Taxa de desemprego é a menor para setembro desde 2002, diz IBGE

A taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ficou em 5,4% em setembro, após registrar 5,3% em agosto, conforme aponta a Pesquisa Mensal de Emprego divulgada nesta quinta-feira (25). Em setembro do ano anterior, a desocupação registrara 6%.

De acordo com o levantamento, a taxa de desemprego é a menor para meses de setembro desde o início da série histórica, em 2002.

Em setembro, a população de desempregados somou 1,3 milhão de pessoas, não apresentando variação frente a  agosto. Porém, sobre setembro de 2011, o contingente mostrou recuo de 8,6%. Já a população ocupada atingiu 23,2 milhões, um leve crescimento de 0,9% na comparação com agosto e de 2,3% sobre setembro do ano anterior. No setor privado, o número de trabalhadores com carteira assinada chegou a 11,4 milhões em setembro, não variando em relação a agosto. Frente ao mesmo período de 2011, foi registrada alta de 3,6%.

Na comparação mensal, o desemprego recuou no Recife (de 6,7% para 5,7%), avançou em São Paulo (de 5,8% para 6,5%) e ficou estável nas outras regiões. Já em relação a setembro do ano anterior, houve queda em Salvador (2,8 pontos percentuais), Rio de Janeiro (1,3 ponto percentual), Porto Alegre (1,2 ponto percentual) e em Belo Horizonte (1,0 ponto percentual). Em São Paulo e no Recife, não foi verificada variação.

Salário
Quanto aos indicadores de remuneração, o salário médio real dos ocupados ficou em R$ 1.771,20, mostrando estabilidade sobre agosto. Em relação a setembro de 2011, houve avanço de 4,3%.

Na análise entre as regiões, o IBGE mostra que, na comparação mensal, foi registrado avanço nas regiões metropolitanas de Salvador (2,3%), Belo Horizonte (2,0%) e Porto Alegre (1,2%) e houve queda no Recife (2,0%) e em São Paulo (0,5%). No Rio de Janeiro, não houve variação. Na comparação com setembro do ano passado, o salário cresceu no Recife (12,5%), em Belo Horizonte (9,3%), em São Paulo (6,3%) e em Porto Alegre (6,1%). No entanto, diminuiu nas regiões metropolitanas de Salvador (3,5%) e do Rio de Janeiro (0,4%).

Entre os tipos de atividade pesquisadas pelo IBGE, o maior aumento de salário, de 6,6% na comparação anual, partiu de serviços domésticos. Na classificação por categorias de posição na ocupação, o maior aumento no rendimento médio foi dos trabalhadores por conta própria (7,7%).

fONTE: G1

Blog do Deputado Federal GONZAGA PATRIOTA (PSB/PE)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clipping
Gonzaga Patriota consegue liberar orçamento para ajudar Polícia Rodoviária Federal

Em razão do corte orçamentário, a Polícia Rodoviária Federal, que antes apoiava o atual presidente da república, Jair Bolsonaro (PL), está hoje, em sua grande maioria, apoiando o candidato Lula (PT), com 33% desse apoio. Na PRF, 43% não votam nem em Bolsonaro, nem em Lula, 14% revelaram que votarão em branco/nulo e apenas 10% seguem favorecendo o atual presidente. O deputado federal Gonzaga Patriota, como relator setorial de Mulheres, Crianças e Especiais na Comissão Mista de Orçamentos e, junto aos Sindicatos, Federação e Confederação da Polícia Rodoviária Federal (PRF), conseguiu com o relator geral, Hugo Leal, a locação de um bilhão e setecentos milhões de reais (R$1,7 bilhão), no orçamento de 2021/2022, a fim de resolver parte das perdas da PRF, em salários não majorados. Em razão do corte orçamentário, a Polícia Rodoviária Federal, que antes apoiava o atual presidente da república, Jair Bolsonaro (PL), está hoje, em sua grande maioria, apoiando o candidato Lula (PT), com 33% desse apoio. Na PRF, 43% não votam nem em Bolsonaro, nem em Lula, 14% revelaram que votarão em branco/nulo e apenas 10% seguem favorecendo o atual presidente.

Clipping
Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Restrições para servidores públicos e pré-candidatos às eleições de outubro passam a valer a partir de hoje (2), três meses antes do primeiro turno.  As medidas estão previstas na Lei nº 9.504/1997, conhecida como Lei das Eleições, e objetivam manter o equilíbrio entre os candidatos.  Políticos estão proibidos de autorizar a veiculação de publicidade estatal sobre os atos de governo, realização de obras, campanhas de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, exceto no caso de grave e urgente necessidade pública. Nesse caso, a veiculação deverá ser autorizada pela Justiça Eleitoral.  Eles também não podem fazer pronunciamento oficial em cadeia de rádio de televisão, salvo em casos de questões urgentes e relevantes, cuja autorização também dependerá de autorização da Justiça Eleitoral.   A participação em inaugurações de obras públicas também está vedada, além da contratação de shows artísticos com dinheiro público.  Durante o período eleitoral, funcionários públicos não podem ser contratados, demitidos ou transferidos até a posse dos eleitos.  No entanto, estão liberadas a exoneração e a nomeação de cargos em comissão e funções de confiança, além das nomeações de aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2022.  Em julho, o calendário eleitoral também prevê outras datas importantes para o pleito.  De 20 de julho até 5 de agosto, os partidos deverão realizar suas convenções para escolher oficialmente os candidatos que vão disputar as eleições.  A partir do dia 20, candidatos, partidos políticos, coligações e federações terão direito à solicitação de direito de resposta por afirmações consideradas caluniosas, difamatórias ou sabidamente inverídicas que forem publicadas por veículos de comunicação social.  O primeiro turno será realizado no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno  para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro.  Fonte EBC

Clipping
Brasil ganha 4,3 milhões de eleitores desde 2020

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registra, hoje, 152 milhões de brasileiros aptos a votar. O número é 2,9% maior do que a quantidade de eleitores em 2020, quando 147 milhões de pessoas podiam ir às urnas. Esse também é o patamar mais alto desde 2008, ano do primeiro registro histórico listado nas estatísticas do TSE. Nesses últimos 14 anos, o número máximo de eleitores havia sido alcançado em 2019 — 147,8 milhões. A evolução do número de aptos ao voto só registrou queda em 2020, quando houve redução de quase 2 milhões de votantes em relação ao ano anterior. A maior parte da população habilitada ao pleito de outubro tem entre 45 a 59 anos, é mulher e possui ensino médio completo. Ao todo, 53% da população que deve ir às urnas em outubro é do gênero feminino, 26,72% tem grau de instrução até o ensino médio e 22,87% têm ensino fundamental incompleto. Entre jovens de 16 e 17 anos, público-alvo de campanhas de incentivo ao título de eleitor neste ano, são mais de 2,5 milhões de aptos. Os dados contribuem para entender como será definida a eleição marcada para exatos 93 dias. Confira datas importantes do calendário eleitoral: Confira datas importantes do calendário eleitoral: