Segundo turno expõe contradições entre alianças regionais e nacionais

Urna eleitoral, em foto de arquivo da Agência BrasilNo âmbito federal, partidos políticos se unem para fazer parte da base governista ou da oposição. Em âmbito regional, as mesmas legendas se enfrentam diretamente. São as contradições do sistema político brasileiro, evidenciadas pelas atuais eleições municipais.

E o fenômeno será percebido no segundo turno, neste domingo, quando 50 prefeituras (entre elas, 17 capitais) estarão em disputa.

Em São Paulo, o recém-criado PSD, do prefeito Gilberto Kassab, apoia a candidatura de José Serra (PSDB) contra o petista Fernando Haddad. Mas o partido de Kassab também apoia o governo Dilma no Congresso Nacional – e está cotado para liderar algum ministério na próxima reforma ministerial.

Ao mesmo tempo, o PSD é aliado do PT em Campinas, onde o petista Marcio Pochmann enfrenta o PSB (aliado do governo em âmbito federal) de Jonas Donizette.

Em Curitiba, outra situação curiosa: Gustavo Fruet, do PDT, disputa o segundo turno (contra Ratinho Jr., do PSC) com o apoio do PT. Seus panfletos de campanha contêm elogios feitos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fruet, porém, é um ex-crítico de Lula. Na época em que era parlamentar filiado ao PSDB, ele acusou o PT de criar um “mantra da mentira” no caso do mensalão.

Uma ressalva: a atual campanha de Fruet não teve a participação pessoal de Lula – já que o PSC de Ratinho Jr. também é da base aliada do governo federal.

Para o historiador Marco Antonio Villa, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), essas contradições são culpa do excesso de partidos brasileiros – 30, no total – sem uma linha ideológica clara.

Aécio Neves e Eduardo Campos, em foto de 2008Aécio Neves (esq) e Eduardo Campos (à dir), acima em 2008, dividiram um palanque nestas eleições…

“Cada Estado brasileiro tem uma política partidária distinta”, diz Villa, em entrevista à BBC Brasil. “Os partidos se adaptam às circunstâncias locais ao sabor de suas lideranças.”

Como a maioria da população vota segundo sua identificação pessoal com o candidato, “as próprias lideranças partidárias não estão interessadas em dar cor ideológica (a seus programas) porque daí esse tipo de aliança cairia por terra”, acrescenta o pesquisador.

Aécio e Campos

O caso mais emblemático de alianças diferentes é o do PSB (Partido Socialista Brasileiro), que integra a coalizão de governo da presidente Dilma Rousseff, mas que alçou voo próprio nas eleições municipais – derrotando candidatos petistas e favorecendo dois importantes potenciais adversários de Dilma em 2014, tanto Aécio Neves (PSDB, na oposição) como Eduardo Campos (PSB, na base aliada).

O PSB teve duas vitórias importantes: em Belo Horizonte, patrocinado pelo tucano Aécio Neves, o prefeito Marcio Lacerda venceu o petista Patrus Ananias, apoiado por Dilma.

No Recife, o pessebista Geraldo Julio também venceu em primeiro turno – vitória que deve projetar em nível nacional o governador pernambucano Eduardo Campos.

PT e PSB também se enfrentarão no segundo turno em Fortaleza. E, no segundo turno em Campinas, uma eventual derrota do PT na cidade será vista como uma abertura de espaço para o PSB no Estado, fortalecendo mais Campos em 2014.

No último dia 19, apesar de estarem em espectros opostos na política federal, Aécio e Campos dividiram o palanque nas eleições municipais: trocaram elogios ao defender o PSB em Uberaba (MG), que enfrenta o PMDB (também da base do governo federal) no segundo turno.

Eduardo Campos em cerimônia no Planalto, em foto de arquivo…Mas, em âmbito federal, o partido de Campos é parte da base do governo de Dilma Rousseff

Tanto Aécio como Campos têm projetos políticos presidenciais, e especula-se se eles poderiam se aliar em 2014 para enfrentar uma candidatura de Dilma à reeleição.

Negociações

O vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, afirma que o partido está “aberto a negociações”, sem descartar aliança com os tucanos. Mas diz que é cedo para tratar do assunto.

“Terminado o pleito, é hora de descer do palanque e cuidar do país, 2013 será um ano de turbulências econômicas no mundo, e a presidente Dilma precisará que estejamos todos juntos”, diz Amaral à BBC Brasil.

