões de pessoas. Em muitos países da África, o esquema básico de vacinação, com duas doses ou dose única, não chegou a 10% da população, ficando em 1,9% na República Democrática do Congo, 4,2% em Madagascar e 4,5% em Camarões. O país no continente com a maior proporção de imunizados é Moçambique, com 66,2%. Já na Europa, as menores proporções de esquema básico de vacinação são da Bulgária (29,9%) e Moldávia (26,4%). Os países europeus que mais vacinaram a população são Portugal (87,3%) e Espanha (86,7%). O Brasil aparece no mapa do Our World in Data com 78,7% da população vacinada com o esquema inicial. Os dados do Ministério da Saúde indicam 165,1 milhões de pessoas imunizadas com duas doses ou dose única, 91,6 milhões com dose de reforço e 7,8 milhões com a quarta dose. O estudo sobre o fracionamento do reforço é financiado pela organização internacional Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (Cepi, sigla em inglês), com US$ 6,3 milhões (R$ 32,7 milhões). A pesquisa está sendo feita também no Paquistão, em parceria do Instituto Sabin com a Universidade de Aga Khan. Em cada país, participarão da pesquisa 1.440 pessoas, que receberão as vacinas Pfizer (dose cheia, metade ou um terço), AstraZeneca (dose cheia ou meia) e Coronavac (dose cheia), sendo acompanhadas por seis meses. De acordo com a vice-presidente de Epidemiologia Aplicada do Instituto Sabin de Vacinas, Denise Garrett, a dose é determinada nos estágios iniciais do desenvolvimento das vacinas, equilibrando o máximo de eficácia com o mínimo de efeitos colaterais. Como na pandemia havia urgência para a disponibilização das vacinas, foi priorizada a eficácia no processo. Fonte: Edenevaldo Alves