Subúrbio de Damasco mostra fim da ‘bolha’ de paz em meio a conflito na Síria

Barzeh

Mais de um ano e meio após o início do conflito na Síria, moradores de áreas até então relativamente pacíficas vêm relatando o aumento dos confrontos violentos nessas regiões.

A correspondente da BBC Lyse Doucet, que acaba de voltar da Síria, diz que sua visita deixou claro para ela que mais e mais partes do país vêm sendo envolvidas na rebelião contra o regime do presidente Bashar Al-Assad.

Em um país em guerra, muitas vezes um lugar pequeno como Barzeh funciona como um claro exemplo da situação mais ampla.

Encontrar o vilarejo no mapa pode ser uma luta. Mas no mapa humano da Síria, esse subúrbio da capital, Damasco, aparece com proeminência.

O bairro serve para contar uma história extraordinária. Os atos de coragem de seus habitantes contam muito sobre Barzeh e sobre a Síria.

Em sua primeira visita à Síria, há um ano, a correspondente da BBC encontrou Damasco considerada uma bolha, ainda intocada pelos protestos do restante da Síria.

A capital, bastião do regime, era fortemente protegida e policiada pelos serviços de inteligência. Qualquer foco de protesto era facilmente eliminado.

Medo

BilhetePopulação local tinha medo de falar, mas ainda assim encontrava meios de se comunicar

Em Barzeh, o medo era palpável. Na saída da principal mesquita do bairro, a presença pouco comum de jornalistas estrangeiros atraía uma multidão. Mas eles se mantinham longe dos microfones, preferindo os olhares para dizer que não podiam falar.

Um homem então passou um pedaço de papel amassado à mão de um dos membros da equipe da BBC. A mensagem dizia: “Obrigado. Mas ninguém pode falar com vocês porque o Exército está nas ruas. Todo o povo está com medo”.

Outro homem cochichou ao passar rapidamente pelo local: “Olhe para aquela rua”. Tropas sírias esperavam ao longe.

Seis meses depois, Doucet voltou ao bairro e à mesquita. Um idoso que passava pelo portão acenou.

“Não me pergunte o que está acontecendo. Vá falar com os jovens na rua”, disse. O Exército não ocupava mais a posição que ocupava seis meses antes.

Alguns jovens se aproximaram. O medo tinha desaparecido. Entre as vielas da região, homens, mulheres e crianças faziam uma passeata, gritando palavras de ordem contra o presidente Al-Assad,

Eles pediram que a equipe os acompanhasse, até que o grupo chegou a uma casa com vários furos de tiros. A casa, segundo eles, era usada pela oposição armada, o Exército Livre da Síria, até ser atacada pelo governo.

A guerra síria havia chegado aos subúrbios da capital.

Explosões

Fumaça sobre o céu de DamascoFumaça escura e barulhos de tiros e explosões são agora algo comum em Damasco

Agora, seis meses depois, o conflito já está no coração de Damasco.

Em sua última visita, a correspondente da BBC encontrou uma cidade muito diferente.

Todos os dias, cortinas de fumaça preta e branca aparecem no céu claro. É possível ouvir disparos noite e dia, explosões, sirenes.

Alguns bairros ainda mantêm seu charme lendário – parques bem cuidados, onde famílias fazem piqueniques e casais jovens flertam, lojas vistosas de especiarias e doces, cafés cheios com pessoas jogando conversa fora.

Mas outros bairros parecem arruinados. A bolha de Damasco se rompeu. Os repetidos pedidos ao governo – que controlava a visita – para ir a uma das áreas sob bombardeio foram negados.

“É muito perigoso, e sua proteção é nossa prioridade”, respondiam os funcionários encarregados.

Então uma noite a repórter da BBC ouviu que Barzeh estava sob ataque e insistiu que a equipe deveria pelo menos poder ir até lá. E voltou então à mesma mesquita, na mesma rua.

Funerais

Buracos de tirosCom intensificação do conflito, várias casas em Barzeh agora têm marcas de tiros

Desta vez, um grupo de soldados controlava um posto de checagem bem diante da mesquita. Eles avisaram que a equipe de reportagem não poderia avançar.

“As coisas estão bem”, disse um homem. Outro indicou, com um gesto com a mão, que não estava tão seguro disso.

Os soldados disseram que a reportagem poderia conversar com as pessoas perto do posto de checagem, mas acompanhavam as entrevistas e anteciparam a um lojista o que ele deveria falar.