Ele admite que as alianças municipais são uma contradição – “é uma das tragédias brasileiras” –, mas as vê com pragmatismo. “São as circunstâncias. No (pleito) municipal, o que prevalece é o local – o bairro, o posto de saúde.”

Já o presidente nacional do PT, Rui Falcão, não vê isso como um problema. “A aliança federal é (parte do) governo de coalizão”, diz à BBC Brasil o deputado estadual em São Paulo.

“Como nenhum partido consegue sozinho maioria no Congresso, é natural que, para tocar um programa de governo, haja junção de partidos, que se fragmentam na disputa municipal. O importante é que se pautem por um programa, e não divisão de cargos e interesses.”

Quanto à possibilidade de uma aliança PSB-PSDB em 2014, Falcão diz que “Eduardo Campos tem reiterado que vai trabalhar pela reeleição da presidente”. “Prefiro ficar com essa afirmação do que especulações de uma eventual candidatura dele”, acrescenta.

Partidos descentralizados

Alckmin, Kassab e Serra, em campanha nas eleições municipais paulistanasO partido de Kassab (centro) apoia Dilma no Congresso, mas em São Paulo faz oposição à candidatura do PT

Em Porto Alegre, outro exemplo: houve um embate entre três partidos que apoiam Dilma: o PDT (do prefeito reeleito em primeiro turno José Fortunati), o PC do B, da segunda colocada, Manuela D’Ávila, e o PT de Adão Villaverde.

Para André Borges, cientista político da UnB, a prática de alianças diferentes é uma decorrência da autonomia dos partidos em Estados e municípios.

“Os partidos são descentralizados – quem manda não é necessariamente a liderança nacional”, diz. “O lado positivo é a flexibilidade e a maior liberdade de escolha dos eleitores, sem exigir, como em outros países, o voto partidário.”

O lado negativo, acrescenta, é “o enorme número de partidos, sua fragmentação e a confusão que isso gera para o eleitor. Alianças inconsistentes são ruins para a democracia.”

Já a presidente Dilma defendeu a prática de coalizões na posse do ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), em março.

“Este é um país complexo, múltiplo e democrático. A constituição de alianças é essencial para que o Brasil seja governado de forma democrática e o governo represente os interesses da nação”, disse a presidente na época.

Fonte: BBC Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Gonzaga Patriota cumpre agenda em Pernambuco

A todo vapor! O deputado federal Gonzaga Patriota(PSB) teve mais um final de semana bastante intenso. O parlamentar dedicou sua agenda para visitar municípios pernambucanos, entre eles: Salgueiro, Parnamirim, Ipubi, Ouricuri, Trindade, Araripina, Santa Filomena, Dormentes, Afrânio, Rajada e Petrolina Nessas localidades, o socialista vistoriou obras e estreitou os laços políticos. A agenda começou cedo em Salgueiro, com um café da manhã no Pronto Socorro São Francisco. Ainda, em Salgueiro, ele seguiu para uma entrevista na Rádio Asa Branca FM e fez uma visita ao Sistema Beto Som FM 104,9. A viagem também foi uma oportunidade para revisitar os amigos e correligionários, como Rejânio Brito, em Ipubi. Em Araripina, Patriota vistoriou a obra da UTI Adulta do Hospital Santa Maria, que está sendo realizada com recursos destinados pelo parlamentar. Na ocasião, ele anunciou que R$ 150 mil já estão disponíveis para a instituição. A diretora, Irmã Fátima, comemorou a boa notícia e agradeceu ao deputado pela parceria ao longo dos anos. Em Santa Filomena, o deputado fez uma visita a Prefeitura e na Câmara dos Vereadores, onde realizou uma prestação de contas de emendas que alocou para a saúde do município. Já em Dormentes, visitou a prefeita Josimara Cavalcanti e esteve conferindo a obra do Memorial Geomarco, que está sendo construído com recursos enviados do parlamentar, também visitou o EREM Senador Nilo Coelho, onde estava havendo um festival de dança escolar. Em Afrânio, o deputado fez uma visita cordial ao prefeito Rafael de Perón na nova sede da Prefeitura que será inaugurada no final do mês. Finalizando a agenda, o parlamentar participou do 1º Encontro dos Legislativos Municipais no Vale do São Francisco. O evento, que segue até o dia 25, é realizado pela Órganon em parceria com a Facesf e conta com sete palestras de interesse de agentes políticos e uma mesa redonda.

Clipping
Trabalhadores da Volkswagen terão redução de jornada

A fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo, no interior de São Paulo, fechou um acordo com os funcionários, que prevê a redução da jornada de trabalho com diminuição de salários para tentar passar pela crise ocasionada pela falta de componentes eletrônicos e peças, o que continua prejudicando a produção nas montadoras. Mesmo com a alta demanda, os veículos não são finalizados, o que gera diminuição do trabalho. Segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a medida está assegurada por acordo válido por cinco anos, firmado pelo sindicato, e a decisão foi comunicada aos trabalhadores, ontem, em assembleias internas. O programa, que tem percentual de redução de 24% da jornada e 12% nos salários, sendo cinco dias a menos de trabalho, será implantado logo após o término das férias coletivas que vão de 27 de junho a 7 de julho. Menor impacto Segundo o diretor administrativo do sindicato e representante na Volks, Wellington Messias Damasceno, a opção pela redução de jornada tem menor impacto na cadeia produtiva e para os trabalhadores terceirizados. “A Volks queria parar um turno, nós negociamos para, ao invés disso, reduzir a jornada e manter os turnos funcionando, o que diminui o impacto na cadeia de produção, nos fornecedores e, sobretudo, nos terceirizados que não têm o mesmo acordo que os trabalhadores da Volks”, explicou. De acordo com o sindicato, a medida será avaliada mês a mês e pode sofrer alterações até a normalização da situação, que não tem data prevista para ocorrer. Por meio de nota, a Volkswagen confirmou a adoção de novas medidas de flexibilização da mão de obra na unidade de São Bernardo do Campo, previstas em Acordo Coletivo de Trabalho com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, durante o mês de julho, em razão da falta de componentes.

Clipping
Estudo avalia eficácia de doses menores para reforço contra covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Mato Grosso e o Instituto Sabin de Vacinas iniciaram um estudo para avaliar se doses menores da vacina contra a covid-19 continuam eficazes na geração da resposta imunológica do organismo. Com doses fracionadas, os pesquisadores também querem reduzir as reações adversas à vacina. O estudo envolve apenas as doses de reforço da vacina. Segundo a Fiocruz, o fracionamento das doses possibilita o aumento mundial da oferta de vacinas, além de orientar novas estratégias globais de imunização. De acordo com os dados do site Our World in Data, uma iniciativa internacional que reúne informações sobre os grandes problemas da humanidade, até o momento 66,3% da população mundial recebeu ao menos uma dose de vacina contra a covid-19, porém a proporção cai para apenas 17,8% nos países pobres. O site indica que já foram aplicadas globalmente 12 bilhões de doses contra a covid-19 e a cada dia são vacinadas 6,33 milhões de pessoas. Em muitos países da África, o esquema básico de vacinação, com duas doses ou dose única, não chegou a 10% da população, ficando em 1,9% na República Democrática do Congo, 4,2% em Madagascar e 4,5% em Camarões. O país no continente com a maior proporção de imunizados é Moçambique, com 66,2%. Já na Europa, as menores proporções de esquema básico de vacinação são da Bulgária (29,9%) e Moldávia (26,4%). Os países europeus que mais vacinaram a população são Portugal (87,3%) e Espanha (86,7%). O Brasil aparece no mapa do Our World in Data com 78,7% da população vacinada com o esquema inicial. Os dados do Ministério da Saúde indicam 165,1 milhões de pessoas imunizadas com duas doses ou dose única, 91,6 milhões com dose de reforço e 7,8 milhões com a quarta dose. O estudo sobre o fracionamento do reforço é financiado pela organização internacional Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (Cepi, sigla em inglês), com US$ 6,3 milhões (R$ 32,7 milhões). A pesquisa está sendo feita também no Paquistão, em parceria do Instituto Sabin com a Universidade de Aga Khan. Em cada país, participarão da pesquisa 1.440 pessoas, que receberão as vacinas Pfizer (dose cheia, metade ou um terço), AstraZeneca (dose cheia ou meia) e Coronavac (dose cheia), sendo acompanhadas por seis meses. De acordo com a vice-presidente de Epidemiologia Aplicada do Instituto Sabin de Vacinas, Denise Garrett, a dose é determinada nos estágios iniciais do desenvolvimento das vacinas, equilibrando o máximo de eficácia com o mínimo de efeitos colaterais. Como na pandemia havia urgência para a disponibilização das vacinas, foi priorizada a eficácia no processo. Fonte: Edenevaldo Alves