Ainda assim, Barzeh encontrou uma maneira de contar sua própria história.

Primeiro foi a mesquita. O alto-falante começou a funcionar, anunciando funerais. Duas pessoas, segundo o anúncio, haviam sido mortas no dia anterior pela violência.

A correspondente da BBC começou então a andar pela rua quase deserta, sem ser incomodada pelos soldados.

Uma mulher jovem estava na rua com seu filho. Questionada, ela disse que as coisas estavam bem, mas foi interrompida pelo filho.

“Você deveria dizer a ela”, ele insistiu. “Os helicópteros atacaram ontem. Estávamos em casa, porque estamos com muito medo. Imploramos a eles que parem”, disse.

Ainda assim, os protestos por lá continuavam, segundo ele.

Damasco é uma cidade divida ente aqueles que ainda apoiam o presidente, e lutam por ele, e aqueles que não o apoiam, e lutam contra ele.

Essa é a Síria hoje. Todos têm suas histórias. E são histórias de uma guerra que vem piorando. Isso é o que a Barzeh nos conta.

Fonte: BBC Brasil

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Presidente: aumento do Auxílio Brasil pode superar efeitos da pandemia

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (24) que o aumento dos índices de inflação tem, entre suas causas, problemas decorrentes do isolamento social, medida de combate à pandemia que, segundo ele, acabou por prejudicar a economia do país. Segundo o presidente, uma medida que pode ajudar na superação desses efeitos negativos causados pela pandemia na economia é o aumento no valor do Auxílio Brasil, de R$ 400 para R$ 600. As declarações foram feitas durante a cerimônia de inauguração dos Residenciais Canaã I e II, em João Pessoa (PB). De acordo com pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, está acumulado em 12,04%, nos últimos 12 meses.

Clipping
Saúde amplia público da campanha de vacinação contra gripe

O Ministério da Saúde informou que a partir de amanhã (25) os estados e municípios poderão ampliar a campanha contra a gripe para toda a população a partir de 6 meses de vida, enquanto durarem os estoques da vacina contra a influenza. Segundo o ministério, a ideia é que a ampliação na vacinação evite casos de complicações decorrentes da doença e impeça eventuais mortes e uma possível “pressão sobre o sistema de saúde”. A campanha nacional de imunização contra a influenza começou no dia 4 de abril. O Ministério da Saúde já distribuiu para estados e o Distrito Federal as 80 milhões de doses contratadas para imunizar a população brasileira. Até o momento, a mobilização contra a doença atingiu 53,5% de cobertura vacinal. Hoje (24), os pontos de vacinação atenderam exclusivamente pessoas que pertencem ao público-alvo da campanha, entre crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas e idosos. Quem faz parte do público-alvo e ainda não se imunizou, também poderá se vacinar após a ampliação da campanha. Para tomar o imunizante da gripe, basta ir a qualquer posto de vacinação. Fonte: EBC

Clipping
Aneel mantém bandeira tarifária verde para julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a bandeira verde em julho para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Com a decisão, não haverá cobrança extra na conta de luz no próximo mês. É o terceiro o anúncio de bandeira verde realizado pela Aneel desde o fim da Bandeira Escassez Hídrica, que durou de setembro de 2021 até meados de abril deste ano. Segundo a Aneel, na ocasião, a bandeira verde foi escolhida devido às condições favoráveis de geração de energia. Caso houvesse a instituição das outras bandeiras, a conta de luz refletiria o reajuste de até 64% das bandeiras tarifárias aprovado nesta semana pela Aneel. Segundo a agência, os aumentos são devido à inflação e ao maior custo das usinas termelétricas neste ano, decorrente do encarecimento do petróleo e do gás natural nos últimos meses. Bandeiras Tarifárias Criadas em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Divididas em níveis, as bandeiras indicam quanto está custando para o SIN gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre qualquer acréscimo. Quando são aplicadas as bandeiras vermelha ou amarela, a conta sofre acréscimos que variam de R$ 2,989 (bandeira amarela) a R$ 9,795 (bandeira vermelha patamar 2) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. O Sistema Interligado Nacional é dividido em quatro subsistemas: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. Praticamente todo o país é coberto pelo SIN. A exceção são algumas partes de estados da Região Norte e de Mato Grosso, além de todo o estado de Roraima. Atualmente, há 212 localidades isoladas do SIN, nas quais o consumo é baixo e representa menos de 1% da carga total do país. A demanda por energia nessas regiões é suprida, principalmente, por térmicas a óleo diesel. Fonte: UOL